A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

domingo, 22 de abril de 2012

217 - Ágora - Corpo de Delito ou Delitro?






Em 1973 o mundo industrializado estava em transe pelo primeiro choque petrolífero, provocada pela guerra do Kippur. A história nesse momento começou a ser diferente e o político e jornalista francês Serban-Shreiber (1924-2006), fundador do L’Express em 1953, tão bem explicou no conjunto de artigos que foram coligidos em livro, “O Desafio Mundial” (D. Quixote 1982), e que ocasionalmente releio, para retemperar ideias e conceitos.
Na artificial modorra que Portugal parecia estar, onde se sentia já o 25 de Abril de 1974, um grupo de diletantes resolveu pregar ao vetusto e prestigiado jornal “O Século” a maior partida que há memória na imprensa escrita de expressão portuguesa.
A notícia surgira, através de alguém da TAP, pelo que um membro do governo ter-se-á deslocado apressadamente de Coimbra para tentar um contacto com os visitantes, os quais talvez pudessem ser a chave para a flexibilização das condições altamente restritivas em que Portugal então vivia, no tocante a fornecimentos de petróleo. “Fonte muito bem informada” disse ao José Mensurado, recentemente falecido, que iriam estar algumas horas em Lisboa uns árabes próximos do Xeque Yamani, o senhor todo-poderoso da OPEP, para discutirem com Portugal a questão do petróleo contextualizando a então insipiente produção de Cabinda na discussão. Como a reunião era sigilosa os árabes iriam permanecer muito pouco tempo em Lisboa, chegando à Portela num voo da TAP de manhã, almoçariam no “Tavares Rico”, ao tempo o restaurante de topo em Lisboa, e regressariam a Paris no voo da tarde. O Rolls Royce de Pereira Coutinho, chega ao Tavares, sempre acompanhado desde o aeroporto de uma discreta segurança de duas motas, e o repórter Roby de Amorim que estava a acompanhar o “furo” pelo “Seculo” chama o José Mensurado, que aparece deixando “os árabes” aparentemente muito aborrecidos porque queriam a maior descrição possível. Os “xeiques” não falavam português e a pouca “lengalenga” era traduzida por um intérprete, que respondia às questões colocadas pelo chefe de redação José Mensurado que não escondia a indisfarçável euforia de ter nas mãos um furo deste calibre. Naquela encenação ainda cabia um “representante do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal” para dar maior legitimidade ao evento. Almoço aviado, umas fotos de permeio e ei-los a caminho da Portela, onde embarcaram segundo o testemunho do repórter do jornal.
No dia seguinte, a toda a largura da página em letras garrafais, o “Século” noticiava: “Árabes discutem petróleo em Lisboa”, e no subtítulo a referencia ao petróleo de Angola. Nas páginas centrais do jornal, a entrevista, as fotos e um texto encomiástico a tão ilustres personagens foram a cereja no cimo do bolo do que foi até hoje o maior “barrete” da história da imprensa escrita portuguesa.
Os “árabes” eram uns meninos de “china na bota e papá na algibeira” (Ary), que se vestiram a preceito, arranjaram um décor perfeito e conseguiram iludir toda a gente para que o jornal de maior tiragem de então propagandeasse tamanha partida. Gente com pedigree social na Lisboa de então, como o Chefe Michel da Costa, Manecas Mocelek, Jorge Correia de Campos e o nosso conhecido corredor de automóveis em Angola Nicha Cabral entre outros. 
Não fora a censura e a história teria tido proporções maiores, mas a realidade é que esta história motivou a gargalhada geral no jornalismo português. 
José Mensurado já tinha estado em evidência pelas piores razões, quando moderou a celebérrima mesa “arredondada” em 1965 em direto na RTP sobre a atribuição do prémio a Luuanda de Luandino Vieira pela Sociedade Portuguesa de Autores, que lhe valeu a vandalização das suas instalações seguida de ordem de encerramento. Nessa mesa, José Redinha, Amândio Cesar, Geraldo Bessa Victor e Mensurado, o mais que conseguiram foi tentar calar a voz dissonante de Mário António de Oliveira e fazerem um exercício que apenas serviu para justificar o injustificável assalto por parte de “milícias” enquadradas por legionários pedófilos a uma instituição de cultura.
Esta história sugeriu-me relembrar Brecht e a “Queima dos Livros”: 
“Quando o Regime ordenou que queimassem em público
os livros de saber nocivo, e por toda a parte
os bois foram forçados a puxar carroças
carregadas de livros para a fogueira, um poeta
expulso, um dos melhores, ao estudar a lista
dos queimados, descobriu, horrorizado, que os seus
livros tinham sido esquecidos. Correu para a secretária
alado de cólera e escreveu uma carta aos do Poder.
Queimai-me! , escreveu com pena veloz, queimai-me!
Não ma façais isso! Não me deixeis de fora! Não disse eu
sempre a verdade nos meus livros? E agora
tratais-me como um mentiroso!
Ordeno-vos: Queimai-me!”


Fernando Pereira
20/3/2012



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário