Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 27 de março de 2017

40º Aniversário do kwanza

Com a devida vénia
Caros amigos
Junto a intervenção nas comemorações do 40º Aniversário do kwanza que se realizaram no Museu da Moeda em Luanda
Abraço

de

Humberto de Almeida



Esplendor na relva

Apesar de a luminosidade outrora tão brilhante
Estar para sempre afastada do meu olhar
Ainda que nada possa devolver o momento
Do esplendor na relva , da glória na flor
Não nos lamentaremos inspirados no que fica para trás
Na Empatia Primordial que tendo sido sempre será
Nos suaves pensamentos que nascem do sofrimento humano
Na fé que supera a morte
Nos tempos que anunciam o espírito filosófico

Wlliam Wordsworth

Do poema acima , da autoria do poeta WW, que traduzido para o português dá Guilherme das Palavras Valiosas retiro duas, Empatia Primordial, com as quais passarei a designar, daqui para a frente, a pessoa que foi determinante no sucesso da operação da Troca da Moeda, o amigo Saydi Mingas patrono do Auditório onde nos encontramos.



Os kazos do Kwanza
1ºkazo
Pouco mais duma semana  após a Independência referi ao Empatia que tínhamos que começar a pensar na emissão duma nova moeda.
Vamos fazer como? Foi a pergunta fulminante que me fez.Referi-lhe  que tinha conhecimento que a última edição dos escudos coloniais havia sido feitas em Londres.
De imediato foi contactar o Presidente Neto que autorizou a minha deslocação.
No dia 8 de Dezembro de 1975 estava eu a iniciar a minha primeira viagem a fim de contactar a empresa londrina.
No regresso fui portador de alguns elementos que me permitiram começar a dar os primeiros passos conducentes à materialização da emissão da nova moeda.
2ºKazo
Desloquei-me por uma segunda vez a Londres e, aquando do meu regresso, o Empatia Primordial chamou-me para me informar que o Presidente Neto havia recebido um telefonema do Presidente Tito da Jugoslávia referindo que tinha sido informado que Angola estava a tratar da emissão de uma nova moeda em Londres, quando o seu país também estava apto a desempenhar-se de tal tarefa.
3ºKazo
A partir desse momento comecei a viajar para Belgrado sendo que da primeira vez tive a companhia do Empatia Primordial.
Da segunda vez viajei sozinho tendo regressado já com alguns elementos que me permitiram começar a trabalhar na maqueta das notas.
Desloquei-me com o Empatia a casa do Henrique Abranches que nos facultou um seu desenho-Julgamento Popular- que foi incluído nas primeiras notas do Kwanza.
Como o Henrique se ofereceu para fazer a maqueta das notas deixei-lhe o meu livro, La guerre du peuple en Angola da autoria da Augusta Conchiglia, donde sacou a foto do Presidente Neto que passou a figurar em todas as notas
4ºKazo
Desloquei-me,  por mais três vezes a Belgrado  sendo que, da última vez, já assisti à primeira impressão duma nota de 500 Kwanzas.
Entretanto decidimos que as moedas também seriam fabricadas em Belgrado.
5ºKazo
Regressado a Luanda começámos a tratar da Lei da Moeda.
A este propósito gostaria de ressaltar o importante contributo de duas pessoas aqui presentes: a Dra Antonieta Coelho e o Dr António Pimenta da Silva.
No primeiro projecto de Lei o nome que propusemos para a moeda foi Zimbo nome esse que não teve o beneplácito do Presidente Neto que optou por Kwanza.
A este propósito lembro um episódio algo caricato.Na verdade para não se confundir com killowats a sigla da moeda resolvemos optar por Kz.
O tipografo da Imprensa Nacional é que não concordou e resolveu alterar, diga-se que, com toda a lógica, para Kw.
Lá tive que me deslocar a  toda a pressa à Imprensa Nacional para repor as coisas.
6ºKazo
Entretanto o Empatia Primordial resolveu chamar a Luanda todos os Governadores Provinciais a quem foi comunicado o inicio da operação da Troca da Moeda e o seu importante papel na coordenação das equipas da troca.As notas foram enviadas,por avião,para as Provincias, para serem trocadas de acordo com as regras estabelecidas na Lei.
7ºKazo
Na operação de troca em Luanda, em que estive mais directamente envolvido,após a reunião com os componentes das várias equipas, resolvemos bloquear a saída de todos os trabalhadores envolvidos por vezes com a natural incompreensão dos seus familiares.
8ºKazo
No primeiro dia da troca da moeda saí do banco cerca da meia noite parei o carro e liguei para o noticiário da BBC em português onde, para espanto meu, ouvi que Angola havia surpreendido o mundo ao trocar a sua moeda no maior sigilo.
9ºKazo
Cerca de uma semana após a Troca da Moeda o Presidente Neto promoveu uma manifestação junto ao Palácio do Governo onde, publicamente, se congratulou com o sucesso da operação da troca em todo o país.













Pensar e Falar Angola

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Como combater o Preconceito (I)

Como combater o Preconceito (I)

Nacional
Para combater o preconceito, é necessário entender a razão da sua existência, sendo certo que sem este entendimento, ou seja, se não tivermos em atenção as causas do preconceito e o motivo de alguém ser preconceituoso, não importa o que fizermos – debates, artigos, conferências, etecetera – será fadado a um sucesso parcial ou a um insucesso histórico. Portanto, os comportamentos humanos não ocorrem sem uma lógica social, mesmo que deturpada. Pelo que, entender alguns motivos que os alimentam ajudam na eficácia do combate a qualquer postura preconceituosa
Por: Adão Ramos
Depois de um interregno de alguns meses  desde a publicação neste mesmo Jornal Digital, o Ngola Jornal, do último da série de artigos que vinha escrevendo, no quadro do meu activismo pela Inclusão, por ter faltado tempo, já que a minha vida profissional e escolar se tornou mais exigente, com as mudanças geográfica e de horário – retomo, agora já adaptado à nova realidade, na esperança de poder ter a “garra” física e mental/intelectual necessária para continuar pelo ano todo.
Para reinício de escrita, pretendia trazer à leitura pública uma reflexão entorno da celebração do 3 de Dezembro último, dia Internacional da Pessoa com Deficiência, que teve como lema, “Alcançando 17 metas para o futuro que queremos”  chamando atenção para os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU e como estes objetivos podem criar um mundo mais inclusivo e equitativo para as pessoas com limitação  mas rapidamente adiei para a próxima e optei pelo tema em epígrafe, que a TV Zimbo trouxe a debate no já Consagrado Programa “Debate Livre” realizado aos 27.09.2016, onde participei na condição de convidado; justifica a opção, a pertinência da abordagem e o facto de não ter feito qualquer comentário público extra debate até hoje. Felicito a TV Zimbo e o seu Director, Francisco Mendes, pela iniciativa, quase pioneira e muito bem sucedida, que nunca tinha visto acontecer noutros órgãos…
No geral, concordamos, todos os convidados, a Paula Simons, o Celso Malavoloneque, a Cecília Quitombe e eu, que o preconceito e os preconceituosos não são novidades na história da humanidade; sempre conviveram connosco, manifestando-se, ou manifestando o seu juízo apressado de forma explícita ou sorrateira. E numa sociedade adoentada como está a nossa, não surpreende a ninguém, que alguns preconceituosos ocupem posições de destaque, podendo excluir o diferente.
O questionamento se o preconceito teria causa cultural, ambiental ou institucional, não ocupou tanto o nosso tempo de antena, porquanto, penso, o mais importante pareceu-nos ser responder à reflexão: “Como poderemos combater o preconceito”?
Refletimos sobre várias formas de preconceito, sendo, racial, sexual, físico, cultural e político.
O que ficou por dizer, da minha parte, pois não tinha todo tempo, foi que:
  1. Para combater o preconceito, é necessário entender a razão da sua existência, sendo certo que sem este entendimento, ou seja, se não tivermos em atenção as causas do preconceito e o motivo de alguém ser preconceituoso, não importa o que fizermos  debates, artigos, conferências, etecetera  será fadado a um sucesso parcial ou a um insucesso histórico. Portanto, os comportamentos humanos não ocorrem sem uma lógica social, mesmo que deturpada. Pelo que, entender alguns motivos que os alimentam ajudam na eficácia do combate a qualquer postura preconceituosa.
Quando me preparava para o “Debate Livre” li que Voltaire qualificou: “os preconceitos são a razão dos imbecis”; ao que tudo indica ele não se referia àqueles com deficits intelectuais, mas sim àqueles que são diferenciados culturalmente, para mostrar esta triste faceta humana, a de como alguém culturalmente diferenciado pode ser preconceituoso e capaz de excluir o diferente.
  1. Atendendo que o preconceito nasce nos grupos e se manifesta nas atitudes individuais, o combate requer que as acções de mudança e de esclarecimento visem a coletividade, com um trabalho educativo, elucidativo capaz de modificar as paixões subjacentes ao preconceito, sem o qual ele crescerá cada vez mais. O processo de informação educativa não deve ser elitizado, ou seja, os debates, as palestras/conferências, entrevistas, etc., devem ter presentes, sobretudo, aqueles que sofrem com o preconceito. Se tais acções forem realizadas somente com “opinion makers”, ditos experts, famoso(a)s, ou gente que se pareça com esses, os objetivos podem não ser atingidos, por mais que elas também possam ser vítimas do preconceito… até à parte II
Hits: 36

Pensar e Falar Angola

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

HABEMUS PhD EM DIREITO.

HABEMUS PhD EM DIREITO.
Angola soma e segue. Depois de mais um título das nossas meninas do andebol, Angola recebe mais um PhD: É Marcolino Moco, defendeu no dia 12 de Dezembro de 2016, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, a tese de doutoramento:
 "Contribuição para uma apreciação jus-internacional da integração regional africana"
Marcolino José Carlos Moco foi Primeiro Ministro de Angola, É licenciado e mestre em Direito pela Universidade Agostinho Neto.
Entre o mestrado e o doutoramento foi professor e director da Faculdade de Direito na Universidade Lusiada de Angola.
Natural da Província do Huambo, planalto central de Angola, . aldeia de Chitue, no Ekunha – antiga Vila Flor. Descende de uma importante linhagem de chefes tradicionais, um dos quais foi Tchítue, fundador da aldeia onde nasceu.
O seu título é com certeza dedicado ao seu pai, um dos sobas mais influentes do grupo etnolinguístico Ovimbundu, falecido há exactas duas semanas.
Parabéns Angola!!!
Parabéns a classe dos Juristas!!!


Nesta foto, Marcolino Moco com o júri, depois de "aprovado por unanimidade, com dois votos de distinção -  Reitoria da Universidade de Lisboa, 12 de Dezembro de 2016.  


Amor de Fátima
Área de anexos


Pensar e Falar Angola

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Franck Lundangi















Pensar e Falar Angola

A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E OS DIREITOS HUMANOS

A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E OS DIREITOS HUMANOS

Caras Companheiras,

A afirmação do direito à igualdade na perspectiva jurídico-política que assiste à mulher é um entendimento que decorre da dignidade da pessoa humana subjacente ao conceito de Estado democrático de Direito.
Na medida em que  a maior parte dos países hodiernamente aderiu ao conceito, trata-se de um modelo organizacional de Estado que estrutura as relações com o cidadão na base de princípios recíprocos de direitos de deveres,  estes  atendem a ideais específicos dos quais se destaca o da igualdade.
A igualdade de tratamento entre os cidadãos apresenta-se, assim, como um dos princípios estruturantes dos chamados Estados democráticos de direito e historicamente mostra uma longevidade, no conjunto dos demais, ao mesmo tempo que se manifesta também como o mais versátil.
Daí que apesar da exigência de igualdade de tratamento entre cidadãos é possível vislumbrar as chamadas políticas de discriminação positiva que no caso concreto da mulher visam elevar o seu estatuto sociopolítico tendo em conta a perspectiva do género exigir políticas consentâneas com o desenvolvimento humano independentemente  do sexo.
Devemos deste modo encarar as políticas que se prendem com a igualdade do género no âmbito dos direitos humanos que se baseiam na dignidade humana. Com isto deve-se reconhecer que o caminho que ainda se tem de percorrer pressupõe não só uma realização prospectiva que mobiliza cada vez mais o sentido material do Direito e da Justiça, como nos impõe, sobretudo a nós mulheres africanas, que tenhamos um olhar crítico sobre o que se tem feito internamente pelos nossos Estados quer a nível legislativo quer a nível da consciência social dos cidadãos.
Posto isso na vertente dos dezasseis dias de activismo contra a violência da mulher que se assinala entre 25 de Novembro de 10 de Dezembro, para além das jornadas que tradicionalmente são desenvolvidas neste período, convidamos a todas, neste dia dedicado internacionalmente aos Direitos Humanos, a efectuarem também uma reflexão crítica sobre o alcance da legislação existente nos nossos países sobre a violência contra a mulher e avaliar a sua eficácia, quer em termos de pensamento jurídico, quer em termos de alcance social.
Esta é uma tarefa que se impõe para se verificar se o Estado ao lado da obrigação de produzir legislação consentânea com a igualdade de direitos na perspectiva do género, no qual se inserem as leis da violência contra a mulher, também cumpre com a sua obrigação de actuar para dar satisfação ao combate à violência contra mulher em virtude de se estar perante uma das maiores brutalidades que atentam contra a sua dignidade, atingindo-a a vários níveis do social mas também do psicológico e da moral, de tal forma que a torna numa capito diminutio.  
Esta é uma dimensão que devemos trazer à reflexão derivada do conjunto de preocupações adstritas ao ideal de direito e justiça do nosso tempo. Um tempo que apesar da barbárie, das restrições de direitos, de violações de direitos humanos e de atentados à liberdade individual, se apresenta como intergeracional orientado a abraçar uma dimensão ética que pugne por um desenvolvimento sustentável da qual a mulher é e deve ser necessariamente parte.
Quis o destino que no período em que decorre os dezasseis dias de activismo contra a violência da mulher, África perdesse um dos homens mais notáveis do nosso tempo, Nelson Mandela, cuja dimensão moral e intelectual tem tudo a ver com a reflexão que se pretende no pressuposto de o ideal que prosseguiu procura atender às necessidades do Ser Humano na actualidade e comprometer o envolvimento das gerações futuras.
Neste dia dedicado aos direitos humanos fecha-se oficial e formalmente a jornada dos dezasseis dias de activismo contra a violência da mulher e lembra-se Nelson Mandela, aquele que entre nós não morrerá jamais, porque, efectivamente, as ideias são imortais.

Trata-se de  valores de um lisonjeiro acolhimento e dispensam outras justificações. Impõem-se,  por imperativo de fidelidade à causa da dignidade da pessoa humana, que nós mulheres de todo o mundo em geral e em particular de África tenhamos de proceder denunciando e anunciando algo demais significativo que a doutrina dos Direitos Humanos tem estado a produzir e reordinar algumas dessas orientações à violência contra a mulher.
De facto, urge atacar o problema da violência contra a mulher que permanece assustador devido o aumento que se verifica em muitas partes do mundo, de que destacamos no caso particular de Angola o aumento das violações sexuais contra a mulher.
Apesar dos longos anos de reflexão sobre esta questão concreta este fenómeno está longe de absorver as soluções que se impõem, aliado ao desfasamento das sensibilizações de base que inserem a matéria, são outros tantos factores que nos impelem de prosseguir na procura de meios de trabahos mais abrangentes e actualizados tendo em conta o momento em que nos encontramos exigir uma igualdade de género consentânea com os Direitos Humanos.   

Luanda, 10 de Dezembro de 2016
DIA INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS
CLUBE DAS MULHERES DE CARREIRA JURIDICA.
Clube De Mulheres Juristas


Pensar e Falar Angola

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

11 de novembro




Pensar e Falar Angola

Angola: 41 anos após a independência: o que há ainda por fazer?

Hoje é dia de Festa: 41 anos de Nação.
Os angolanos têm um país que faz hoje os seus 41 primeiros anos.
Entre Guerras, inventonas, perseguições, adulterações e outras convulsões todos somos conscientes de que valeu a pena. 
Se calhar grande parte do País não se recorda, ou simplesmente não sabe, o nome dos Pioneiros da Nação, a História da Luta de Libertação, a História pré-Independência.  
Hoje é dia de Festa, mas não é dia de esquecer o que ainda falta fazer, o que deveria estar feito e não está, a transparência que se exige nos dias de hoje, num mundo que ser quer justo e igualitário.
Hoje é dia de Festa e valeu a pena.


Pensar e Falar Angola

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Recreativo do Libolo e a Taça de Angola

O Recreativo do Libolo tenta na sexta-feira conquistar a Taça de Angola de futebol, na final que disputa frente ao Progresso do Sambizanga, depois de falhado o objectivo de vencer o Girabola.
A 14.ª final da competição está agendada para às 16h de 11 de Novembro, feriado nacional que assinala os 41 anos da independência do país e acontece poucos dias depois de terminado o campeonato de futebol da primeira divisão, em que o Recreativo do Libolo terminou em terceiro lugar, atrás do Petro de Luanda e do novo campeão, o 1.º de Agosto.
Apesar de falhar a reconquista do título (2014 e 2015), o treinador da equipa, João Paulo Costa, recusa ver a presente época como um falhanço, e ainda com a final da taça para disputar.
“Falarmos em fracasso, acho que é demasiado pesado para aquilo que é o nosso contexto actual, para o carácter dos jogadores que ficaram. Foi isso que fizemos todos e, logicamente, não estamos satisfeitos, porque o objectivo que tínhamos era sermos campeões. Mas não foi tão negativo quanto isso, atendendo ao contexto”, explicou o treinador do Libolo.
Em causa estão as várias lesões e saídas de jogadores do plantel durante a época de 2016, situação que o técnico português admite preocupar igualmente para a final de sexta-feira, com pelo menos quatro jogadores em risco, com lesões contraídas na última jornada do Girabola.
“Todos os jogos onde o Libolo entra é para vencer, este terá a particularidade de ser um jogo único e está em causa um troféu. A nossa determinação será máxima, tentando alcançar um título que também ambicionamos, apesar de todas as contrariedades que a equipa tem vindo a viver”, reconheceu João Paulo Costa, que treina desde meados de 2015 a equipa de Calulo, no Cuanza Sul.
O Libolo já venceu esta época a Supertaça de Angola.
Do lado do Progresso do Sambizanga, a equipa de um dos bairros históricos de Luanda vai jogar praticamente em casa, tendo em conta que a final é disputada no estádio dos Coqueiros, no centro da capital angolana.
A equipa do sambila terminou o campeonato no oitavo lugar e ainda tem presente a vitória por 1-0, em casa, a 16 de Outubro, sobre o Libolo. Derrota que na altura, já na recta final do Girabola, representou o início do fim do sonho do tri-campeonato para a formação de Calulo.
A edição de 2015 da Taça de Angola foi conquistada pelo Bravos do Maquis, na final disputada em Luanda frente ao Sagrada Esperança.


Pensar e Falar Angola

terça-feira, 8 de novembro de 2016

As 1ªs Jornadas Científicas do ISCAH

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DE ADMINISTRAÇÃO E HUMANAS
ISCAH



As 1ªs Jornadas Científicas do ISCAH
09 e 10 de Novembro de 2016

Damos as boas vindas a todos os convidados, docentes, investigadores e estudantes universitários, funcionários dos Ministérios de Ensino Superior e de Ciência e Tecnologia, assim como as instituições parceiras, empresas e organizações que têm ligação às ciências de administração e humanas e aos estudantes finalistas do Ensino Médio.
Sejam todos bem-vindos as 1ªs Jornadas Científicas do ISCAH, Instituto Superior de Ciências de Administração e Humanas (ISCAH), que visam consolidar o trabalho de investigação científica, debater questões relacionadas com as reflexões de cada curso face aos desafios da sociedade angolana e cumprir com o seu cronograma de actividades, programadas para 2016.
Estas jornadas ciêntifícas decorrerão sob o lema: “Reflexões sobre as ciências de administração e humanas face aos desafios da sociedade angolana.

Objectivos:
1.      Fazer uma reflexão sobre a estratégia do ISCAH na formação de quadros face aos desafios da sociedade angolana;
2.      Debater as principais questões apresentadas por cada curso de forma a contribuir para a consolidação da investigação científica a nível do ISCAH;
3.      Destacar a importância das ciências de administração e humanas nos desafios do desenvolvimento nacional.
4.      Trocar experiências práticas sobre as metodologias de investigação científicas aplicadas nos diferentes cursos do ISCAH;
5.      Trocar experiências metodológicas com docentes e investigadores de outras instituições académicas e não só.


Temas Centrais da Jornada:
1.      Competência e desempenho no sector público;
2.      A nova geração de empreendedores;
3.      A reforma tributária e suas implicações;
4.      O Estado Democrático e suas bases políticas e institucionais.
5.      A Psicologia e a sociedade.
6.      O papel do ISCAH no desafio do desenvolvimento nacional
7.      A visão estratégica do ISCAH na formação de quadros angolanos;
8.      Os desafios de gestão pública em Angola;
9.      A nova Lei Geral do Trabalho, avanços e recuos na protecção dos direitos de trabalhadores.

 PROGRAMA
Programa Geral

Dia
Hora
Local 
Actividade

Quarta-feira , 09




       8:30-9:30


    Auditório

 Recepção dos convidados – Protocolo
 Acreditação - Secretariado
09:30-10:10
 
 Auditório

Hino Nacional
Momento cultural
10:10-10:50
Apresentação geral do programa das 1ªˢ Jornadas – Subcomissão Científica
Discurso de Abertura: Director-Geral, Prof. Doutor Sapalo António
11:00-12:00
Aula Magna

Orador: Dr. Paulo Beaumont
Director Geral Adjunto para HST(Higiene Saúde no Trabalho)
12:20-13:40

Coffee break
14:00-14:50
  Auditório

Tema: A nova lei das medidas cautelares em processo penal
Oradora: Dra Maria Elisabeth da Cunha
Moderador: Dr Justo Cunha
15:00-15:50
  Auditório

Tema: A nova lei geral do trabalho avanços e recuos na protecção de direitos dos trabalhadores
Orador: Dr Jacob Bernardo
Moderador: Dr Justo Cunha
16:00-16:50
  Auditório

Tema: Impacto psicopedagógico da violência contra a criança
Oradora:  Dra Irma Cristina Chimbembe






Quinta-feira , 10




       9:00-9:50


Auditório
Tema: A visão estratégica do ISCAH na formação de quadros Angolanos é contribuir para a melhoria do padrão do ensino, com vista a formação de técnicos e quadros nacionais qualitativamente competentes
Orador:  Dr José Sangueve
Moderador: Dr António Francisco
       10:00-10:50


Auditório 
Tema: Trabalho agrícola mecanizado como factor sinequano no gerador do PIB em Angola
Orador:  Engº João Songuessa
Moderador: Dr António Francisco
       11:00-11:50

  Auditório
Tema: A Inclusão do aluno com necessidades educativas especiais e a intervenção do psicólogo escolar diante dos problemas de aprendizagem
Orador: Dr. Domingos Agostinho Miguel

       12:00-12:50

  Auditório
Tema: A Inclusão do aluno com necessidades educativas especiais e a intervenção do psicólogo escolar diante dos problemas de aprendizagem
Orador: Dr. Domingos Agostinho Miguel

13:00-14:00

Coffee break

       14:10-15:00

  Auditório
Tema: Testes psicológicos e o seu impacto no recrutamento e selecção do pessoal nas organizações
Orador: Dr. Kipoy Watela Chimbelengue


       15:10-16:00

  Auditório
Tema: Direito administrativo e desenvolvimento sustentável novas tendências de controlo de políticas públicas
Orador: Dr. Laurindo Tchiweca
Moderador: Dra Amor de Fátima


Pensar e Falar Angola

Nuvem

Angola na Imprensa (1772) música (399) jornais (325) Ágora (247) livros (229) F.Pereira (221) Historia de Angola (218) pintura (209) opinião (206) cultura (186) Luanda (116) desporto (114) fotografia (104) Território (74) literatura (73) africa (64) vídeo (64) culinária (60) Angola (55) Saúde (55) arte (55) escritores (55) reconstrução (54) Fauna (52) arquitectura (52) humor (51) personalidades (50) reciclagem (50) partidos políticos (49) turismo (49) Namibe (48) CAN2010 (47) futebol (46) energia (44) Luis Sá Silva (43) publicidade (43) Filatelia (42) Gastronomia Angola (42) Poesia (42) Cinema (41) economia (41) automobilismo (40) fotos (40) LAC (39) gastronomia angolana (37) sociologia (37) musica (36) Luanda Antena Comercial (35) POLITICA (34) valdemaribeiro (34) eleições (33) ensaios (32) Construção (31) visitando blogues (29) 95.5 (28) Elinga Teatro (28) informação (27) Girabola (26) eleições 2012 (26) Podcast (25) Lubango (24) automóveis (24) blogs (24) dança (24) teatro (24) Companhia de Dança Contemporânea de Angola (23) política (23) basquetebol (22) bonecas (22) futebol angolano (22) rádio (22) CDC (21) cronicas . ensaios (21) imprensa (21) sabores (21) Angola em fotos (20) Natal (20) Ondjaki (20) educação (19) notícias (19) frutas (18) Huambo (17) artesanato (17) cronicas (17) eventos (17) GP3 (16) debate político (16) festas (16) Benguela (15) Cozinha Angolana (15) Independência (15) Lobito (15) Parques Naturais (15) Presidente José Eduardo dos Santos (15) Sala de Música (15) curiosidades (15) receitas (15) Agostinho Neto (14) CASA-CE (14) EDUCAÇAO (14) entrevista (14) fotos antigas (14) Bloco Democrático (13) Companhaia de Dança (13) Rui Ramos (13) animais de Angola (13) 4 de Fevereiro (12) Angola descrita (12) Angola-Brasil (12) F.Quelhas (12) José Mena Abrantes (12) Solidariedade (12) comércio (12) memória (12) texto de leitor (12) viagens (12) áudio (12) Afrikya (11) Cabinda (11) Huila (11) José Rodrigues (11) Rádios Angolanas (11) agenda cultural (11) ambiente (11) ciência (11) escravatura (11) flora (11) kuduro (11) pessoas (11) Comentário (10) Jazz (10) Paulo Flores (10) Ruy Duarte de Carvalho (10) afrobasket (10) aniversário (10) escultura (10) estórias (10) futuro (10) geografia (10) malária (10) população (10) postais (10) povos (10) prémios (10) taag (10) unita (10) 27 de Maio (9) Huíla (9) Mateus Gonçalves (9) Palancas Negras (9) cplp (9) exposição (9) paludismo (9) pobreza (9) CAN2008 (8) Café da Manhã (8) Carnaval (8) Jorge António (8) Marcolino Moco (8) Pepetela (8) SOCIOLOGIA POLÍTICA (8) Sérgio Conceição (8) baía de Luanda (8) comboio (8) feriados (8) gentes (8) património (8) selecção de Angola (8) transporte (8) viagens no tempo (8) Festas do Mar (7) João Melo (7) Luandino Vieira (7) Malange (7) O País (7) Rui Mingas (7) SIDA (7) efemérides (7) ensino (7) falecimento (7) festival de teatro (7) heróis (7) percussão (7) Abel Chivukuvuku (6) Bom Dia - Bom dia (6) CAN2012 (6) Hóquei (6) Luisa Fançony (6) MPLA (6) ajuda (6) andebol (6) campanha eleitoral (6) chuva (6) colecção cartazes (6) filme (6) moda (6) sociedade (6) 25 de Abril (5) 4ª Conferência sobre Mulher e Desporto (5) Cartoon (5) Chá de Caxinde (5) Eleições em Notícia (5) FILDA (5) Luena (5) Mário Pinto de Andrade (5) Nelson Mandela (5) antiguidades (5) caminhos de ferro (5) contos (5) convite (5) crianças (5) cultos (5) desenho (5) dia de África (5) diversão (5) documentos (5) estradas (5) liberdade (5) lusofonia (5) moeda (5) o nosso Povo (5) petróleo (5) televisão (5) valdemar ribeiro (5) A Escola da Música (4) A Guerra (4) ADRA (4) Adams Kiluanji Smiths (4) Ana Clara Guerra Marques (4) André Mingas (4) Brasil (4) CFB (4) Capas de singles angolanos (4) Comemorações da Independência de Angola (4) Constituição (4) Diplomáticos (4) Duo Ouro Negro (4) Elias Dya Kimwezo (4) Expo 2010 (4) Fundação Sindika Dokolo (4) IIº Festival Internacional de Teatro e Artes (4) Jornal de Angola (4) Mulheres de Angola (4) N'gola Ritmos (4) Okutiuka (4) Ouvir Angola (4) Paulo Jorge (4) Pensar e Falar Angola (4) Raul do Rosário (4) Saurimo (4) Sónia Ferreira (4) Trincheira Firme (4) agricultura (4) arquitectura popular (4) colares (4) corrupção (4) desportos (4) ecologia (4) etnografia (4) hoquei em Patins (4) internet (4) media (4) medicina (4) tradição (4) urbanismo (4) África (4) Ana Paula Tavares (3) António Jacinto (3) Baía dos Tigres (3) Caminhos de Ferro de Moçâmedes (3) Catumbela (3) Cuito Cuanavale (3) Denudado (3) Dia Mundial da Dança (3) Dia da Mulher (3) Dia do Herói Nacional (3) Ernesto Lara Filho (3) Filipe Mukenga (3) Homenagem (3) INFRAESTRUTURAS (3) Interclube (3) Investimentos (3) Jogos Olímpicos (3) Jorge Kalukembe (3) José Eduardo Agualusa (3) Justino Pinto de Andrade (3) Kudijimbe (3) Lino Damião (3) Manifesto (3) Manuel Victória Pereira (3) Mosquito (3) Mundial de Hóquei (3) Mário Tendinha (3) Patrício Batsîkama (3) Paulo Araujo (3) Pedroto (3) Prémio Maboque (3) Pérolas (3) Ricardo Teixeira (3) Rock Angolano (3) Teta Lando (3) Universidade (3) Yuri da Cunha (3) adivinhas (3) autores (3) candomblé (3) cidadania (3) coleccionismo (3) comunicação (3) conselhos (3) curso (3) david oliveira (3) democracia (3) deputados (3) desastre (3) desenvolvimento (3) design textil (3) dia da Independência (3) e-mail (3) elinga (3) empreendorismo (3) empresa (3) engenharia (3) estatística (3) estudantes (3) exportação (3) formação (3) globalização (3) governo (3) história natural (3) ideias (3) imobiliário (3) indústria (3) jornalismo (3) kuanza-Sul (3) legislação (3) lingua portuguesa (3) linguas (3) livro (3) mel gambôa (3) negritude (3) poesia lusófona (3) polícia (3) rios (3) trabalho (3) ||| Trienal de Luanda (3) 11 de Novembro (2) 1º de Maio (2) 3º ano (2) A Matéria do Tempo (2) Agostinho André Mendes de Carvalho (2) Agualusa (2) Andulo (2) Angola no Afrobasket2013 (2) António Ole (2) Arlindo Barbeitos (2) Assembleia Nacional (2) BD (2) Beatriz Salucombo (2) Belita Palma (2) Bonga (2) Bonga Kwenda (2) CHAN (2) CUBE RECORDS (2) Café Negro (2) Cambambe (2) Campeonato do Mundo de Hóquei (2) Cangandala (2) Caála (2) Comissão Nacional Eleitoral (2) Correia Adão (2) Cuca (2) DTA (2) Divagações (2) Dog (2) Dog Murras (2) Don Sebas (2) Elinga Bar (2) Encontro (2) Estudos Angolanos (2) Estúdio de Actores (2) FAO (2) FBaião (2) FIC (2) FLEC (2) Festival Internacional de Jazz (2) Festival Internacional de Rock do Huambo (2) Festival de Cinema (2) Filipe Zau (2) Formula 3 (2) Fortaleza de Luanda (2) Fotografias (2) Fotografias de Angola (2) Francisco Vidal (2) Gustavo Costa (2) Helena Justino (2) Helena Magalhães (2) Hospital Pediátrico David Bernardino (2) Isabel dos Santos (2) Januário Jano (2) João Arrmando (2) João Baptista Vieira Lopes (2) Kilamba (2) Kuanza (2) Kwanza Norte (2) Leba (2) Lev'Arte (2) Luís Damião (2) Lúcio Lara (2) Mampuya (2) Mangovo (2) Manifestações (2) Manuel Rui (2) Manuel Ruy Monteiro (2) Margarida Paredes (2) Mbanza Congo (2) Mia Couto (2) Micaela Reis (2) MinhaAngola (2) Monza (2) Mucuio (2) Museu de História Natural (2) Nara (2) Nelo Teixeira (2) Neves e Sousa (2) O Blog Realmente Aberto (2) Online (2) Palácio de Ferro (2) Papa Bento XVI (2) Paulo Jazz (2) Paulo de Carvalho (2) Pedras Negras (2) Prémio Nacional da Cultura (2) Reacreativo do Libolo (2) Recordações (2) Reginaldo Silva (2) René Pélissier (2) Roderick Nehone (2) Rosa Coutinho (2) Rádio Ecclesia (2) SIEXPO (2) Sabby (2) Salvador Correia (2) Samakuva (2) Sambizanga (2) Savimbi (2) Sonangol (2) Sumbe (2) TPA Internacional (2) Tchokwé (2) Terra (2) Tio Liceu (2) Togo (2) Tonspi (2) Uíge (2) Valdemar Bastos (2) Viriato da Cruz (2) Visita de Estado (2) Viteix (2) Yaru Cândido (2) advogados (2) alimentação (2) angolanidade (2) antropologia (2) artes plásticas (2) aviação (2) bebidas (2) biodiversidade (2) ciclismo (2) cidades (2) conhecimento (2) contestação (2) direitos e deveres (2) divulgação (2) educ'arte (2) escola (2) espectaculo (2) feira (2) fim de ano (2) fome (2) governação (2) herois (2) hino (2) instrumentos (2) kimalanga (2) kizomba (2) legislativas (2) leis (2) marginal (2) negócios (2) pensamentos (2) pesca (2) provérbio (2) racismo (2) religião (2) reportagem (2) resultados eleitorais (2) revistas (2) toponimia (2) transporte aéreo (2) trânsito (2) vias de comunicação (2) vistos (2) Álvaro Macieira (2) óbitos (2)  Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) "O Ocaso dos Pirilampos". (1) 04 de Abril (1) 1 de Maio (1) 15 de Março (1) 1º de Agosto (1) 2006 (1) 2008 (1) 2011 (1) 2012 (1) 2014 (1) 95 (1) A Poesia Angolana noa Caminho Doloroso da História (1) A Orfã do Rei (1) A Safra (1) ANGOLATELECOM (1) Acordos Luso-Angolanos (1) Acordos de Paz de Bicesse (1) Actores (1) Acácio Barradas (1) Adolfo Maria (1) Adriano B. de Vasconcelos (1) Adriano Botelho de Vasconcelos (1) Adriano Mixinge (1) Adriano Sebastião (1) Aeroporto Internacional de Luanda (1) Afrologia (1) Alda Lara (1) Alda do Espírito Santo (1) Alfabetização (1) Aline Frazão (1) Allende (1) Ana Dias Lourenço (1) Ana Paula dos Santos (1) Angola 74 (1) Angola Avante (1) Angola Rural (1) Angola e NBA (1) Angolares (1) Animação (1) António Kassoma (1) António Magina (1) António dos Santos (1) Anália de Victória Pereira (1) Apartheid (1) Apostolado (1) Artur Nunes (1) Assassinato (1) Associação 25 de Abril (1) Associação Kalu (1) Autódromo (1) Bahia (1) Baixa de Cassange (1) Banda (1) Banda Desenhada (1) Banda Maravilha (1) Before Crush (1) Benfica (1) Bienal (1) Bilhete de Identidade (1) Bimbe (1) Bié (1) Black Soul (1) Boas Fertas (1) Bruno M (1) COI (1) COSISA (1) CPJ (1) CRONICAS ENSAIOS (1) Cabo Ledo (1) Caleidoscópio (1) Calos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Cangola (1) Caotinha (1) Carlos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Carlos Ferreira (1) Carlos Ferreirinha (1) Carlos Morais (1) Carteira do Artista (1) Casa 70 (1) Casa do Gaiato (1) Casa do Gaiato de Benguela (1) Cavaqueira no Poste (1) Cesaire (1) Cesária Évora (1) Chia KMK (1) Chibia (1) Chiwale (1) Cinema Atlântico (1) Comité Olímpico (1) Companhia de Teatro Dadaísmo (1) Companhia de Teatro Gente (1) Congresso (1) Cooperação Luso Angolana (1) Corte-Real Pereira (1) Costa Andrade (1) Cuba (1) Cubal (1) Cunene (1) Cónego Manuel das Neves (1) DNIC (1) Dalila Cabrita (1) David Zé (1) Death Metal Angola (1) Demósthenes (1) Dharmasena Pathiraja (1) Dharmasena Pathirajad (1) Dia da Mulher Africana (1) Dia de Camões (1) Dia internacional da Criança (1) Direitos Humanos (1) Direitos de autor (1) Discurso do Presidente Agostinho Neto (1) Dondo (1) Doutoramento (1) Drepanocitose (1) Duarte Ferreira (1) EXPO 2012 (1) Edgardo Xavier (1) Edite Soeiro (1) Eiffel (1) Embaixada de Angola em Portugal (1) Embaixador (1) Eng. Fernando Falcão (1) Espaço SIEXPO (1) Estórias de Angola (1) Etel Ferrão (1) Eugénio Costa Almeida (1) ExameAngola (1) Expo 2008 (1) FAA (1) FC Bravos do Maquis (1) FIL (1) FNLA (1) Fernando Baião (1) Fernando Laidley (1) Fernando Pacheco (1) Fernando Tavares Pimenta (1) Festival da Canção (1) Filhos da Pátria (1) Flávio Ferrão (1) Ford (1) Forum Angolanao (1) Força aérea (1) Fragata de Morais (1) Francisco Costa Andrade (1) Frases (1) Frei João Domingos (1) Frutos de Angola (1) Fundo de Solidariedade Lwini (1) Fátima Roque (1) Gabela (1) Gana (1) Gari Sinedima (1) Gastronomia Angolana (1) General Pakas (1) Graciano António Manuel Kalukango (1) Granito (1) Grupo Lareira (1) Grupo Pitabel (1) Grupo de Reflexão da Sociedade Civil de Angola (1) Guiné-Bissau (1) Gustave (1) Gustavo da Conceição (1) Gás (1) Helder Mendes (1) Henrique Artes (1) Herberto Helder (1) Hinos partidários (1) Holden Roberto (1) INESAAODH (1) INOVAR (1) Icolo e Bengo (1) Imbondeiro (1) Inocência Mata (1) Inscrições (1) Iraldo (1) Irina Vasconcelos (1) Isaura Maria da Conceição Epanda (1) Ismael Mateus (1) J.M.Coetzee (1) Jacinto Lemos (1) Jandira Sassingui (1) Jeremy Xido (1) Jerónimo Belo (1) Joaquim Furtado (1) Jodi Burch (1) Jomo Fortunato (1) Jonh Bela (1) Jordi Galcerán (1) Jorge De Palma (1) José Chaves (1) José Luis Mendonça (1) José Marcos Mavungo (1) José Maria Chaves (1) José Redinha (1) João Jorge Xavier (1) João Kassinda (1) João Soares (1) Kalandula (1) Kalumba (1) Kambumbe Lodje (1) Kandjila (1) Kaparandanda (1) Kate Hama (1) Kifangondo (1) Kiluanji Kia Henda (1) Kinaxixe (1) Kito Kimbenze (1) KuBass (1) Kuduro International Conference (1) Kwanza (1) LODGE (1) Lambarena (1) Levy César Marcelino (1) Lilly Tchiumba (1) Lito Vidigal (1) Loanda (1) Luanary (1) Luanda Maputo (1) Luciano António (1) Lucira (1) Lugares (1) Luis Fernando (1) Luis Rosa Lopes (1) Lulendo (1) Lunda (1) Luz Veio (1) Luís Fernando (1) M'pty Head (1) MOVICEL (1) Maianga (1) Mano a Mano Produções (1) Manucho (1) Manuel Agostinho Salvador Ribeiro (1) Manuel Ennes Ferreira (1) Mara Dalva (1) Mara Manuela Cristina Ananaz (1) Maria Esperança Pascoal (1) Maria Mambo Café (1) Maria Rita (1) Massalo (1) Matála (1) Mayamba Editora (1) Memória de uma alcoólica (1) Menha Ma Zumbi (1) Menongue (1) Mestre Humberto (1) Miguel Anacoreta Correia (1) Miguel Barros (1) Miguel Zenón Quartet (1) Ministros de Angola (1) Miss Angola 2007 (1) Miss Mundo (1) Miss World (1) Monami (1) Morro Maluco (1) Morro da Luz (1) Morro da Maianga (1) Movimento Estudantil Angolano (1) Movimento X (1) Moçambique (1) Muanamosi Matumona (1) Mucubais (1) Mulher Desporto África 2008 (1) Murras (1) Museu Nacional de História Natural (1) Musongué da Tradição (1) Mutamba (1) Mário Guerra (1) MárioPalma (1) NASCAR (1) NEBLINA (1) Nastio (1) Ngolamirrors (1) Nito Alves (1) Njinga Rainha de Angola (1) Nossangola (1) Nzila (1) Nástio (1) Nástio Mosquito (1) O Moringue (1) O Método de Groholm (1) O Preço do Fato (1) O Rock Lalimwe Eteke Ifa (1) O Submarino Angolano (1) ONG (1) ONU (1) Orfanato (1) Orlando Sérgio (1) Ortopedia (1) Os Lambas (1) Ottoniela Bezerra (1) PENSAMENTO (1) PTNETangola (1) Pangueia Editora (1) Parlamento (1) Pauko Flores . música (1) Paulo Araújo (1) Paulo Capela (1) Paulo Kussy (1) Pedrito do Bié (1) Pedro Pinote (1) Petro (1) Photosynth (1) Processo dos 50 (1) Projecto Perpetuar (1) Prémio José Saramago (1) Quarta-feira (1) Quimbele (1) Quitexe (1) RNA (1) Rafael Marques (1) Raid Cacimbo (1) Raid TT (1) Rainha Ginga (1) Rainha Nzinga (1) Raul David (1) Recreativo da Caála (1) Ricardo Abreu (1) Rio Kuanza (1) Ritmo e Cultura (1) Robert Hudson (1) Roberto Ivens (1) Rocha Pinto (1) Romi Anauel (1) Ruca Van-Dúnem (1) Rui Almeida (1) Rui Costa (1) Rui Monteiro (1) Rui Tavares (1) Ryszard Kapuscinski (1) Rádio Luanda (1) S.Tomé e Príncipe (1) SISTEC (1) Samba (1) Santocas (1) Sexta-feira (1) Silerstone (1) Silverstone (1) Simão Toco (1) Sita Valles (1) Slide de fotografias (1) Soyo (1) Suzana Inglês (1) Sérgio Guerra (1) Sérgio Mabombo (1) TEDxLuanda (1) Taekwondo (1) Tantã Cultural (1) Tchivinguiro (1) Terra dos Sonhos (1) Toke (1) Tomaz Jorge (1) Toty Semedo (1) Traumatologia (1) Tribunal de Contas (1) Trienal de Luanda (1) Tv (1) TvZimbo (1) Té Macedo (1) Tômbwa (1) UEA (1) UNITEL (1) União de Escritores Angolanos (1) Urbano de Castro (1) VIH/SIDA (1) VUM-VUM KAMUSASADI (1) Victor Gama (1) Vítor Burity da Silva (1) Waldemar Bastos (1) Welwitschia Mirabilis (1) Wilker Flores (1) Xadrez (1) Xá de Caxinde (1) Yonamine Miguel (1) You Failed... Now We Rule!!! A Nossa Vez!!! (1) Zeca Moreno (1) Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) abacate (1) acidentes (1) acordo ortográfico (1) agradecimento (1) alambamento (1) alfandega (1) angolano lá fora (1) antologia poetica (1) anuncio (1) anúncio (1) arbitrariedade (1) baleia (1) bancos (1) bandeira (1) barack obama (1) baía (1) biblioteca (1) bicicleta (1) borboletas (1) brancos (1) cacusso (1) capacitação (1) carta aberta (1) casamento (1) cine art angola (1) clima (1) cogumelos (1) colóquios (1) combustível (1) comemorações (1) comunidades (1) concertos musicais (1) concurso fotografia (1) contador (1) contrafacção (1) convívio (1) cooperação desportiva (1) crónicas (1) cursos (1) desalojados (1) desarmamento (1) descolonização (1) desgraça (1) design grafico (1) desporto paralímpico (1) dia do pai (1) dimantes (1) dinheiro (1) doclisboa 2012 (1) doença do sono (1) dvd (1) e--books (1) emprego (1) encontro mulheres angolana (1) escr (1) estorieta (1) explicação (1) expressão dramática (1) f (1) facebook (1) famílias (1) feira do Livro (1) feminismo (1) feministas (1) ficção (1) fiscalidade (1) floresta (1) fm (1) fábulas (1) férias (1) gora (1) graffiti (1) hobby (1) humor angolano (1) idolos (1) igreja (1) iniciativa (1) intercâmbio (1) interrupção (1) investigação (1) jindungo (1) jo (1) justiça (1) juventude (1) kalulu (1) kamussekele (1) kassekele (1) kimbos (1) kit surf em Angola (1) lendas (1) luto (1) línguas nacionais (1) militares (1) minas (1) minas de prata (1) miss Universo (1) modernização (1) mosca tsé-tsé (1) motas (1) muamba (1) música. fotos antigas (1) narrativa (1) natação (1) nação negra (1) negros (1) néo-liberalismo (1) o mundo (1) off-road (1) parabens (1) passados. estórias (1) passatempo (1) pecuária (1) pensar (1) perdidos e achados (1) piri-piri (1) poe (1) porto de Luanda (1) povo (1) primeira-dama de Angola (1) prisões (1) prédio Cuca (1) qualificação das pessoas (1) ra (1) raça (1) recuperação (1) refugiados (1) registo eleitoral (1) renovação (1) repatriamento (1) restaurantes (1) san (1) segurança (1) sem etiqueta (1) seminário (1) soberania (1) surf em Angola (1) taxis (1) telecomunicações (1) todo o terreno (1) tragedia (1) tripanossomíase (1) turtulhos (1) twitter (1) técnica (1) um livro. solidariedade (1) valdemar F. Ribeiro (1) vfr (1) vigarices (1) violência (1) voz (1) youTube (1) «ANGOLA: A TERCEIRA ALTERNATIVA» (1) Álvaro Ascenso (1) Álvaro Mateus (1) Óscar Ribas (1) ética (1) ídolos (1)