A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

quarta-feira, 16 de maio de 2012

ELOGIO FUNEBRE Elaborado pela família de JOÃO BAPTISTA DE CASTRO VIEIRA LOPES


ELOGIO FUNEBRE

Elaborado pela família de

JOÃO BAPTISTA DE CASTRO VIEIRA LOPES

Como assumiu[i] em vida, JOÃO VIEIRA LOPES, viveu 80 anos. Nascido a 8 de Maio de 1932 faleceu a 10 de Maio de 2012. Filho de José Vieira Lopes e de Eugénia de Castro, concluiu os seus estudos secundários no então Liceu Salvador Correia, hoje, Mutu Ya Kevela, em 1951, ano em que segue para Portugal para ingressar na Faculdade de Medicina em Coimbra, em Setembro de 1952.

Joãozinho, como foi tratado desde a infância e nos tempos das lides futebolísticas, emergiu duma família de rigor e de princípios e transformou-se num vulto da nossa terra, transpirando humanidade em todos os campos em que se dedicou.

Sua vida se destaca como nacionalista, médico, intelectual, chefe de família, patriarca de família, activista cívico, parlamentar, democrata, futebolista e dirigente associativo.
Suas características impressionam pela coerência de princípios, pela modéstia, capacidade de harmonização, coragem e liderança.

Sua actividade esteve eivada de actos de profunda análise reflexiva e visionária, como de estoicismo e heroísmo, de capacidade de adaptação a várias circunstâncias e, sobretudo, de sobrevivência em situações difíceis, mas igualmente, ilustrada com profunda intuição.

Muito cedo construiu os alicerces de seu pensamento nacionalista e progressista. A situação colonial fascista entrava em choque com seus valores de liberdade e justiça social. Para dar expressão a sua inteligência e ao seu coração, no contexto do colonial fascismo português, participou orgânica e formalmente, a partir de 1954, em várias organizações cívicas e políticas. Assim, foi Tesoureiro da Direcção da Casa do Estudantes do Império, militante do MUD Juvenil (Movimento de unidade Democrática) e é co-fundador do Clube Marítimo Africano

Em consequência da sua ampla actividade política e social foi preso pela polícia política portuguesa em 1955, havendo permanecido nas masmorras da PIDE ao longo de 2 meses. Nesse mesmo ano, e apesar de já estar referenciado pela PIDE, não teme em ser testemunha de defesa de Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola, no Tribunal de Relação do Porto, acusado de actividades contra a segurança do estado. Convém realçar que é o único Angolano que se dispõe a fazê-lo, demonstrando sua coragem sempre que em jogo estivessem valores a defender e vidas humanas a preservar.

Sua actividade política, enquanto se formava superiormente, é intensa. Assume em 1958 a liderança da Casa dos Estudantes do Império. Na mesma altura integra as células clandestinas do MACMovimento Anti Colonial e no ano seguinte faz-se, na mesma base, militante do FRAINFrente Revolucionária Africana para a Independência Nacional.

Sua filiação ao MPLA  - Movimento Popular pela Libertação de Angola - data desde 1960, também na clandestinidade.

João Vieira Lopes conceptualiza, organiza e realiza, sob bandeira das Organizações africanas em que militava, juntamente com outros nacionalistas, em 1961, a grande fuga de Portugal de cerca de 120 estudantes das Colónias. Tal acto, que envergonhou, por se sentirem ludibriadas, as polícias secretas portuguesa e francesa, mostra não só capacidade de organização, como o necessário espírito conspirativo, prenhe igualmente de coragem e determinação. Essa fuga de cérebros juntava-se ao movimento de massas que entretanto emergia com os acontecimentos libertadores de 4 de Fevereiro e 15 de Março em Angola e contribuía para completar o xadrez humano indispensável para o derradeiro progresso da causa nacionalista. Mostra ainda o espírito de desprendimento e de entrega a causa nacional de intelectuais que poderiam ter permanecido na Europa fazendo uma vida normal. É, na realidade, o corolário da dignidade e do dar sentido à vida, cujo ideal patriótico, era um rasgo indelével do seu carácter.

Rumo ao continente berço, João Vieira Lopes, agora, o nosso BAVI, passa por ACRA e CONACRY, fixando-se na então cidade de Leopoldeville, hoje, Kinshasa.
Na sua chegada a Leopoldeville assume vários cargos, funções e missões no contexto organizacional do MPLA.
Assim,
- Integra a partir de Agosto, a estrutura de direcção máxima do MPLA, denominada Comité Director
- É nessa qualidade indigitado responsável da Juventude, havendo recebido o actual Presidente da República de Angola no seio da respectiva organização juvenil;
- É membro da Direcção do CVAARCorpo de Voluntários Angolanos para Ajuda aos Refugiados – com funções no campo da saúde.
JOÃO Vieira Lopes enquanto representante da Juventude encabeça as negociações com a juventude da UPA (União das Populações de Angola) e com o PDA (Partido Democrático de Angola) para unificação da juventude angolana.

Em face de contradições internas no MPLA João Vieira Lopes sai em 1963 da sua Direcção. Dá a sua contribuição na então República da Argélia, integrando o seu Serviço Nacional de Saúde. Prossegue a sua formação médica iniciando a especialidade em Obstetricia-Genecologia na Faculdade de Medicina de Argel.
Ainda nesse ano é co-fundador do Centro de Estudos Angolanos em Argel, importante célula de reflexão para a luta libertadora.

Em 1964, entretanto, mantém a sua posição de não assumir cargos políticos de chefia e integra a guerrilha do MPLA, na Frente Norte, 2ª Região Político-Militar, como médico, e, durante 4 anos consecutivos, nessa qualidade, teve grande impacto a sua posição de organizador contribuindo, para;
- Construção do primeiro Hospital de Retaguarda do MPLA em Matsende
- Criação do primeiro Centro de Formação para Auxiliar de Enfermagem
- Edição da Primeira Cartilha para Enfermeiros Auxiliares

Em 1966 é Chefe dos SAMMServiços de Assistência Médica Militar – da 2ª Região e procede a reabertura de Postos Médicos.

Usando a sua capacidade clandestina e conspirativa participa, em 1967, no ingresso para as zonas da 1ª região do Mpla, juntamente com o comandante Benedito e outros, de dois esquadrões de guerrilha, bem como munições e armamento, que estavam na zona de Leopoldeville (para onde se deslocara clandestinamente). Missões espinhosas e de heroísmo, que contavam com a colaboração de camaradas seus que tombaram durante o seu percurso e desenvolvimento.

De 1969 a 1973 estagia em cirurgia no Hospital Geral de Brazzaville, montando a rede de assistência médica a todos os militantes evacuados das frentes de combate.

Em 1974 adere a facção do MPLA Revolta Activa, juntamente com Joaquim Pinto de Andrade, Gentil Viana, Adolfo Maria, Maria do Céu Carmo Reis, Amélia Mingas e outros e formula o Apelo dos 19[ii], uma base crítica a condução da luta com novas propostas para enfrentar os desafios de Angola.

No Congresso de união de tendências do MPLA, em Setembro de 1974, é eleito Presidente do evento por consenso entre as diversas alas (Ala da Direcção, da Revolta Activa e da Revolta do Leste[iii]) o que traduz bem a sua capacidade de formular consensos e do respeito por parte dos seus camaradas.

João Vieira Lopes, pese embora a sua imensa actividade social, política e militar foi um exímio e exemplar pai de família.
Casado em 1958 com Gina Mendes de Carvalho, teve um casal de filhos. Sempre que estivesse a arrumar a caixa verde os filhos já sabiam que se ia ausentar para uma missão militar. Terno e disciplinador, mas com uma educação que permitiu sempre aos filhos escolherem as suas opções, soube conciliar a sua opção política, a sua exigente carreira profissional, com a dedicação e orientação que seus filhos precisavam. Lygia e Johnny nascendo em espaços diferentes devido as contingências da vida, já recordam com saudades a extrema dedicação e profunda amizade de seu pai a eles, seus conjugues e filhos. Têm-no como um exemplo. Érik, Karine, Stefane, Yane e Joãozinho bem como os restantes netos beneficiaram bastante do seu amor, da transmissão de afabilidade, da histórias da vida. Seus netos eram a sua grande alegria, o que ficava bem plasmado nas festas de família. Sua companheira das últimas décadas Hermínia Clinton não se conforma com sua partida.

Não há duvida que para a toda a família João Vieira Lopes -  o irmão, o primo, o tio - sem nunca o demonstrar ou pretender sê-lo, acabou por se afirmar como o patriarca da família. O seu gesto mais sublime era a preocupação que nutria por todos, a forma como acompanhava a evolução da saúde, a instrução e o círculo de interesses de todos quanto o procuravam. Sua profunda amizade com o comandante Ingo Vieira Lopes é um referencial forte para todos nós: um modelo inspirador de relação familiar. Nunca utilizando um sentido discriminatório[iv], soube aqui dedicar uma atenção particular a diversas situações difíceis porque passaram muitos familiares. As estórias abundam.

João Vieira Lopes sabia conviver com tendências diferentes e jamais abandonou amigos de peito por divergências políticas. Apenas um caso entre vários, sua amizade com o colega Sílvio de Almeida.

Profissionalmente, temos um Dr João Vieira Lopes que assegurou os serviços de Ginecologia com dedicação ímpar, contribui para a organização dos serviços de forma engenhosa adaptando-o sempre as precárias condições, soube estabelecer laços humanos com todos os seus colegas e sobretudo reconhecia o mérito daqueles que mostravam qualidade e dedicação. Muitos colegas tinham-no como segundo pai.

Desde 1978 O Professor Doutor João Vieira Lopes passou a condição de Titular da universidade Agostinho Neto. A sua experiência médica foi um grande auxiliar de ensino para seus estudantes. Rigor científico coadjuvado com fina intuição, centrada no extremo respeito pelo doente e na responsabilidade da missão, permitiram-lhe ganhar a confiança docente dos seus estudantes. O carinho pela socialização do saber era tanto que mesmo enfermo seleccionava livros pessoais e fazia questão de pessoalmente ir oferecer a biblioteca da Universidade.

João Vieira Lopes tinha um espírito irreverente, mas calmo. Na medida das suas forças desejava corrigir o mundo para trilhar novos caminhos. Por isto, foi um homem de rupturas e nunca de status quo que não se reconhecia na sua consciência.
Por isto, mesmo depois de 1974 continuou a trilhar caminhos e rompendo com o ideário mono partidário assumiu com coragem uma das Vice-presidências da ACA[v] (Associação Cívica Angolana) juntamente com Germano Gomes, Milá Melo e Godfrey Nangonya. Joaquim Pinto de Andrade era o Presidente. A ACA pugnava pela paz, pluralismo e intervenção da sociedade civil nos assuntos públicos.

Abriu caminho a democratização do país do ponto de vista político e aceitou ser deputado independente da FpDFrente para a Democracia – eleito pela Coligação AD (Angola Democrática), nas primeiras eleições de Angola em 1992 (17 anos depois da proclamação da independência). Nessa qualidade integrou durante 16 anos a Assembleia Nacional, contribuindo para o debate legislativo. Integrou, como Secretário, a 1ª Comissão Parlamentar para a elaboração da Constituição Revista de Angola e participou em várias missões parlamentares.

Contribuiu com a sua assinatura para a legalização do BD - Bloco Democrático, cuja relação com seus dirigentes permitiu oferecer muitos conselhos a organização.
Soube, com outros concidadãos, protestar, há menos de dois meses, contra a vaga de repressão que se vem abatendo sobre manifestantes no país[vi], opondo a sua assinatura num abaixo assinado dirigido ao Presidente da República. Um acto de elevada cidadania, de lucidez, de persistência democrática e humanistica, de apoio e orientação para a juventude, apesar do seu estado de saúde.

Ao morrer deixa vagas a Presidencia da Assembleia Geral da Liga Africana e do Clube “Vila”. Fundador da Liga Africana, legítima herdeira da Liga Nacional Africana, foi seu Presidente de Direcção até há dois anos. Soube assim honrar seus antepassados que se esforçaram por elevar a dignidade do povo angolano com acção cívica, percursora da luta de libertação nacional.

João Baptista de Castro Vieira Lopes não deu apenas a sua Juventude, deu toda a sua vida a causa da humanidade. Sabemos que o país não está ainda em condições objectivas de avaliar pessoas da sua magnitude. O tempo encarregar-se-á disso e estamos certos que este vazio que hoje sentimos, será preenchido por seus ensinamentos de vida, sua coerência e vontade de viver.

Paz a sua Alma!

Cemitério do Alto das Cruzes, em luanda, aos 12 de Maio de 2012


[i] JVL disse várias vezes que viveria pelo menos 80 anos
[ii] A Revolta Activa criticou o Presidencialismo no seio do Mpla, apelava para maior democratização interna e por uma convivência social pacífica entre as forças vivas da nação para impedir a luta fratricida
[iii] Revolta de Leste era então dirigida por Daniel Chipenda
[iv] Sempre que lhe chegassem cunhas do CC do Mpla na sua actividade médica era perempetório em afirmar que tratava todos por igual, atitude que irritava a casta de privilegiados.
[v] Única Associação formada durante o tempo de partido Único, fora das correias de transmissão partidária
[vi] O ponto alto da repressão registou-se a 10 de Março do presente ano com vários cidadãos agredidos no Cazenga e nas imediações do Hospital Militar. Personalidades como Mendes de Carvalho, Marcolino Moco, Jacques dos Santos, Pepetela subscreveram com João Vieira Lopes um apelo crítico para que a governação permite o livre exercício das manifestações. Até ao presente a governação não reagiu.



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário