A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

domingo, 17 de julho de 2011

177 - Ágora - O Senhor dos Aneis







Num périplo com o professor Sousa Santos feito por um conjunto de províncias a propósito da feitura da “Carta do Desporto Angolano” e da “Lei das Associações Desportivas” no princípio dos anos oitenta, fui-me deparando com o bizarro de situações que hoje são “estórias” de um tempo que foi sendo feito a golpes de vontade.
Em Saurimo, fomos recebidos no aeroporto pelo velho Passos, ao tempo o delegado provincial dos desportos. Como ainda era cedo para o frugal almoço, habitual nesse tempo de penúria colectiva, pedimos para ir até à delegação para preparar a reunião da tarde com os clubes da província. O Passos levou-nos a sua casa, explicando-nos que as instalações da delegação se encontravam em obras já há uns tempos e por isso todo o expediente era gerido na sua casa. Quando chegámos, levou-nos a um anexo onde estava uma secretária, uma máquina de escrever, um armário metálico com as portas fechadas com um atilho e num canto entre duas cadeiras, uma cómoda de quarto de dormir. O Passos explicou que o armário de metal era o arquivo morto, e na primeira gaveta da cómoda estava a documentação da delegação provincial dos desportos, na segunda gaveta estava instalada a associação de futebol e a ultima gaveta era para as associações provinciais de desportos colectivos e desportos individuais. Era um tempo em que o desporto na Lunda-Sul estava literalmente arrumado em gavetas.
Hoje, o desporto angolano já nada tem a ver com o cabouqueiro de outros tempos, mas surpreende-me negativamente haver poucos quadros de excelência, que o País deveria ter nestes quase trinta e cinco de vida colectiva enquanto nação.
Num dos últimos fins-de-semana realizou-se em Benguela a Assembleia Geral da Federação Angolana de Basquetebol e penso que é muito importante este evento ter decorrido fora de Luanda, assumindo ainda mais importância pelo facto deste conclave ser da modalidade desportiva com maior visibilidade do País.
Há muitos anos que acompanho a FAB, e há muitos mais que vou acompanhando o percurso desportivo e a trajectória do seu presidente Gustavo da Conceição.
Tenho uma declaração prévia de interesses a fazer; Conheço o Gustavo da Conceição, mas não tenho relação próxima com ele, pelo que estou muito à vontade para escrever sem encolhos de qualquer ordem.
Acompanho o Gustavo da Conceição desde a sua fase inicial no basquetebol em 1973, o seu percurso desportivo, a sua formação académica e o seu carácter, para afirmar sem qualquer hesitação que é indiscutivelmente um dos melhores quadros desportivos angolanos no activo.
Possuidor de enorme probidade intelectual o actual presidente do Comité Olímpico de Angola e da FAB junta a sua bonomia, o que o tem guindado a lugares de tomo no dirigismo desportivo internacional e naturalmente prestigiando Angola. É a continuidade de um riquíssimo trajecto desportivo como atleta, vencedor de muitas provas internacionais em que capitaneou a selecção até 1988, quando abandonou a modalidade deixando também o 1º de Agosto, clube onde foi seis vezes campeão nacional entre outras vitórias nacionais e internacionais de clubes.
Gustavo da Conceição acompanhou todos os patamares do crescimento da modalidade no País e a sua argúcia apurada, aliada a uma licenciatura superior no domínio da sociologia e gestão desportiva, consolidada com um mestrado na área da direcção desportiva acrescentam a um curriculum valioso uma actividade de dirigente com trabalho feito.
No último congresso da FAB houve críticas à presidência do Gustavo da Conceição e algumas delas pertinentes, porque se terá negligenciado nos últimos tempos algumas áreas da formação e um abandono do basquetebol nas províncias. As associações provinciais mostraram o seu desagrado de forma franca e desinibida e a ideia que transpirou para o exterior é que vão ser implementadas as recomendações saídas do congresso de forma a manter o basquetebol angolano no topo em África.
O Gustavo da Conceição aceitou todas as críticas, algumas sugestões o que é revelador do comportamento de quem nos habituou desde os seus tempos de atleta a exemplos de enorme tenacidade, lealdade, combatividade e acima de tudo uma sobriedade de carácter tantas vezes invulgar num campeão.
O basquetebol angolano tem dado ao nosso País uma visibilidade única, melhor a única que certa imprensa quer ver, e por isso há que enfatizar quem o fez elevar. Aqui há tempos teve direito a isso aqui neste espaço Vitorino Cunha, hoje Gustavo da Conceição, porque merecemos exigir que eles mereçam o nosso reconhecimento.

Fernando Pereira
18/5/2011




Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário