Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 31 de julho de 2008

A voz do dinheiro

Descubra as diferenças entre um mercado e um shopping



Pensar e Falar Angola

Mercado Kinaxixe, foi





Já divulguei em vários sitios na net informação sobre o mercado Kinaxixe, como sendo obra de referência na arquitectura angolana.
Primeiro porque era um edifício bonito.
Segundo porque era uma obra de inspiração Corbusiana obedecendo aos seus cinco princípios arquitectónicos (1).
Terceiro porque surge em consequencia dos princípios da Carta de Atenas e CIAM.
Quarto porque era um edifício bem concebido e adaptado ao clima tropical.
Quinto por ocupava um espaço de grande relevo e referência na cidade de Luanda.
Sexto porque efectivamente era uma obra caracterizada no International Style
Sétimo porque uma obra com estas caracteristas se localizava no continente africano.
Oitavo porque era considerada uma obra limpa, sintética, funcional e racional
Nono porque era uma obra que facilmente se ligava a uma rede de referências internacionais ao nível da arquitectura: Carta de Atenas, Corbusier, Brasília, Lúcio Costa, história da arquitectura, Chandigar.
Décimo por ter sido projectado pelo arquitecto Vasco Vieira da Costa

Estas são as 10 razões que me levam a entristecer. Mais uma vez, valor patrimonial é superado pela linguagem do dinheiro e da especulação.
Esta desvalorização patrimonial chegou a Luanda, Obviamente que é nos paises em desenvolvimento que a especulação encontra o espaço ideal para singrar.
Na renovação dos centros urbanos europeus, os mercados são para recuperar. Velhos novos, feios, bonitos, com história ou sem ela, os mercados são um organismo urbano de vital importância na vida das cidades e daí a sua valorização crescente. Mercados não são incompatíveis com shopings…. Cada um tem os seus utilizadores, mas curiosamente nas mais antigas cidades do mundo, nunca vi nenhum visitante a procurar a localização de um centro comercial, já dos mercados…..
Erros de um país adolescente. O poder às vezes cega e os cidadãos ainda não perceberam que têm a ser eles a zelar pela sua cidade.
O caminho até à demolição é quase sempre o mesmo, aprende-se em poucas lições e é transversal a todas as cidades do mundo:

Falta de manutenção
Não adaptação às novas exigências.
Conflitos intencionais com o tráfego envolvente.
Concorrência selvagem dos shopings
Fiscalização exagerada
Aceleração da degradação
Acumulação de lixo
Por os média a falar nas alternativas e a manipular a opinião publica
Dar visibilidade à degradação do espaço físico
Esquecer o que dizem meia dúzia de intelectuais
Proporcionar que o edificio seja suporte de grafittis e publicidade
Permitir a ocupação ilegal de preferência por marginais
Demolição ou incêndio

TARDA MAS NÃO FALHA!

Hoje tenho múltiplas razões para verter uma lágrima pelos afectos.
Foi lá que eu observei as lagostas olhos nos olhos admirando-as pelos seus lentos movimentos agonizantes. Foi lá que eu negociei a compra da cana de açúcar e ginguba, com os tostões que a mãe me dava. Foi lá que eu apreciei as pirâmides de tubérculos, organizadas pela mestria do equilíbrio manifestado pela quitandeiras. Foi lá que pela primeira vez me inspirei nas artes do fumo, com o cigarro ao contrário. Foi lá que imprimi na minha memória o perfume do peixe fresco. Foi lá que me familiarizei com o kimbundu.
O kinaxixe já era importante para mim sem eu suspeitar da importância arquitectónica. Até do nome eu gostava.

Quem diria que estaria hoje a escrever o elogio fúnebre.
Até sempre Kinaxixe!


(Transferirei todas as fotos e artigos para uma gaveta especial)

(1) Principios relacionados com a Ville Savoy (1929) projectada por Corbusier - planta e fachada livre (sem ornamentos), edifício assente sobre pilotis (pilares à vista), janelas em comprimento e cobertura em terraço.
Anabela Quelhas

Mercado Kinaxixe
Data de Construção: 1950/1952
Autor - Arquitecto Vasco Vieira da Costa
O mercado Kinaxixe é uma das obras mais emblemáticas deste arquitecto e da arquietctura com influências Corbusianas, que maior valor internacional, haverá no território angolano. Obra referida nas revistas da especialidade, como uma das mais importantes, efectuada pelos portugueses durante o século XX.
Este arquitecto trabalhou com Le Corbusier *, tal como Óscar Niemeyer, o que, no mundo inteiro não haverá mais de uma dúzia de arquitectos, que possam ostentar essa particularidade no seu currículo, e penso que foi um dos fundadores da faculdade de arquitectura de Luanda. Nome respeitado entre os arquitectos portugueses, que tive a oportunidade de conhecer no final da década de 70, numa das suas visitas à Escola de Belas Artes do Porto.
*Le Corbusier (1887- 1965) - arquitecto francês de origem suíça considerado juntamente com Frank Lloyd Wright, Alvar Aalto, Mies van der Rohe, um dos mais importantes arquitectos do século XX, lançou as bases do movimento moderno de características funcionalistas, formulando uma nova linguagem arquitetónica que influênciou todas as gerações posteriores.
Shopping Kinaxixe - proposta de construção de um moderno shopping center a localizar exactamente no conhecido mercado Kinaxixe.
O edifício terá seis andares, três dos quais subterrâneos, destinados a estacionamento de 226 viaturas, e outros três para lojas. Àrea total construída - 55 mil metros quadrados.
Os três primeiros andares, com o perímetro totalmente climatizado, terão sete salas de cinema, lojas de brinquedos e espaço de actividades para crianças, alimentação e supermercados.
Valor estimado - 30 milhões de dólares (desactualizado).
As "desatenções" sucedem-se!
Até já a todos,
Anabela Quelhas
http://www.angonoticias.com/full_headlines.php?id=5802
Editado em
www.sanzalangola.com em 18/01/2006
Quilha:
Ainda bem que o edifício não irá ser demolido, no entanto o seu espaço interior será mesmo assim completamente adulterado.
Mesmo assim teremos:- Intensificação de tráfego naquela parte da cidade (que neste momento penso que já existe trafego em excesso).- Os pequenos comerciantes serão desalojados e transferidos para locais de importancia cada vez mais secundária.
Centros comerciais há imensos pelo mundo fora, também são necessários, evidentemente.
Mercados tradicionais com as características deste, já são muito raros.Veja-se, quem visita Barcelona provávelmente nem irá entrar num centro comercial (só se for para estacionar o automóvel), mas irá certamente visitar e provávelmente comprar, ao mercado S. José nas Ramblas.
Gostaria de ver a foto da maquete, obrigada Quilha.
Até breve,
Anabela Quelhas
Editado em www. sanzalangola.com em 18/01/06







- KINAXIXE, EXEMPLO MAIOR DA ARQUITECTURA TROPICALO Kinaxixe, para além do valor patrimonial enquanto obra arquitectónica, é um dos últimos grandes exercícios de arquitectura tropical produzidos no País e que traduz, de forma indelével, o pensamento que deve estar subjacente à cultura construtiva em países tropicais. Se no caso do edifício do D. Ana Joaquina havia, fundamentalmente, a carga da sua história, no caso do Kinaxixe não! E um edifício com nobreza, referenciado nos livros de arquitectura universal como uma referência conceptual e construtiva. "Para além de ser o único edifício de Angola referenciado no livro "Arquitecturas do Mundo", ele representa sob o ponto de vista da arquitectura tropical, a essência do pensamento sobre a ventilação cruzada e a forma como o betão deve ser usado em regiões tropicais , sendo a sua estrutura formal e compósita , um ponto de partida para se analisar o que se pode ou se deve fazer, em regiões tropicais. O edifício reflecte os elementos base do pensamento sobre arquitectura tropical, ou seja a ventilação cruzada, o recurso ao grande pé direito, a luminosidade controlada, as protecções a poente no percurso da incidência solar, as relações espaço/ventilação, humidade/conforto térmico. Não é por acaso que vem referenciado no livro das arquitecturas do Mundo!Por ANDRÉ MINGAS* arq.Angolano- Data de Construção: 1950/1952Autor - Arquitecto Vasco Vieira da CostaO mercado Kinaxixe é uma das obras mais emblemáticas deste arquitecto e da arquietctura com influências Corbusianas, que maior valor internacional, haverá no território angolano. Obra referida nas revistas da especialidade, como uma das mais importantes, efectuada pelos portugueses durante o século XX.Este arquitecto trabalhou com Le Corbusier *, tal como Óscar Niemeyer, o que, no mundo inteiro não haverá mais de uma dúzia de arquitectos, que possam ostentar essa particularidade no seu currículo, e penso que foi um dos fundadores da faculdade de arquitectura de Luanda. Nome respeitado entre os arquitectos portugueses, que tive a oportunidade de conhecer no final da década de 70, numa das suas visitas à Escola de Belas Artes do Porto.(...)"- Há uns meses chegou a estar marcada em Luanda uma marcha pelo Kinaxixe. Mas tanto quanto sei não chegou "à rua".É uma peça importante do património arquitectónico. Porém a sua localização e o valor do terreno leva a que seja muito apetecivel. Da forma que está é que não pode continuar.- Boas todos, sou estudante de arquitectura, sou angolano e vivo mesmo em frente a referida obra, devo dizer que é umas da obras que mais de me fasicna na minha cidade, a par de outra como o cinema atlantico ou mesmo o cinema miramar, autenticos palcos de espectaculos que reflectem a qualidade de vida que o modernismo preconizava para as urbes. Contudo devo dizer que é com grande pena que vejo esta peça de arquitectura a vir a ser alterada... contudo no meu pais é assim, alguns acordam com vontade de fazer e fazem... é pena, mas gostaria que todos os presentes tivessem o previlegio de conhecer este mercado, digo-vos é uma bela peça de arquitectura.uma lição do bem exercer.saudações
http://africaminhamami.blogspot.com/





Pensar e Falar Angola
2 Telas pintadas à mão por artistas de Angola.


Pensar e Falar Angola



2 - GRANDE ENTREVISTA - Holden Roberto - 1999

P – Como foram preparados os acordos de Alvor?
HR – Os acordos foram preparados primeiro como a cessação completa das hostilidades em Angola à 15 de Outubro depois de negociações com uma delegação portuguesa que se tinha deslocado para Kinshasa onde estava a direcção da FNLA. Só que naltura havia um outro problema, o MPLA estava dividido em três facções e necessário primeiro reconciliar o MPLA e depois encontrarmos uma plataforma conjunta de servisse de base de negociações com os portugueses. Mesmo assim nós a FNLA elaboramos um texto que com pequenas emendas foi o texto base dos acordos de Alvor. A primeira discussão desse texto foi em Mombassa, Kenya, onde juntamo-nos os três movimentos a FNLA, MPLA e UNITA as linhas fortes da negociações com os portugueses.
P- Nesse encontro de Mombassa os outros movimentos haviam apresentado também propostas?
HR – Absolutamente nada, só limitamo-nos a discutir o nosso texto e praticamente não houve trabalho nenhum, porque a reunião serviu apenas para permitir a aprovação do texto por nós elaborado. Depois disso marcamos o encontro seguinte em Alvor
P – Qual foi o primeiro movimento a chegar a Portugal?
HR – Foi o MPLA e depois a UNITA. Nós partimos de Kinshasa para Portugal, num avião que nos tinha sido emprestado pelo presidente Mobutu. Chegados a Portugal, notamos que havia uma grande contra nós.
P – Quem fomentava essa campanha?
HR – A imprensa portuguesa, desde a Rádio, a Televisão até aos jornais, era uma campanha que metia medo.
P – O que é quê diziam da FNLA?
HR – Mostravam as imagens do acontecimentos de 15 de Março, éramos tratados de selvagens, analfabetos zairenses de quase todos os nomes possíveis. O curioso é que não havia nada contra a UNITA nem tão pouco o MPLA. Nós acompanhamos toda aquela situação e pouco antes do inicio das negociações interpelamos os senhores Mário Soares então ministro dos negócios estrangeiros e Almeida Santos titular naltura da pasta da Administração do território, aquém manifestamos o nosso desagrado e a intenção de abandonarmos Portugal caso a propaganda hostil continuasse. A delegação portuguesa desculpou-se primeiro com as alegações de que em Portugal havia um pleno exercício da liberdade de imprensa, mas, mais tarde depois de consultas com o presidente da Republica, Marchal Gomes Costa, os ataques terminaram. Na sala de reuniões entretanto existiu um outro elemento que nos dividiu que era a presença do senhor Rosa Coutinho. Nós havíamos rejeitado a presença dele nas negociações porque esse quando chegou a Angola como alto comissário, cometeu muitas atrocidades contra os nossos compatriotas e depois porque foi o primeiro prisioneiro de guerra que a FNLA tinha feito no inicio da luta armada e foi um pouco maltratado porque nós ainda não possuíamos uma experiência de coabitação com os prisioneiros de guerra. E ele poderia transportar para as negociações um sentimento de vingança, por esta razão pedimos a retirada dele.
P- Durante as negociações a FNLA em algum momento sentiu-se prejudicado em detrimento de outros movimentos, o MPLA e a UNITA?
HR – Era muito claro. Mas para nós o mais importante é que estávamos a conquistar a liberdade depois de 14 anos de luta.
P - O quê é que definiram os Acordos de Alvor?
H.R- Bom, Alvor definiu a formação de um Governo de Transição. Discutimos várias questões políticas, a tomada do poder pelos angolanos, a independência e os seus instrumentos e a marcação do 11 de Novembro de 1975 como data dessa independência. Tínhamos duas vertentes das negociações: a política e a económica. Quando concluímos as questões políticas nós, a FNLA, porque éramos os autores do Acordo de Alvor, levantámos a questão económica e a delegação portuguesa presente nas negociações exaltou-se: disse que não havia nada a discutir e que Portugal não devia nada à Angola. Antes pelo contrário, Angola é quem devia a Metrópole. Nós queríamos discutir a realidade da situação mas os portugueses não nos permitiram. Tenho em memória a reacção do senhor Melo Antunes, que foi uma reacção violenta, e como não tínhamos o apoio dos outros dois movimentos - MPLA e a UNITA - o assunto ficou enterrado e falamos apenas da independência.
P - Que discussão económica é que o FNLA queria ter com os portugueses?
H.R- Onde há entrega do poder há muita coisa a dizer. Portugal é que colonizou Angola e tinha a obrigação de revelar a situação económica do país que estava a deixar. Nós queríamos saber que acordos Portugal tinha com o exterior em relação a Angola, não podíamos receber o país sem conhecer as suas finanças, isso é natural e aconteceu com todos os países descolonizados. Acho que Angola é o único país que não abordou este problema.
P – Como é que o MPLA e a UNITA reagiram a vossa proposta?
HR - Não abriram a boca nenhum deles abriu a boca para dizer alguma coisa. E nós como estávamos no terreno do inimigo e depois os nossos parceiros não nos ajudaram preferimos encerrar o assunto. Mas s e estivemos num local neutro como Genebra que nós havíamos proposto antes , seriamos muito exigentes em relação a essa questão. O que se passou é que as negociações decorreram um grande de intimidação. Basta ver que quando aterramos em Faro, encontramos o aeroporto fortemente cercado por tropas portuguesas e o mesmo cenário repetiu-se em Alvor , no hotel onde as delegações estavam hospedadas apesar, de também nós termos levado para Portugal homens armados, cento e cinquenta comandos muito armamento no avião
P - Evoluíram depois para o Governo de Transição. De que maneira é a FNLA entrou nele?
H.R- O Governo foi marcado pela distribuição das pastas ministeriais pelos três movimentos; depois discutimos o calendário das tarefas que nos iriam conduzir á independência nacional, preparar as eleições gerais, proporcionar o regresso dos refugiados espalhados pelos países vizinhos e, ao mesmo tempo, instalar as populações deslocadas. Os trabalhos começaram em Janeiro e a independência veio a ser proclamada 11 meses depois em Novembro, mas infelizmente em condições muito difíceis. Dois meses depois dos Acordos de Alvor iniciaram os confrontos militares em Luanda.
P - Quais foram os motivos do fracasso do Governo de Transição?
HR- A desconfiança e a intriga da potência colonial, porque Portugal não facilitou a independência. Porque repare, houve uma intervenção das forças cubanas, quando Portugal ainda era soberano neste país, e o alto-comissário português para Angola, Leonel Cardoso ainda encontrava-se em Luanda. Ele deu a independência ao MPLA, quando os Acordos de Alvor tinham sido assinados pelos quatro - Portugal, FNLA, UNITA e o MPLA - mas ele retirou-se entregou o poder ao MPLA. Foi a mais greve violação dos Acordos subscritos em Alvor. Como se pode ver Portugal assume a maior responsabilidade por ter permitido a entrada de estrangeiros quando ainda era o poder. A partir desse momento a desconfiança generalizou-se, a guerra iniciou e esta guerra que dura até hoje.
P - A guerra iniciou aqui em Luanda, precisamente entre a FNLA e o MPLA, é assim?
H.R- Sim, começou aqui em Luanda, houve provocações que a história um dia vai se encarregar de revelar, porque há pormenores que necessitariam de muito espaço para serem contados. Posso dizer que essas provocações tinham sido bem planeadas, por exemplo para conduzir o processo da descolonização até ao dia 11 de Novembro. Os movimentos tinham aceite a presença de 26 mil homens da tropa portuguesa, mas quando se registaram os combates em Luanda essa tropa portuguesa participou nos ataques, contra a FNLA temos provas!
P - A tropa portuguesa combateu a favor de quem?
H.R- A favor do MPLA. Temos provas e despachos das agências que estavam aqui e publicaram isso. Essas tropas eram do Movimentos das Forças Armadas (MFA), e eram comunistas e esquerdistas, Alias já nos tinham alertado por amigos nossos, que as forças que se encontravam. em Luanda estavam misturadas com os comunistas e foram esses que ajudaram o MPLA. Quando iniciaram os confrontos aqui em Luanda a FNLA estava a conquistar todos os quartéis do MPLA. Um dia À noite eu estava a trabalhar no meu escritório em Kinshasa recebo um telefonema por volta das duas horas da noite, do palácio do Belém do marchal Costa Gomes a pedir-me um cessar fogo porque os combates em Luanda tinham feito muitos mortos e que os hospitais não tinham capacidade para receberem mais feridos segundo ele o Agostinho Neto é que tinha proposto o cessar fogo, e acrescentou caso nós não aceitássemos ele havia de ordenar as tropas portuguesas que se encontravam em Luanda para intervirem à favor do MPLA. Bem eu analisei a situação da nossa logística e resolvi na mesma noite telefonar para o presidente Mobutu que também disse-me ter recebido uma chamada de um embaixador americano que tinha feito a mesma sugestão. Mobutu convenceu-me a aceitar o cessar fogo e assim fizemos. Foi nessa altura em o MPLA reorganizou-se para lançar outros ataques, que culminaram com a nossa retirada de Luanda.
P - O senhor está a falar numa conspiração que visava afastar a FNLA?
H.R- Isso já começou há muito tempo. Posso revelar um caso que acho interessante. Quando a delegação portuguesa chegou a Kinshasa depois das discussões que tivemos, estava-se prestes a assinar um acordo de paz, a delegação portuguesa disse-nos que Portugal aceitava a presença do MPLA e da UNITA em Luanda e nas províncias e a FNLA podia apenas abrir uma delegação em Luanda e mais nada. Perguntamos o porquê dos outros instalarem-se na capital e nas províncias e nós não? A única resposta que deram é que tinha sido uma decisão do Governo português. Então naquelas condições nós decidimos não assinar o cessar-fogo e as negociações ficaram suspensas por 24 horas, tempo que os portugueses precisavam para contactar o Presidente da República. No dia seguinte vieram dizer-nos que Portugal aceitava delegações da FNLA também nas províncias. Achamos aquela atitude muita estranha e sabíamos que alguma coisa havia de acontecer.P - A FNLA negociou a sua saída de Luanda ou não?H.R- Houve combates, a FNLA e a UNITA tiveram que sair de Luanda. Combates, aliás, que tiveram a intervenção das forças cubanas e de países africanos como o Congo-Brazaville, Moçambique, Guiné-Bissau, Argélia e os 26 mil soldados portugueses. Foi uma coligação de forças.
P - A FNLA também trouxe forças estrangeiras, ou não?
H.R- A guerra começou em Fevereiro, o primeiro soldado que nós fizemos prisioneiro era do Congo-Brazaville e mais tarde apanhamos guineenses. Descobrimos que eram forças coligadas, e então pedimos ao Zaire que deu-nos três batalhões 1800 soldados. E em Maio de 1975 entrei com essas tropas em Angola, mas já havia uma coligação de forças estrangeiras que ajudavam o MPLA. Tenho cá por exemplo, um despacho da France-Press que falava no regresso das tropas da Guiné-Conacry depois dos combates em Angola. Temos documentos bem guardados.
P - As forças zairenses que entraram como senhor em Maio de 1975 tinham como objectivo impedir a proclamação da independência?
H.R- A data da independência já estava marcada, só que MPLA lançou a palavra de ordem "resistência popular generalizada", e queria tomar o poder pela força e era isso o que nós tentamos impedir. Mas como disse há bocado, as provocações estavam bem planeadas, porque Portugal fez muita luta para inviabilizar a realização das eleições gerais previstas nos acordos. Eu sofri muitas pressões mesmo em Alvor, no último dia das negociações fui chamado à parte pelos senhores Melo Antunes, Mário Soares, Almeida Santos e Víctor Alves para me dizerem que o povo angolano era muito atrasado para ir às eleições. O próprio Agostinho Neto também disse-me: “olha irmão, o militante da FNLA vai votar à favor da UNITA, do MPLA à favor da FNLA e assim haverá confusão”. Eles proponham uma ideia que achei uma ingerência nos nossos assuntos internos onde Portugal deveria definir Agostinho Neto como Presidente da República, com o controlo do Exército e das Relações Exteriores; eu iria controlar o resto do Governo, como primeiro-ministro e o Savimbi seria presidente da Assembleia Nacional. Os portugueses disseram-me que tinham já conversado com o Agostinho Neto e com Jonas Savimbi. Achei aquilo uma traição ao povo que tinha lutado para definir o seu próprio destino e neguei essa coisa de anular as eleições. Foi por isso que chamaram as forças estrangeiras para impedir as eleições, foi essa a história que se viveu naquela altura.
P - A UNITA também não queria as eleições ou era apenas o desejo do MPLA?
H.R- Eu não ouvi nada da UNITA, ouvi foi do MPLA. O Agostinho Neto conversou pessoalmente comigo depois os senhores Melo Antunes, Mário Soares, Almeida Santos e Víctor Alves chamaram-me de lado para me dizerem que a decisão que tinham tomado era de que não houvesse mais eleições em Angola. O povo, na opinião deles, não estava preparado, era atrasado e as eleições iriam significar uma confusão. Por isso é que eu digo: o que está acontecer hoje não é da responsabilidade do povo angolano, é sim da responsabilidade dos portugueses que não fizeram uma descolonização honesta.

(publicada no Diário de Notícias 25.04.1999)

Pensar e Falar Angola

quarta-feira, 30 de julho de 2008

SIDA



SELOS ANGOLA


Pensar e Falar Angola

1 - GRANDE ESTRESVISTA - Jaka Jamba - 1999

FALHAMOS TODOS NA APLICAÇÃO DOS ACORDOS DE ALVOR
Almerido Jaka Jaca, é um dos históricos da UNITA, partido onde já ocupou várias posições de destaque. É formado em Filosofia, pela Universidade Clássica de Lisboa e foi por muito tempo professor das cadeiras de Filosofia e História no Liceu de Oeiras em Portugal.
Ingressou na UNITA em 1972 e dois anos depois, participou na preparação dos acordos de Alvor pelo seu movimento. Por forças desses acordos ocupou pela UNITA a pasta de secretário de Estado da informação no governo de transição. A nível partidário já exerceu funções de secretário de educação, informação, dos Negócios Estrangeiros e da Cultura e Herança Africana.
Actualmente, com 50 anos de idade Jaka Jamba representa o galo negro no parlamento angolano.
P- 25 anos depois da assinatura do acordo de Alvor ,que avaliação se pode fazer?

JJ - 25 anos depois podemos dizer que se por um lado a independência formal é caso adquirido,por outro há um longo percurso que deverá ser ainda cumprido para que a independênciacorresponda as aspirações mais profundas de todos aqueles que de uma forma ou de outra, lutarampara esse momento.
P - O que é que falta fazer?

JJ - No caso concreto de Angola há ainda algumas premissas básicas que ainda não foram adquiridas. Uma dessas premissas é a criação de um contexto favorável para o aparecimento de instituições supra apartidárias que tenham como objecto social a defesa e a preservação dos valores mais altos dasociedade angolana.
P – Os acordos de Alvor não previam esse contexto?

JJ - As negociações que culminaram com os acordos de Alvor visam mais a marcação de uma data paraa independência de Angola, o fim da presença colonial portuguesa em Angola e isto foi um factoadquirido a 11 de Novembro de 1975, mas a construção de um novo estado que permitisse um plenodesenvolvimento de todos partidos políticos é ainda uma tarefa por se fazer.
P – Nas negociações não foi discutida Angola pós independência?

JJ - Nem todo o pacote da independência e do período pós independência poderia ser podia ser discutidona mesma altura, mas, haviam aspectos que envolveram a potência colonizadora e outros países dacomunidade internacional, de qualquer a construção de uma nova nação era uma tarefa dosangolanos os partidos políticos é que deveriam assumir essa responsabilidade. É verdade que houve um quadro concreto que foi o governo de transição multipartidário e rotativo. Esse governo tinha a responsabilidade de conduzir o país até a independência e depois tínhamos que encontrar formulas de conduzir o país.
P – Dentro deste quadro que está descrever , Portugal parece não ter tido nenhuma culpa no que sucedeu depois?

JJ – Houve no nosso caso concreto responsabilidades a vários os níveis. Portugal tinha as suas responsabilidades como potência colonizadora que era a agilização do processo de transição. A instabilidade política que se vivia em Portugal, resultante dos acontecimentos de 25 de Abril, teve muita influência em Angola, por outro lado, o contexto internacional em que se desenvolveu a luta pela independência de Angola pensou bastante. Foi um quadro da guerra fria em que as duas super potências tentavam tirar partido das suas influências, esta é a conjuntura que se desenvolveu o que fez com que houvesse uma grande luta de interesses em Angola no plano externo. Depois tem um outro elemento que é pouco referenciado nos debates: A responsabilidade e a capacidade dos próprios angolanos na construção de um estado novo e esta falta de concepção de bases mais sólidas degenerou no conflito que ainda hoje tem destruído o país.
P – Para além da fixação da data de independência o que é que os acordos de Alvor previam mais?

JJ - Também previam eleições, mas o grande problema que se levantou naquela altura, é que as escolas das elites políticas de então não concebiam um quadro de pluralismo de ideias . onde o vencedor podesse coabitar com outras partidos perdedores nas eleições esta para mim foi a principal fraqueza. Porque nós os angolanos poderíamos ser os pioneiros da democracia em África por sermos um dos um dos poucos, senão o único país africano que ao firmar a independência com a potência colonizadora reconheceu três movimentos de libertação representativos.
P.- Quem inviabilizou a realizações de eleições que estavam previstas nos acordos de Alvor?

JJ – No dia 1 de Janeiro de 1975 tinha sido formado o governo de transição composto pelos portugueses e pelos três movimentos, o MPLA,FNLA e a UNITA mas, a medida em que o calendário aproximava ao 11 de Novembro, gerou-se aqui em Luanda, um clima de instabilidade militar marcado por ataques as delegações e campanhas de diabolização entre os movimentos, o que impediu uma coabitação sã. Em Agosto do mesmo ano nós, a UNITA, tivemos que sair de Luanda porque a situação era insustentável e depois seguiu-se a FNLA em suma, não estavam criadas as condições para uma tolerância política que permitisse a realizações de eleições. O que se seguiu depois foi uma corrida contra o tempo de cada movimento afim de chegar ao 11 de Novembro como poder.
P – Esta situação teve uma mão de Portugal?

JJ – Os vários intervenientes no processo, incluindo o próprio Portugal tentaram ajudar o movimento que estivesse mais próximos dos seus interesses.

P – A UNITA sentiu também esse apoio?

JJ – Houve personalidades do governo português que tiveram muita influência, embora alguns mais tarde tivessem que sair. Por exemplo o Almirante Rosa Coutinho apoiava abertamente e claramente o MPLA.
P – A UNITA não teve apoio de alguém do governo Português de então?

JJ – Tudo quanto julgo saber não. Nós não tivemos nenhum apoio de personalidades do governo português, porque naquela altura a maior disputa centralizava- se a volta do MPLA e da FNLA. A acção da UNITA era a nível interno.
P – Vocês conheceram alguma acção de Portugal naquela altura e que podesse por causa a realização de eleições?

JJ – Talvez não seja muito oportuno citar-se nomes, mas houve manobras nos bastidores, sobretudo daqueles que tinham apostado no MPLA, no sentido de conduzir esse movimento ao poder. Houve ate missões como a Otelo de Carvalho um político e militar bastante influente em Portugal, que contactou Fidel de Castro afim de enviar tropas cubanas à Angola para salvarem o seu aliado, o MPLA. E isto está escrito nos arquivos e para aqueles que acompanhar o filme “África Vermelha” ouviram um depoimento do próprio general Otelo de Carvalho.
P – Em algum momento a UNITA sentiu-se marginalizada durante a discussão do acordo de Alvor?

JJ – Absolutamente, aliás a partir mesmo do momento em que se deu o golpe de estado em Portugal e com a eminência do fim do colonialismo em Angola, começaram a surgir a vários níveis manobras que visavam diabolizar uns e marginalizar outros e em Angola sentiu-se muito isso.
P- Quem falhou na aplicação dos acordos de Alvor?

JJ – Falhamos todos, os colonizadores porque não conseguiram assumir plenamente o seu papel e o seu compromisso diante da comunidade nacional e internacional e sobretudo porque não conseguiram conceber uma filosofia que permitisse a criação de um estado angolano com pluralismo de ideias .

( publicada no Diário de Notícia 25.04.1999)
Pensar e Falar Angola

terça-feira, 29 de julho de 2008

Análise às Eleições e Eleitores

Depois do primeiro processo eleitoral, que foi completamente frustrante e traumatizante, aproxima-se a passos largos as segundas eleições legislativas em Angola. Não faz parte deste espaço entrar na campanha eleitoral, tomar partido ou exercer alguma influência. As discussões que podemos gerar têm o objectivo de procurar a luz da ideia clara e objectiva.
Se para muitos este processo é o renovar de esperanças e o sinónimo da consolidação da democracia em todo o País, para outros, nas zonas rurais e naquelas províncias que sofreram de forma violenta, directa e dramática as consequências da guerra pós eleitoral de 1992, poenso que prevalece um sentimento de medo, de insegurança, de pessimismo e incredebilidade em relação aos benefícios que este processo pode trazer para a vida de todos os cidadãos. Nestas zonas há a dicotomia eleições/guerra como ponto acente, verdade absoluta de duas palavras e um só significado. Nesta zonas há necessidade de fazer um valoroso trabalho de descomplexizar um processo que tem influência para além da politica da estética, cultura, religiosa e filosófica.
Há que transmitir consciencia social e individual.
A unanimidade de opiniões dos eleitores também é um factor que favorece o comportamento fácil, promíscuo e propicia a inexistência de opiniões divergentes. Assim, a influência do grupo é um importante elemento explicativo da escolha eleitoral. De acordo com esta perspectiva, ganha importância a figura do líder de opinião. O líder de opinião de determinado grupo social consegue comunicar-se com os seus iguais influenciando na tomada de decisão do voto. Ele possui uma posição central no grupo a que pertence e isto garante-lhe melhores condições de recepção das informações e difusão de opiniões.
JCC

Pensar e Falar Angola

Portal SAPO Angola


Angola: Portal Sapo Angola é lançado quinta-feira em Luanda
17h40m
Luanda, 28 Jul (Lusa) -- O Sapo, maior portal de Internet português, vai lançar quinta-feira em Luanda o "SapoAngola", um contributo ao desenvolvimento da sociedade de informação angolana e um ponto de encontro da comunidade deste país no mundo, segundo a empresa.
Este novo portal -- www.sapo.ao -- a ser apresentando pela Portugal Telecom e a Multitel vai agregar todos os conteúdos relacionados com Angola, tendo disponíveis as áreas de pesquisa, directório, e-mail, vídeos, fotos, messenger e notícias.
Na área de notícias vão estar disponíveis todas as notícias do país, actualizadas ao minuto e na pesquisa, os cibernautas vão ter acesso a um directório de sites de Angola único no mundo.
O Serviço Messenger vai permitir fazer chamadas de voz entre computadores e falar através de chat e a possibilidade de se enviar sms para a Unitel e Movicel, operadores móveis angolanas, de forma gratuita.
Relativamente às áreas de fotografias e vídeos, a primeira vai permitir enviar fotos sem limite de espaço, através do site de e-mail, telemóvel ou a partir de uma aplicação no computador, podendo na segunda partilhar vídeos através da internet com qualquer pessoa onde quer que ela esteja.
O Sapo Angola pretende contribuir não só para o desenvolvimento da sociedade de informação, pela criação e disponibilização de conteúdos de qualidade, mas também para a aceleração da adopção de banda larga no país.
Em comunicado, o portal do grupo PT refere que o Sapo Angola, com base na sua experiência tecnológica e da sua produção de conteúdos específicos e de qualidade, tem como objectivo projectar a competitividade e imagem de Angola no mundo digital e dar visibilidade a conteúdos nacionais.
O documento diz ainda que o novo portal "vai ainda dar visibilidade a estes conteúdos aos olhos dos angolanos e do resto do mundo, criando riqueza para o país, através das parcerias comerciais que serão estabelecidas com todos os anunciantes".
A Portugal Telecom e a Multitel contam com as parcerias das principais empresas de telecomunicações de Angola, nomeadamente a Angola Telecom, Unitel, Movicel, TV Cabo Angola e a MS Telecom.
A Rádio, Televisão, Jornal e Agência de Notícias de Angola são igualmente parceiros da Portugal Telecom e a Multitel.
Os internautas deste novo site vão ter acesso a e-mail gratuito com domínio @sapo.ao e serviços de notícias, fotos e vídeos só com conteúdos de Angola.
NME
Lusa/Fim



Pensar e Falar Angola

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Ginga puzzle

http://five.flash-gear.com/npuz/puz.php?c=v&id=3074168&k=69015508

Navegue até à página indicada e aguarde o puzzle.... depois é uma questão de paciência.




Pensar e Falar Angola

LINDÚ MONA



A herança cultural angolana


Numa linguagem universal e única


A sua influência é múltipla e diversificada e vai desde a música de raiz etnográfica e tradicional de Angola até ao Jazz, Reggae, Nova Música Improvisada entre outras. Em Lindú Mona o regresso a África é espiritual e físico. Por isso, na sua música sentimos os pássaros e os sons da floresta, o tambor e os passos de dança, os Nzumbi (almas de um outro mundo), o dialecto, e os instrumentos de música tradicional como o Kissange. As palavras dos seus temas são como pinturas que reflectem as feras e a grande fogueira, os senhores e os escravos, os homens BANTOS e os comerciantes de Zanzibar, as terras de Colombo e as ilhas, as tatuagens e a nostalgia negra, o óleo de palma e o feitiço da Alma, enfim uma verdadeira rosa de porcelana, nossa "Rosa Afra".


LINDÚ MONA


Nasceu numa Angola ainda sob o domínio colonial português. Filho de um contra-mestre da marinha mercante portuguesa e de uma negra africana natural do Dondo-Angola. Na adolescência cantou em corais da Igreja Adventista e em colégios que frequentou. Nos anos sessenta veio estudar para Portugal. Era o tempo do idealismo e assim iniciou a sua actividade profissional como cantor Pop liderando grupos de dança. Nessa época Portugal e Europa ainda não tinham despertado para a Música Africana.


1970 - regressou a Angola onde foi reabsorver as raízes da sua música, reviver o quotidiano das suas gentes e reaprender o sentido da africanidade. Esta foi uma fase de composição fértil em que começou a cantar Angola fazendo-se acompanhar pelo seu tambor.


1975 - é o ano de regresso a Portugal em pleno "Boom" do Rock sinfónico cantado em português. Integra e grava discos com os "Tantra" e "Perspectiva", grupos que estiveram na génese da actual Música Moderna Portuguesa.


1980 - inicia uma verdadeira peregrinação por Pubs, Cafés-Concerto e Discotecas, e a artistas como "Raúl Ouro Negro" e "Jorge Fernando", Lindú Mona empresta o exotismo do seu tambor e da sua voz espalhando nas suas actuações o perfume acre de África, as cores rosa das flores e a negritude do ritmo e da Kizomba (dança).


1990 - é o ano em que Lindu Mona se torna num projecto colectivo.


1991 - são convidados para representar Angola na Festa "Mestiçagens", coo - produzida pelo Êxito Estúdio e Produções Fata Morgana, tendo como local da sua realização "O Baile", verdadeiro Salão de Festas de África em Lisboa.


1992 - participam nas Festas de Alhos Vedros, bem como nas Festas da Cidade do Barreiro a convite da Associação Africana local. Apresentam-se com regularidade no Café Concerto do Teatro "A Comuna" em Lisboa, onde vão criando um público próprio. Neste local fazem ainda dois espectáculos a favor do Grupo Local 13 da Amnistia Internacional.


1993 - concerto em Lisboa integrado na "Presidência Aberta" do Presidente da República Dr. Mário Soares. Realizam três espectáculos nas Festas de Lisboa. Participam numa sessão cultural no âmbito duma Exposição de Fotografia intitulada "Paz em Angola", organizada por estudantes angolanos em Portugal. A convite do Grupo de Teatro Immagini de Pontedera, Pisa, realizam uma digressão em Itália, com participação no Festival "Sete Sóis - Sete Luas" e nas Manifestações Estivais dos Municípios de Piombino, Sirollo e Numana, (região de Ancona), num total de sete espectáculos. No regresso e a convite da Câmara de Loures fazem dois espectáculos, um na Bobadela e outro em Santo António dos Cavaleiros.


1994 - em Abril efectuaram um Concerto numa sala da Praça de Toiros da Moita. Voltando a Lisboa no dia 3 de Junho, realizam com a sala do café concerto da Comuna completamente cheia um grande espectáculo. Em Julho participam no Festival das Comunidades Estrangeiras em Portugal a convite da organização "OIKOS".


1995 - colaboram como autores, músicos e actores no filme realizado por Jean Claude Brialy intitulado "VACANCES BURGEOISES". Em Junho e Julho realizam dois espectáculos, um em Santo António dos Cavaleiros e outro na Pontinha a convite das comunidades locais. A 23 de Julho participam com outros músicos e bandas deste país num festival anti-racismo realizado no Barreiro. No dia 27 integram um espectáculo conjunto com uma passagem de modelos da J&NCreations (roupa de características africanas). Novembro, 30 nova apresentação na Comuna.


1996 - a 9 de Janeiro um concerto no RITZ CLUB. A 9 de Maio realizam no Centro Cultural de Belém um espectáculo no espaço 7 às 9. O verão chega com a realização entre outras em Julho no Palco das Comunidades de Loures. Dia 9 no Centro Cultural de Belém e de novo no espaço das 7 às 9 que apresentam um espectáculo.


1997 - em Março voltam ao C.C.B. Tocam em Abril e Maio na Arrentela e no Ritz Clube, em Julho e Agosto em Tondela, no mesmo período e integrado no Festival das quatro cidades tocam no Fundão, V.R.S. António, Montemor o Novo e Marinha Grande (S. Pedro de Muel), bem como no Festival "Músicas do Mundo" em Évora, nas festas de Paio Pires e Figueira da Foz e no Festival Maré de Agosto em Santa Maria Açores. Em Novembro voltam ao espaço das 7 às 9 no CCB.


1998 - participam entre outras na homenagem a Ramiro Martins, diversificam as suas actuações e para isso tocam no JAZZBAR em Lisboa e no Auditório da RDP África.


1999 - concorrem aos Prémios Maqueta 98 e são convidados pela agência DEIXE DE SER DURO DE OUVIDO para participar no espectáculo de entrega dos mesmos prémios no dia 13 de Março no cinema do Terço no Porto. A 5 de Maio tocam no CCB (7 ás 9) e a 29 do mesmo mês no Parque das Nações no dia da Cultura Africana organizado pela RDP África. Em Agosto participam no Festival de Paredes de Coura a convite da DEIXE DE SER DURO DE OUVIDO, e em Setembro tocam na Feira de Artesanato de Vila Nova de Famalicão.


2000 - promovem o seu 1º CD single passando assim pelos Forum da FNAC do Chiado e Colombo, RDP África, Terreiro do Paco na RTP Internacional, Speakeasy em Lisboa, e foram convidados pelo Presidente da Cãmara de Setúbal para um espectáculo dedicado ás minorias étnicas do Concelho. Tocam também na Feira do Livro de Viana do Castelo, e em Buarcos - Figueira da Foz. Estiveram tambem no programa da RTP 1 " A Praça da Alegria" e no CCB (7 ás 9).


2001 - participam em concertos na Guarda, Caldas da Rainha, Portimão no âmbito do Festival Sete Sóis Sete Luas e na Feira do Livro em Viana do Castelo.


2002 - apresentam-se em dois espectáculos no SPEAKEASY em Lisboa e na FNAC CASCAIS no âmbito do ciclo de Arte Lusófona "MUSIDANÇAS". Participam no 30 aniversário do Teatro da Comuna. Realizam também um concerto na XIII Feira do Livro e Multimédia de Ovar. Tocam por iniciativa da Junta de Freguesia de Alhos Vedros "Conhecer para Aceitar" na Fonte da Prata. Dão também concertos na Feira de Artesanato do Estoril e na semana da Juventude de Santa Maria da Feira. Em Setembro lançam finalmente o seu 1º CD álbum na Fnac do Cascais Shopping tendo promovido o mesmo na Fnac Colombo, CCB, Fnac Almada e na Fnac Chiado.


2003 - tem sido o ano dedicado á promoção deste trabalho tanto a nível nacional como internacional. Editam também o seu 1º Video Clip, e participam com um tema numa colectânea da Editora Musica Alternativa chamada "Mother Africa". É feito um remix do tema "Mukuatutoma" pelo produtor e músico Alain Nkossi Konda da Afrikool Rekords, que produz neste momento entre outros músicos Kanda Bongo Man um artista Zairense considerado no mundo da World Musica.


Em 2004 - estão preparando o seu novo CD e entretanto no mês de Fevereiro fizeram um espectáculo no Centro Cultural de Campo Maior. O mês de Março levou-os até Alhos Vedros onde se realizou a 4ª edição do Festival Musidanças. Em Maio participaram no programa da SIC ás 2 por 3, e no programa Etnias apresentado por José Mussuaili. Participam em outubro numa quinzena de música Lusofona inserida no ciclo Musidanças na Fnac Colombo.

www.wooz.org.br/musicalinduportugal.htm

Pensar e Falar Angola

Passe a publicidade (16)




Pensar e Falar Angola

domingo, 27 de julho de 2008

Quipucas






Quipucas, pequenos celeiros suspensos, construidos por fibras vegetais para armazenagem e conservação de feijão, milho ou ginguba. Os pequenos celeiros ovóides formam o lugar ideal para conservar estes alimentos de forma arejada,seca e distante dos roedores, dando ao kimbos um ar insólito. Estas fotos foram recolhidas na região de Marimba por Henrique J.C. Oliveira




Pensar e Falar Angola

(24) - Ágora - Desconversas


Hoje quando estava a ler um matutino qualquer, em que o assunto era uma invariável cruenta análise sobre a situação na África do Sul, lembrei-me do saudoso João Martins.
Poderá parecer paradoxal lembrar-me do João Martins, muitos anos depois da sua prematura morte, mas de facto veio-me à lembrança uma das suas tiradas, num dia qualquer do distante ano de 1980. Perante a onda crescente de cooperantes, que entretanto chegavam a Angola, ele dizia com uma certa piada: "Temos de libertar a Namíbia e a África do Sul, já que é a única oportunidade de sermos cooperantes".
O João Martins, foi director da Casa do Desportista na ilha de Luanda, onde vivi durante cerca de um ano, nos tempos da “gastronomia criativa”. Era uma excelente pessoa, do Ambriz, com uma pasta tipo Bond, feita na Onil, que abria com um fósforo (IFA) e onde estavam dezenas de requisições ao Ministério do Comércio Interno, que fazia gáudio em mostrar-nos, quando quotidianamente reclamávamos a constante repetição da comida e a falta de qualidade da mesma. “Malandros”, era uma frase recorrente no léxico do João, perante as queixas dos comensais regulares, onde me incluía, e as equipas nacionais que por lá estagiavam para provas internacionais. Tinha por ele estima e consideração, mas isso não evitou um ou outro episódio mais “delicado”, que hoje apenas lamento não estar cá o João, para se rir comigo e com os muitos que conhecem a história.
Num desses períodos de RAL (recursos alimentares limitados), começou a aparecer na dieta alimentar da Casa do Desportista um prato que seguramente não se encontra em qualquer cardápio no mundo: ”O Churrasco de ovo”. Esforçava-se por ser uma omoleta, mas o ovo assim como a cebola eram liofilizados e o alho era em pó. Era uma omoleta que comi invariavelmente, durante uma semana, ao almoço e ao jantar, e nunca conseguiu ter a mesma cor, pois era amarelamente esbranquiçada ou amarelecidamente preta, pois o óleo era de uma cor esquisitíssima, assim do tipo manteiga rançosa que lhe dava um verdadeiro desgosto às primeiras trincadelas. Rendia a tarde toda, porque era tipo borracha e colava-se a todas as paredes do tubo digestivo por onde passava. Estoicamente, fui aguentando até que um dia pedi ao empregado que me servia, que me desse um envelope e uma caneta, ao que ele prontamente acedeu, porque também era uma vítima do atentado ao fígado que todos éramos diariamente submetidos. Ficou surpreendido quando coloquei o “churrasco de ovo” dentro do envelope e mandei colocar em cima da secretária do director, com a refencia que lhe oferecia o almoço!Quando o João Martins vê aquilo, roga-me as pragas possíveis e impossíveis e ei-lo no seu 127 amarelo a caminho da então Secretaria de Estado dos Desportos, onde pede uma audiência urgente ao Rui Mingas, que admitiu quando me chamou para me “repreender”, que não lhe foi fácil manter uma pose com alguma dignidade perante o que lhe estava a ser contado. Sinceramente, hoje acho que em iguais circunstancias ainda hoje o faria, pois um dos filmes da minha play-list é “Oh! Amigos Meus”, em que um conjunto de amigos sessentões, estabilizados social, familiar e financeiramente na vida, se organizam de quando em vez para pregarem partidas, como faziam há quarenta anos atrás, e uma das cenas marcantes do filme é passada numa estação de caminho de ferro, e com um comboio a iniciar a marcha, e as pessoas debruçadas nas janelas a acenarem, quando os seis arrancam dum lado e do outro do comboio a zunir chapadas a quem tinha a cabeça de fora. Bem colocados na vida e bem dispostos sempre!

Fernando Pereira

Pensar e Falar Angola

sábado, 26 de julho de 2008

Creadas domésticas

Postal numerado (265) do inicio do século XX, sobre duas mulheres de Benguela, vestidas de forma tradicional, com panos, e com a actividade de empregadas domésticas.




Pensar e Falar Angola

Sábado Musical



Pensar e Falar Angola

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Escritores Angolanos - Eurico Josué Ngunga "Kandjila"

Nesta série de Escritores Angolanos falamos de quem apresentou este mês a sua primeira obra em Angola, depois de a ter apresentado, pela primeira vez em Novembro de 2007 em Minas Gerais, Brasil - Eurico Josué Ngunga, Kandjila.
Eurico Kandjila procedeu quarta-feira, no Instituto Superior de Ciências da Educação, na cidade do Huambo, depois de a ter apresentado em Cabinda, na passada semana, no Centro Universitário de Cabinda, a apresentação da sua primeira obra literária intitulada "Njango-Contos em volta da fogueira", escrita em 1994.
Eurico Kandjila fez saber que a referida obra retrata "aspectos da idiossincrasia cultural identitária dos povos ovimbundus (centro sul de Angola), ao mesmo tempo em que ostenta uma conotação antropológica, histórica, sociológica e filosófica, por abordar questões da transmissão de valores mais sublimes da tradição". Além disto, aludiu o escritor, a obra eleva a "cosmo-visão africana perpassada pela oralidade", com intuito de incentivar os leitores a valorizarem a riqueza cultural de cada povo. "O Ndjango representa, na tribo ovimbundu, a forma de passagem do conhecimento pelos mais velhos para perpetuar e fortalecer as gerações vindouras, também significa escola da vida onde os meninos se voltam para aprenderem algo que no futuro os possa identificar", esclareceu.
Para ele, este livro fará com que os leitores recuem ao tempo e estabeleçam conexões entre as narrativas históricas do período colonial português em África e Brasil. O autor manifestou-se, por outro lado, encorajado pelo impacto que o livro está a suscitar no seio de leitores e pesquisadores estrangeiros ávidos em saberem algo mais sobre os usos, costumes e tradições da riqueza pluri-cultural de Angola. "Não esperava que este livro tivesse esta repercussão nos mercados literários dos Estados Unidos da América e França. Alegra-me ainda o facto do livro estar a ser apresentado hoje na terra na qual ele aborda", enfatizou.
Nascido em 1973, no município do Katchiungo, a 64 quilómetros a este da capital da província, Eurico Josué Ngunga "Kandjila", graduou-se em Letras, Teologia e Mídia. É co-autor do livro científico "Orientações e acções da educação das relações étnico-raciais" e também fundador do jornal científico "O literato" da cidade de Belo-Horizonte (Brasil). Actualmente é professor universitário no Brasil, leccionando as disciplinas de Língua Portuguesa, Línguas Estrangeiras, Ética Organizacional, Antropologia e Literatura.
Pensar e Falar Angola

Revolta do Congo

"A revolta no Congo Oficiaes que fizeram parte da coluna do Congo: 1. Governador do distrito, 2. Capitão Genipro, chefe do estado maior da coluna, 3. Chefe dos serviços administrativos tenente Costa Alves, 4. Chefe dos serviços de saúde dr. Aires Lopes.O tenente Costa Alves chefe dos serviços administrativos assistindo á autopsia de um boi."

autopsia????

(clique para ampliar)

"1. Sargentos que fizeram parte da coluna.2. Bivaque da coluna n'uma povoação, vendo-se o governador sr. Jaime de Moraes e o 1º tenente sr. Crato, conferenciando com dois sobas fieis. -- 3. Um posto militar novo em construção."

talvez em Angola

Ilustração Portuguesa nº 470 de Fevereiro de 1915
Fonte: Blog ilustração portuguesa http://revistaantigaportuguesa.blogspot.com/

Pensar e Falar Angola

bom mesmo é não falar de política

Antes de começar a campanha eleitoral, utilizando os conhecimentos das recentes e profundas idas, bem como a leitura dos ‘periódicos’, blogs, páginas partidárias e outras tantas coisas, vou tentar descrever a ‘minha’ Angola, que não é necessariamente igual a tantas outras que vou ‘encontrando’ por aí.
Não vou querer dar uma opinião nem mostrar um saber que não posso ter. Quero mesmo só lhe visitar nas palavras que os meus olhos viram, a minha cabeça lhe fotografou e os meus dedos teclam.
Angola é um país em obras, grandes e pequenas, divididas por empresas brasileiras, portuguesas, angolanas, italianas e chinesas. Se me falhou algum país desde já as minhas desculpas, mas de facto não me recordo de ter visto.
Ao que fui sabendo, os chineses foram os últimos a chegar. São os primeiros neste momento e, segundo os mujimbos, rondam 3% da população, cerca de 650000 espalhados no país. Trabalham por turnos os sete dias da semana e as 24 horas do dia. Paulatinamente começam a integrar a sociedade e já dão os primeiros passos as crianças sino-angolanas.
A Rede Globo e a Tv Record entram a toda a hora nas casas angolanas através da DSTV. É inegável a influência brasileira. Na música, nos restaurantes, na roupa, na língua e já nos costumes. Já se houve falar nas Sacoleiras, mulheres que desembarcam diariamente no aeroporto 4 de Fevereiro com sacos a abarrotar de roupas que são vistas nas últimas novelas da Globo e que serão vendidas num porta a porta dos bairros IN. Quase todas as semanas está um cantor brasileiro para uma estadia de quatro dias, tempo para um show e gravação dum spot publicitário.
O que também une brasileiros e angolanos é o facto de ambos terem-se visto livres do colonizador comum.
O crescimento económico ronda os 17%, mais coisa menos coisa com tendência para a mais coisa, fazendo parte do roteiro da legião de empreendedores que chegam via TAAG, TAP, SAS e mais umas. A ideia é pegar numa actividade económica qualquer. Claro que sempre associado a angolanos.
Como há falta de mão de obra especializada, as empresas contratam mão de obra no estrangeiro, condicionando a sua ida ao padrão de vida similar à origem, o que faz com que, pelo menos Luanda, seja uma das cidades mais caras do mundo para viver, mais lentas de circular. Se se quer um almoço rápido com cerveja doméstica prepare-se para os 35 dólares, sem pontualidade e sem muitas hipóteses de escolha. O menu é invariavelmente português. Se é hábito chamar artérias às vias de comunicação, Luanda gangrenou pois as artérias estão permanentemente entupidas. É uma autêntica fábrica de stress e a centena de metros andados é medida em tempo largo. Belíssima cidade na margem duma belíssima baía. Belíssimos prédios coloniais, pena muitos estarem ao abandono na sua conservação, se misturam com prédios moderníssimos de alta tecnologia, assim como esgotos a céu aberto contrastam com moderníssimas bocas de incêndio. Não encontrei o clássico transporte público nem o mundialmente conhecido táxi. Um autocarro, machimbombo, se sair da estação não passa da primeira paragem porque o trânsito não lhe deixa. Vi milhares, número que atiro para o ar na incerteza de ter um número certo, de candongueiros. NISSAN, azul clara e branca na capota, circulando a abarrotar de gente numa condução de perigar qualquer montanha russa dum qualquer parque de diversões. Para eles tudo vale, mesmo andar em sentido contrário. Por acaso, e talvez seja mesmo só por acaso, não vi nenhum a voar.
Um pouco a sul está a nascer Luanda Sul. Mesmo assim, Luanda Sul. Não tarda e um dia estaremos a ouvir Luanda a Velha e Luanda a Nova, ou coisa parecida. Aqui coexistem largas avenidas, shoppings, condomínios fechados, carros soberbos acima do topo de gama, moradias de fazer inveja.
Luanda dizem ter 4 milhões de habitantes. Mas Luanda província, composta por nove municípios e não só a Luanda cidade capital.
A população total do país ronda os 16 milhões, mas este parece ser um número indisfarçadamente inflacionado. Não há censo recente.
Iniciativas tímidas do governo têm sido tomadas em várias frentes desde a saúde, à educação e a infra-estruturas. As estradas inter províncias estão em fase de recuperação, assim como a rede de distribuição eléctrica, os caminhos de ferro, as escolas, hospitais.
Mas mesmo assim o angolano é um povo orgulhoso e alegre. Tudo é motivo de festa. Kizomba, Kuduro são os ritmos que todos dançam e bem.
Bom mesmo é não falar de política.
JCC

Pensar e Falar Angola

quinta-feira, 24 de julho de 2008

quarta-feira, 23 de julho de 2008

4ª desportiva

Jornada 16
1º de Maio 1-1 Petro Luanda

Petro Huambo 2-1 Bravos Maqui

Rec. Libolo 2-1 Benf. Luanda

Santos FC 1-1 Desp. Huíla

ASA 0-1 1º de Agosto

Inter Luanda 2-0 Benfica Lubango

Kabuscorp 1-1 Sagrada




CAN 2010

As obras do Estádio do Lubango, que vai acolher o CAN-2010, estão já a 50 por cento da sua execução total, decorrendo actualmente os trabalhos para a edificação do primeiro piso, onde serão colocados os assentos individuais para os espectadores. Segundo o responsável pela empresa "Nuclear", fiscalizadora da obra, Egídio Armando, as obras incidem agora sobre estrutura do primeiro piso, que ostentará quatro lados (A, B, C e D). "Temos já quase prontos os lados "A" e "D", cujas bancadas foram betumadas no domingo, e por tudo que está feito agora, tranquiliza-nos bastante, porque até estamos a ganhar muito tempo. A 11 de Setembro esta fase será concluída", sublinhou. Informou que oficialmente a empresa Syno Hidro não tem problemas de maior em relação ao prazo, e até tem dias ganhos para concluir a obra em tempo. Quanto ao material, também não há razões de preocupação, segundo disse, tendo armazenado material suficiente para concluir a obra. Com capacidade para acolher 20 mil lugares, dos quais 208 reservados para VIP, 60 para deficientes e 104 para os órgãos de comunicação social, a construção do estádio do Lubango, iniciada em Abril deste ano, envolve 40 angolanos e 720 chineses, estando o seu término previsto para Outubro de 2009.O Estádio do Lubango vai comportar 708 lugares para estacionamento de viaturas, pistas de atletismo com oito faixas cada.





Pensar e Falar Angola

Kassongo

Angola/Bié: Elefantes danificam bens da população de Kassongo


Kuito, 20/07- Manadas de elefantes danificaram, sábado, residências e cereais, entre outros bens da população da aldeia de Kassongo, na comuna de Malengue, no município do Chitembo, cerca de 222 quilômetros a sul da cidade do Kuito, na província do Bié.

O administrador daquela comuna, José Pedro, informou à angop que os elefantes danificaram residências, celeiros com reservas de milho, feijão, bombo, e algumas lavras com culturas de mandioca e batatas.José Pedro disse que a situação tem sido constante nos ultimos tempos e, parte da população está abandonar as suas aldeias para localidades com mais segurança, onde tentam iniciar a sua vida, com todas as consequências, mormente a fome e a falta de habitação.

“Neste momento -disse o administrador, a população da aldeia de Kassongo clama por uma ajuda em termos de bens de primeira necessidade já que parte das suas reservas foram destruidas por elefantes”.O administrador sublinhou que pequenas quantidades de alimentos ainda se aproveitam, mas, para pouco tempo daí apelou para a necessidade de uma ajuda as populações vítimas das acções dos elefantes.

O Administrador da comuna de Malengue, referiu que as autoridades locais estão a trabalhar com apoio da Administração municipal do Chitembo no sentido de minorar os problemas causados pelos elefantes à população da aldeia de Kassongo


Fonte:Angola Press




Pensar e Falar Angola

terça-feira, 22 de julho de 2008

O combate de Naulila

(clique para ampliar)

Formatura dos soldados portuguezes no Lubango, antes de partirem ao encontro dos alemães.


Grupo de sargentos que fazem parte da expedição a Angola.Chegada ao Lubango das bagagens das tropas portuguezas ('Clichés' do distinto fotografo sr. Teles Grilo)."


Ilustração Portuguesa nº 466 de Janeiro de 1915


Fonte: Blog ilustração portuguesa http://revistaantigaportuguesa.blogspot.com/

Pensar e Falar Angola

Texto de Leitor




fotos de Novembro 2007
Acho que sou feliz.
Eu quero tudo o que tenho,
só desejo o que posso
E sou da minha idade.
Será isso a tal felicidade?"

- Vá, em busca dos seus sonhos. Se tropeçar, não pare nem perca de vista sua meta, não olhe para trás e continue subindo mesmo que ocupe todo seu dia. Vá, mesmo de joelho... vá, porque só quem está no alto pode desfrutar da paisagem...
MªGraça Baptista ( samsaragrace )

Eleições em Notícia - Contagem regressiva para as Eleições Legislativas 2008 em Angola



A LAC (Luanda Antena Comercial), 95.5 em FM, iniciou uma nova programação jornalística com a apresentação de um sério projecto da sua direcção de informação, uma aposta dinâmica e abrangente de José Rodrigues, o director de informação da LAC.

Esta foi a primeira estação radiofónica fora da alçada do serviço público de rádio, quando em 1992, a poucos meses do primeiro e, - até o próximo dia 5 de Setembro -, único acto eleitoral em Angola, foi autorizada a emitir enquanto rádio com cobertura local, Luanda e seu perímetro provincial.

Escute o áudio da emissão condensada:
Eleições em Notícia - LAC
Coordenação de José Rodrigues
















Pensar e Falar Angola

Nuvem

Angola na Imprensa (1772) música (399) jornais (325) Ágora (247) livros (232) F.Pereira (221) Historia de Angola (221) pintura (210) opinião (206) cultura (190) Luanda (116) desporto (114) fotografia (105) Território (74) literatura (73) africa (64) vídeo (64) culinária (60) Angola (55) Saúde (55) arte (55) escritores (55) reconstrução (54) Fauna (52) arquitectura (52) humor (51) personalidades (50) reciclagem (50) partidos políticos (49) turismo (49) Namibe (48) CAN2010 (47) futebol (46) energia (44) Luis Sá Silva (43) publicidade (43) Filatelia (42) Gastronomia Angola (42) Poesia (42) Cinema (41) economia (41) automobilismo (40) fotos (40) LAC (39) gastronomia angolana (37) sociologia (37) musica (36) Luanda Antena Comercial (35) POLITICA (34) valdemaribeiro (34) eleições (33) ensaios (32) Construção (31) visitando blogues (29) 95.5 (28) Elinga Teatro (28) informação (27) Girabola (26) eleições 2012 (26) Podcast (25) dança (25) Lubango (24) automóveis (24) blogs (24) teatro (24) Companhia de Dança Contemporânea de Angola (23) imprensa (23) política (23) basquetebol (22) bonecas (22) futebol angolano (22) rádio (22) CDC (21) cronicas . ensaios (21) sabores (21) Angola em fotos (20) Natal (20) Ondjaki (20) educação (19) notícias (19) eventos (18) frutas (18) Huambo (17) artesanato (17) cronicas (17) Benguela (16) GP3 (16) debate político (16) festas (16) Cozinha Angolana (15) Independência (15) Lobito (15) Parques Naturais (15) Presidente José Eduardo dos Santos (15) Sala de Música (15) curiosidades (15) receitas (15) Agostinho Neto (14) CASA-CE (14) EDUCAÇAO (14) entrevista (14) fotos antigas (14) Bloco Democrático (13) Companhaia de Dança (13) Rui Ramos (13) animais de Angola (13) 4 de Fevereiro (12) Angola descrita (12) Angola-Brasil (12) F.Quelhas (12) José Mena Abrantes (12) Solidariedade (12) comércio (12) memória (12) texto de leitor (12) viagens (12) áudio (12) Afrikya (11) Cabinda (11) Huila (11) José Rodrigues (11) Rádios Angolanas (11) agenda cultural (11) ambiente (11) ciência (11) escravatura (11) flora (11) kuduro (11) pessoas (11) 27 de Maio (10) Comentário (10) Jazz (10) Paulo Flores (10) Ruy Duarte de Carvalho (10) afrobasket (10) aniversário (10) escultura (10) estórias (10) exposição (10) futuro (10) geografia (10) malária (10) população (10) postais (10) povos (10) prémios (10) taag (10) unita (10) Huíla (9) Mateus Gonçalves (9) Palancas Negras (9) cplp (9) paludismo (9) pobreza (9) CAN2008 (8) Café da Manhã (8) Carnaval (8) Jorge António (8) Marcolino Moco (8) Pepetela (8) SOCIOLOGIA POLÍTICA (8) Sérgio Conceição (8) baía de Luanda (8) comboio (8) feriados (8) gentes (8) património (8) selecção de Angola (8) transporte (8) viagens no tempo (8) Festas do Mar (7) João Melo (7) Luandino Vieira (7) Malange (7) O País (7) Rui Mingas (7) SIDA (7) efemérides (7) ensino (7) falecimento (7) festival de teatro (7) heróis (7) percussão (7) Abel Chivukuvuku (6) Bom Dia - Bom dia (6) CAN2012 (6) Casa de Angola (6) Hóquei (6) Luisa Fançony (6) MPLA (6) ajuda (6) andebol (6) campanha eleitoral (6) chuva (6) colecção cartazes (6) filme (6) moda (6) sociedade (6) 25 de Abril (5) 4ª Conferência sobre Mulher e Desporto (5) Cartoon (5) Chá de Caxinde (5) Eleições em Notícia (5) FILDA (5) Luena (5) Mário Pinto de Andrade (5) Nelson Mandela (5) antiguidades (5) caminhos de ferro (5) contos (5) convite (5) crianças (5) cultos (5) desenho (5) dia de África (5) diversão (5) documentos (5) estradas (5) liberdade (5) lusofonia (5) moeda (5) o nosso Povo (5) petróleo (5) televisão (5) valdemar ribeiro (5) A Escola da Música (4) A Guerra (4) ADRA (4) Adams Kiluanji Smiths (4) Ana Clara Guerra Marques (4) André Mingas (4) Brasil (4) CFB (4) Capas de singles angolanos (4) Comemorações da Independência de Angola (4) Constituição (4) Diplomáticos (4) Duo Ouro Negro (4) Elias Dya Kimwezo (4) Expo 2010 (4) Fundação Sindika Dokolo (4) IIº Festival Internacional de Teatro e Artes (4) Jornal de Angola (4) Mulheres de Angola (4) N'gola Ritmos (4) Okutiuka (4) Ouvir Angola (4) Paulo Jorge (4) Pensar e Falar Angola (4) Raul do Rosário (4) Saurimo (4) Sónia Ferreira (4) Trincheira Firme (4) agricultura (4) arquitectura popular (4) colares (4) corrupção (4) desportos (4) ecologia (4) etnografia (4) hoquei em Patins (4) internet (4) media (4) medicina (4) trabalho (4) tradição (4) urbanismo (4) África (4) Ana Paula Tavares (3) António Jacinto (3) Baía dos Tigres (3) Caminhos de Ferro de Moçâmedes (3) Catumbela (3) Cuito Cuanavale (3) Denudado (3) Dia Mundial da Dança (3) Dia da Mulher (3) Dia do Herói Nacional (3) Ernesto Lara Filho (3) Filipe Mukenga (3) Homenagem (3) INFRAESTRUTURAS (3) Interclube (3) Investimentos (3) Jogos Olímpicos (3) Jorge Kalukembe (3) José Eduardo Agualusa (3) Justino Pinto de Andrade (3) Kudijimbe (3) Lino Damião (3) Manifesto (3) Manuel Victória Pereira (3) Mosquito (3) Mundial de Hóquei (3) Mário Tendinha (3) Patrício Batsîkama (3) Paulo Araujo (3) Pedroto (3) Prémio Maboque (3) Pérolas (3) Ricardo Teixeira (3) Rock Angolano (3) Teta Lando (3) Universidade (3) Yuri da Cunha (3) adivinhas (3) autores (3) candomblé (3) cidadania (3) coleccionismo (3) comunicação (3) conhecimento (3) conselhos (3) curso (3) david oliveira (3) democracia (3) deputados (3) desastre (3) desenvolvimento (3) design textil (3) dia da Independência (3) e-mail (3) elinga (3) empreendorismo (3) empresa (3) engenharia (3) estatística (3) estudantes (3) exportação (3) formação (3) globalização (3) governo (3) história natural (3) ideias (3) imobiliário (3) indústria (3) jornalismo (3) kuanza-Sul (3) legislação (3) lingua portuguesa (3) linguas (3) livro (3) mel gambôa (3) negritude (3) poesia lusófona (3) polícia (3) rios (3) ||| Trienal de Luanda (3) 11 de Novembro (2) 1º de Maio (2) 3º ano (2) A Matéria do Tempo (2) Agostinho André Mendes de Carvalho (2) Agualusa (2) Andulo (2) Angola no Afrobasket2013 (2) António Ole (2) Arlindo Barbeitos (2) Assembleia Nacional (2) BD (2) Beatriz Salucombo (2) Belita Palma (2) Bonga (2) Bonga Kwenda (2) CHAN (2) CUBE RECORDS (2) Café Negro (2) Cambambe (2) Campeonato do Mundo de Hóquei (2) Cangandala (2) Caála (2) Comissão Nacional Eleitoral (2) Correia Adão (2) Cuca (2) DTA (2) Divagações (2) Dog (2) Dog Murras (2) Don Sebas (2) Elinga Bar (2) Encontro (2) Estudos Angolanos (2) Estúdio de Actores (2) FAO (2) FBaião (2) FIC (2) FLEC (2) Festival Internacional de Jazz (2) Festival Internacional de Rock do Huambo (2) Festival de Cinema (2) Filipe Zau (2) Formula 3 (2) Fortaleza de Luanda (2) Fotografias (2) Fotografias de Angola (2) Francisco Vidal (2) Gustavo Costa (2) Helena Justino (2) Helena Magalhães (2) Hospital Pediátrico David Bernardino (2) Isabel dos Santos (2) Januário Jano (2) João Arrmando (2) João Baptista Vieira Lopes (2) Kilamba (2) Kuanza (2) Kwanza Norte (2) Leba (2) Lev'Arte (2) Luís Damião (2) Lúcio Lara (2) Mampuya (2) Mangovo (2) Manifestações (2) Manuel Rui (2) Manuel Ruy Monteiro (2) Margarida Paredes (2) Mbanza Congo (2) Mia Couto (2) Micaela Reis (2) MinhaAngola (2) Monza (2) Mucuio (2) Museu de História Natural (2) Nara (2) Nelo Teixeira (2) Neves e Sousa (2) O Blog Realmente Aberto (2) Online (2) Palácio de Ferro (2) Papa Bento XVI (2) Paulo Jazz (2) Paulo de Carvalho (2) Pedras Negras (2) Prémio Nacional da Cultura (2) Reacreativo do Libolo (2) Recordações (2) Reginaldo Silva (2) René Pélissier (2) Roderick Nehone (2) Rosa Coutinho (2) Rádio Ecclesia (2) SIEXPO (2) Sabby (2) Salvador Correia (2) Samakuva (2) Sambizanga (2) Savimbi (2) Sonangol (2) Sumbe (2) TPA Internacional (2) Tchokwé (2) Terra (2) Tio Liceu (2) Togo (2) Tonspi (2) Uíge (2) Valdemar Bastos (2) Viriato da Cruz (2) Visita de Estado (2) Viteix (2) Yaru Cândido (2) advogados (2) alimentação (2) angolanidade (2) antropologia (2) artes plásticas (2) aviação (2) bebidas (2) biodiversidade (2) ciclismo (2) cidades (2) colóquios (2) contestação (2) direitos e deveres (2) divulgação (2) educ'arte (2) escola (2) espectaculo (2) feira (2) fim de ano (2) fome (2) governação (2) herois (2) hino (2) instrumentos (2) kimalanga (2) kizomba (2) legislativas (2) leis (2) marginal (2) negócios (2) pensamentos (2) pesca (2) provérbio (2) racismo (2) religião (2) reportagem (2) resultados eleitorais (2) revistas (2) toponimia (2) transporte aéreo (2) trânsito (2) vias de comunicação (2) vistos (2) Álvaro Macieira (2) óbitos (2)  Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) "O Ocaso dos Pirilampos". (1) 04 de Abril (1) 1 de Maio (1) 15 de Março (1) 1º de Agosto (1) 2006 (1) 2008 (1) 2011 (1) 2012 (1) 2014 (1) 95 (1) A Poesia Angolana noa Caminho Doloroso da História (1) A Orfã do Rei (1) A Safra (1) ANGOLATELECOM (1) Acordos Luso-Angolanos (1) Acordos de Paz de Bicesse (1) Actores (1) Acácio Barradas (1) Adolfo Maria (1) Adriano B. de Vasconcelos (1) Adriano Botelho de Vasconcelos (1) Adriano Mixinge (1) Adriano Sebastião (1) Aeroporto Internacional de Luanda (1) Afrologia (1) Alda Lara (1) Alda do Espírito Santo (1) Alfabetização (1) Aline Frazão (1) Allende (1) Ana Dias Lourenço (1) Ana Paula dos Santos (1) Angola 74 (1) Angola Avante (1) Angola Rural (1) Angola e NBA (1) Angolares (1) Animação (1) António Kassoma (1) António Magina (1) António dos Santos (1) Anália de Victória Pereira (1) Apartheid (1) Apostolado (1) Artur Nunes (1) Assassinato (1) Associação 25 de Abril (1) Associação Kalu (1) Autódromo (1) Bahia (1) Baixa de Cassange (1) Banda (1) Banda Desenhada (1) Banda Maravilha (1) Before Crush (1) Benfica (1) Bienal (1) Bilhete de Identidade (1) Bimbe (1) Bié (1) Black Soul (1) Boas Fertas (1) Bruno M (1) COI (1) COSISA (1) CPJ (1) CRONICAS ENSAIOS (1) Cabo Ledo (1) Caleidoscópio (1) Calos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Cangola (1) Caotinha (1) Carlos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Carlos Ferreira (1) Carlos Ferreirinha (1) Carlos Morais (1) Carteira do Artista (1) Casa 70 (1) Casa do Gaiato (1) Casa do Gaiato de Benguela (1) Cavaqueira no Poste (1) Cesaire (1) Cesária Évora (1) Chia KMK (1) Chibia (1) Chiwale (1) Cinema Atlântico (1) Comité Olímpico (1) Companhia de Teatro Dadaísmo (1) Companhia de Teatro Gente (1) Concurso literário (1) Congresso (1) Cooperação Luso Angolana (1) Corte-Real Pereira (1) Costa Andrade (1) Cuba (1) Cubal (1) Cunene (1) Cónego Manuel das Neves (1) DNIC (1) Dalila Cabrita (1) David Zé (1) Death Metal Angola (1) Demósthenes (1) Dharmasena Pathiraja (1) Dharmasena Pathirajad (1) Dia da Mulher Africana (1) Dia de Camões (1) Dia internacional da Criança (1) Direitos Humanos (1) Direitos de autor (1) Discurso do Presidente Agostinho Neto (1) Dondo (1) Doutoramento (1) Drepanocitose (1) Duarte Ferreira (1) EXPO 2012 (1) Edgardo Xavier (1) Edite Soeiro (1) Eduarda Andrino (1) Eiffel (1) Embaixada de Angola em Portugal (1) Embaixador (1) Eng. Fernando Falcão (1) Espaço SIEXPO (1) Estórias de Angola (1) Etel Ferrão (1) Eugénio Costa Almeida (1) ExameAngola (1) Expo 2008 (1) FAA (1) FC Bravos do Maquis (1) FIL (1) FNLA (1) Fernando Baião (1) Fernando Laidley (1) Fernando Pacheco (1) Fernando Tavares Pimenta (1) Festival da Canção (1) Filhos da Pátria (1) Flávio Ferrão (1) Ford (1) Forum Angolanao (1) Força aérea (1) Fragata de Morais (1) Francisco Costa Andrade (1) Frases (1) Frei João Domingos (1) Frutos de Angola (1) Fundo de Solidariedade Lwini (1) Fátima Roque (1) Gabela (1) Gana (1) Gari Sinedima (1) Gastronomia Angolana (1) General Pakas (1) Graciano António Manuel Kalukango (1) Granito (1) Grupo Lareira (1) Grupo Pitabel (1) Grupo de Reflexão da Sociedade Civil de Angola (1) Guiné-Bissau (1) Gustave (1) Gustavo da Conceição (1) Gás (1) H (1) Helder Mendes (1) Henrique Artes (1) Herberto Helder (1) Hinos partidários (1) Holden Roberto (1) INESAAODH (1) INOVAR (1) Icolo e Bengo (1) Imbondeiro (1) Inocência Mata (1) Inscrições (1) Iraldo (1) Irina Vasconcelos (1) Isaura Maria da Conceição Epanda (1) Ismael Mateus (1) J.M.Coetzee (1) Jacinto Lemos (1) Jandira Sassingui (1) Jeremy Xido (1) Jerónimo Belo (1) Joaquim Furtado (1) Jodi Burch (1) Jomo Fortunato (1) Jonh Bela (1) Jordi Galcerán (1) Jorge De Palma (1) José Chaves (1) José Luis Mendonça (1) José Marcos Mavungo (1) José Maria Chaves (1) José Redinha (1) João Jorge Xavier (1) João Kassinda (1) João Soares (1) Kalandula (1) Kalumba (1) Kambumbe Lodje (1) Kandjila (1) Kaparandanda (1) Kate Hama (1) Kifangondo (1) Kiluanji Kia Henda (1) Kinaxixe (1) Kito Kimbenze (1) KuBass (1) Kuduro International Conference (1) Kwanza (1) LODGE (1) Lambarena (1) Leonor Figueiredo (1) Levy César Marcelino (1) Lilly Tchiumba (1) Lito Vidigal (1) Loanda (1) Luanary (1) Luanda Maputo (1) Luciano António (1) Lucira (1) Lugares (1) Luis Fernando (1) Luis Rosa Lopes (1) Lulendo (1) Lunda (1) Luz Veio (1) Luís Fernando (1) M'pty Head (1) MOVICEL (1) Maianga (1) Mano a Mano Produções (1) Manucho (1) Manuel Agostinho Salvador Ribeiro (1) Manuel Ennes Ferreira (1) Mara Dalva (1) Mara Manuela Cristina Ananaz (1) Maria Esperança Pascoal (1) Maria Mambo Café (1) Maria Rita (1) Massalo (1) Matála (1) Mayamba Editora (1) Memória de uma alcoólica (1) Menha Ma Zumbi (1) Menongue (1) Mestre Humberto (1) Miguel Anacoreta Correia (1) Miguel Barros (1) Miguel Zenón Quartet (1) Ministros de Angola (1) Miss Angola 2007 (1) Miss Mundo (1) Miss World (1) Monami (1) Morro Maluco (1) Morro da Luz (1) Morro da Maianga (1) Movimento Estudantil Angolano (1) Movimento X (1) Moçambique (1) Muanamosi Matumona (1) Mucubais (1) Mulher Desporto África 2008 (1) Murras (1) Museu Nacional de História Natural (1) Musongué da Tradição (1) Mutamba (1) Mário Guerra (1) MárioPalma (1) NASCAR (1) NEBLINA (1) Nastio (1) Ngolamirrors (1) Nito Alves (1) Njinga Rainha de Angola (1) Nossangola (1) Nzila (1) Nástio (1) Nástio Mosquito (1) O Moringue (1) O Método de Groholm (1) O Preço do Fato (1) O Rock Lalimwe Eteke Ifa (1) O Submarino Angolano (1) ONG (1) ONU (1) Orfanato (1) Orlando Sérgio (1) Ortopedia (1) Os Lambas (1) Ottoniela Bezerra (1) PENSAMENTO (1) PTNETangola (1) Pangueia Editora (1) Parlamento (1) Pauko Flores . música (1) Paulo Araújo (1) Paulo Capela (1) Paulo Kussy (1) Pedrito do Bié (1) Pedro Pinote (1) Petro (1) Photosynth (1) Processo dos 50 (1) Projecto Perpetuar (1) Prémio José Saramago (1) Quarta-feira (1) Quimbele (1) Quitexe (1) RNA (1) Rafael Marques (1) Raid Cacimbo (1) Raid TT (1) Rainha Ginga (1) Rainha Nzinga (1) Raul David (1) Recreativo da Caála (1) Ricardo Abreu (1) Rio Kuanza (1) Ritmo e Cultura (1) Robert Hudson (1) Roberto Ivens (1) Rocha Pinto (1) Rodrigues Vaz (1) Romi Anauel (1) Ruca Van-Dúnem (1) Rui Almeida (1) Rui Costa (1) Rui Monteiro (1) Rui Tavares (1) Ryszard Kapuscinski (1) Rádio Luanda (1) S.Tomé e Príncipe (1) SISTEC (1) Samba (1) Santocas (1) Sexta-feira (1) Silerstone (1) Silverstone (1) Simão Toco (1) Sita Valles (1) Slide de fotografias (1) Soyo (1) Suzana Inglês (1) Sérgio Guerra (1) Sérgio Mabombo (1) TEDxLuanda (1) Taekwondo (1) Tantã Cultural (1) Tchivinguiro (1) Terra dos Sonhos (1) Toke (1) Tomaz Jorge (1) Toty Semedo (1) Traumatologia (1) Tribunal de Contas (1) Trienal de Luanda (1) Tv (1) TvZimbo (1) Té Macedo (1) Tômbwa (1) UEA (1) UNITEL (1) União de Escritores Angolanos (1) Urbano de Castro (1) VIH/SIDA (1) VUM-VUM KAMUSASADI (1) Victor Gama (1) Vítor Burity da Silva (1) Waldemar Bastos (1) Welwitschia Mirabilis (1) Wilker Flores (1) Xadrez (1) Xá de Caxinde (1) Yonamine Miguel (1) You Failed... Now We Rule!!! A Nossa Vez!!! (1) Zeca Moreno (1) Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) abacate (1) acidentes (1) acordo ortográfico (1) agradecimento (1) alambamento (1) alfandega (1) angolano lá fora (1) antologia poetica (1) anuncio (1) anúncio (1) arbitrariedade (1) baleia (1) bancos (1) bandeira (1) barack obama (1) baía (1) biblioteca (1) bicicleta (1) borboletas (1) brancos (1) cacusso (1) capacitação (1) carta aberta (1) casamento (1) cerâmica (1) cine art angola (1) clima (1) cogumelos (1) combustível (1) comemorações (1) comunidades (1) concertos musicais (1) concurso fotografia (1) contador (1) contrafacção (1) convívio (1) cooperação desportiva (1) crónicas (1) cursos (1) desalojados (1) desarmamento (1) descolonização (1) desgraça (1) design grafico (1) desporto paralímpico (1) dia do pai (1) dimantes (1) dinheiro (1) doclisboa 2012 (1) doença do sono (1) dvd (1) e--books (1) emprego (1) encontro mulheres angolana (1) escr (1) estorieta (1) explicação (1) expressão dramática (1) f (1) facebook (1) famílias (1) feira do Livro (1) feminismo (1) feministas (1) ficção (1) fiscalidade (1) floresta (1) fm (1) fábulas (1) férias (1) gora (1) graffiti (1) hobby (1) humor angolano (1) idolos (1) igreja (1) iniciativa (1) intercâmbio (1) interrupção (1) investigação (1) jindungo (1) jo (1) justiça (1) juventude (1) kalulu (1) kamussekele (1) kassekele (1) kimbos (1) kit surf em Angola (1) leitura (1) lendas (1) luto (1) línguas nacionais (1) militares (1) minas (1) minas de prata (1) miss Universo (1) modernização (1) mosca tsé-tsé (1) motas (1) muamba (1) música. fotos antigas (1) narrativa (1) natação (1) nação negra (1) negros (1) néo-liberalismo (1) o mundo (1) off-road (1) parabens (1) passados. estórias (1) passatempo (1) pecuária (1) pensar (1) perdidos e achados (1) piri-piri (1) poe (1) porto de Luanda (1) povo (1) primeira-dama de Angola (1) prisões (1) prédio Cuca (1) qualificação das pessoas (1) ra (1) raça (1) recuperação (1) refugiados (1) registo eleitoral (1) renovação (1) repatriamento (1) restaurantes (1) san (1) segurança (1) sem etiqueta (1) seminário (1) soberania (1) surf em Angola (1) taxis (1) telecomunicações (1) todo o terreno (1) tragedia (1) tripanossomíase (1) turtulhos (1) twitter (1) técnica (1) um livro. solidariedade (1) valdemar F. Ribeiro (1) vfr (1) vigarices (1) violência (1) voz (1) youTube (1) «ANGOLA: A TERCEIRA ALTERNATIVA» (1) Álvaro Ascenso (1) Álvaro Mateus (1) Óscar Ribas (1) ética (1) ídolos (1)