A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ricardo Teixeira // Em direcção ao horizonte

PILOTO FORMULA 1, engenheiro mecânico

Nasceu em Portugal, mas é filho de pais angolanos. Viveu a sua infância em Luanda. Aos 11 anos, de férias na cidade do Porto teve a sua primeira experiência com velocidade, numa pista de kart. Quinze anos depois é dos maiores orgulhos do nosso país. Ricardo Teixeira foi contratado pela Team Lotus para fazer parte dos seis pilotos que têm a missão de competir de forma afincada na edição 2011 da Fórmula 1.

Esteve em Luanda para uma breve temporada. “Vim redefinir estratégias, dar entrevistas e estar com a família e amigos”, frisou.
  • FORÇA DE VONTADE
  • Aos 16 anos começou a levar mais à sério o mundo da velocidade. “Descobri que era aquilo mesmo que eu queria”, disse-nos logo no início.
  • A primeira experiência foi no Campeonato Ibérico, em Espanha e depois passou para a Fórmula 3 Inglesa, com 17 anos. “Fui para a Inglaterra viver sozinho. Fiquei 9 meses sem ver os meus pais pois, na altura, eles tinham voltado para Angola. Foi uma época triste e tive que me empenhar para que tudo não fosse em vão”, explicou.
  • Ricardo foi fazer testes para várias equipas. Apesar do talento, não ter nenhuma marca a patrocina-lo na altura e não saber falar inglês pesaram contra o seu sucesso: “lembro que no princípio não falava e nem entendia nada do que eles me diziam. Graças a minha irmã, que serviu como minha intérprete por algum tempo, consegui estabelecer-me. Todas as equipas que contactei pediam um valor muito elevado e eu não tinha como pagar”.
  • Ficou a viver em casa da família de um técnico inglês que tinha uma pequena equipa, perto de Cambridge. Alternava o trabalho como ajudante na fábrica da equipa com os estudos. “Servia de piloto substituto da equipa também”, lembrou.

UM ANGOLANO NA FÓRMULA 1

Ricardo pertence a Team Lotus. A equipa que volta agora às grandes competições com nova roupagem, tem como pilotos principais Heikki Kovalainen e Jarno Trulli. Entre os quatro restantes, as funções estão divididas. Ricardo Teixeira, o primeiro angolano contratado por uma equipa de Fórmula 1 está como piloto de testes. 
PARCEIRA SONANGOL
Chegou a correr quatro vezes pela Rowan Racing, mas por falta de patrocinadores teve de parar. Nesta altura decidiu investir na sua formação em Engenharia Mecânica. Era bolseiro da Sonangol e foi daí que surgiu a parceria com a empresa. “Eles apostaram em mim, viram talento e perspectivas de crescimento”, disse.
PAGAR PARA CORRER
Todas as equipas que contactei pediam um valor muito elevado e eu não tinha como pagar.

Algo que muitas pessoas não sabem e que Ricardo Teixeira explicou, é como funciona a entrada dos pilotos nas equipas: “Os pilotos aparecem com os patrocínios que se revertem para a equipa. Vários aspectos são levados em conta, mas esse, o do financiamento, é dos mais importantes. Muitas vezes bons pilotos perdem grandes oportunidades por falta de patrocínios”.

O piloto da Team Lotus não quis divulgar quais saõ os valores envolvidos para a a contratação de um piloto, mas fala-se de contractos de milhões de dólares.
NO MEIO DOS GRANDES
Durante algum tempo, Ricardo foi piloto de desenvolvimento da Williams. “Fazia o trabalho na fábrica com o simulador virtual. Aproveitei para adquirir conhecimento com a equipa”, contou.

Foi ali onde surgiu a chance de participar do GP2 e na Fórmula 2. Criou uma empatia muito grande com o engenheiro com quem trabalhava e este apresentou-o a Mike Gascoyne, um dos melhores engenheiros da história da Fórmula 1. Gascoy foi convidado pelo multimilionário Tony Fernandes a ajuda-lo no seu ambicioso projecto de reavivar a Team Lotus. Para tal reuniu-se nomes como Heikki Kovalainen, Jarno Trulli, Luiz Razia, Karun Chandhok, Davide Valsecchi e... Ricardo Teixeira: “Lembro que o Mike ligou a dizer que não poderia trabalhar comigo onde eu estava pois tinha recebido uma outra proposta e, que, queria que eu fosse trabalhar com ele. Nem pensei duas vezes. No mesmo dia fui a fábrica da Team Lotus, que fica a sete horas de Oxford, na Inglaterra, onde eu estava na altura”.
TEAM LOTUS
Sou o primeiro piloto angolano a chegar lá e isso me traz muito orgulho e, só me dá vontade de me empenhar cada vez mais.

Tony Fernandes, um apaixonado pelo mundo do automobilismo, decidiu investir comprando os direitos da equipa e reformando-a. A Team Lotus tem como principais pilotos Heikki Kovalainen e Jarno Trulli. Dos outros quatro, dois fazem as corridas dos “treinos de sexta” (os primeiros), onde começam a ser definidas as condições do carro e as posições da corrida principal em detrimento dos tempos dos treinos gerais.

Ricardo Teixeira é piloto de testes nas corridas em pistas europeias. Testou o carro em Valência e Barcelona e, frisou: “é tudo que pensei e muito mais. A sensação de ver o carro evoluir dos 0 aos 320 km/h em menos de 10 segundos é indescritível”.
NOVAS REGRAS
Em relação s novas regras, o piloto explicou: “Alguns dizem que são mais perigosas, outros não. Por exemplo, agora, com a asa movível para trás é perigoso pois se trata de um sistema electrónico. Porém permite ao piloto atingir mais velocidade, o que um outro dinamismo a corrida. Incidentes acontecem e esperamos que as novas regras sirvam para facilitar e não complicar”.
O recomeço da lotus

Lotus ou Team Lotus é o nome de uma equipe de Fórmula 1 criada por Colin Chapman, que teria revolucionado a F1 por pelo menos duas vezes: uma delas foi com o desenvolvimento do carro-asa, que conquistou o Campeonato Mundial de 1978 com Mario Andretti.
Sua trajetória como equipe teve como ponto alto os anos 60 e 70.
Durante a metade final de década de 90 e até o fim da de 2000 dedicou-se à produção de carros desportivos.
Em 15 de Setembro de 2009 foi anunciada a sua volta às pistas de Fórmula 1, porém, trata-se de uma nova equipa malaia, que não tem nenhuma ligação direta com a antiga Lotus além de utilizar o nome. Tony Fernandes, chefe da actual equipa diz que a idéia é homenagear uma antiga equipa que fez muito pela categoria no passado.
ACIDENTE EM MARRAQUEXE
Em Maio do ano passado, Ricardo viveu um dos momentos mais tensos da sua pequena porém promissora carreira. Ainda como piloto na Fórmula 2, num dia de inspiração saiu do 19.º ao 5.ºlugar. Na segunda corrida, ao tentar ultrapassar um piloto, bateu na roda de trás do mesmo. Resultado: um acidente memorável e um dos vídeos mais vistos do YouTube em 2010.

“Levantei voo a 304 km/h praticamente, passei por cima de 5 carros, capotei, bati no muro, saiu um bocado de fogo do motor e eu sofri nada”, lembrou com um sorriso de alívio.
FORA DA PISTA
“Não sou muito calmo, sou tímido. Gosto de ouvir música e ir ao cinema. Adoro praticar desporto. Apesar de estar sempre ocupado com os treinos e corridas, sempre que posso vou a praia com os amigos. Gosto muito de jogar ténis. Gosto do Nadal, mas se for necessário apoio o Djokovic (risos), nunca o Federer”, contou. A sua paixão por desporto também abrange o futebol. É adepto do Manchester United, demonstra a sua paixão usando um relógio do famoso clube inglês.
Na Fórmula 1, confessa: “Apesar de não o ter conhecido, aprecio e muito tudo o que o falecido Ayrton Senna fez pelo automobilismo. Um grande piloto que merece sempre todas as honrarias possíveis”. No teste que fez em Barcelona viveu um dos melhores momentos da sua carreira até agora. “Vi o meu nome no mesmo ecrã que o do Schumacher e do Alonso. Nunca pensei que isso fosse acontecer, principalmente em relação ao Schumacher”, confessou.
Um dos maiores objectivos de Ricardo Teixeira é tornar-se piloto oficial ainda no próximo ano. “Reconheço em mim todas as qualidades necessárias. Agora que me foi dada a oportunidade, irei agarra-la com toda a força. Entre milhares de pilotos africanos a correrem, eu fui escolhido. Sou o primeiro piloto angolano a chegar lá e isso me traz muito orgulho e, só me dá vontade de me empenhar cada vez mais”, concluiu. 
PERFIL

  • Nome Completo: 
Ricardo Manuel 
Pinto Teixeira
  • Data de nascimento
: 02 de Agosto de 1984
  • Piloto: Eu
  • Revista que aprecia: Revista Vida
  • Livro de cabeceira: “Símbolo Perdido”, 
Dan Brown
  • Filme: Gladiador
  • Actor Preferido: 
Russel Crowe
  • Comida: Muamba de galinha com funje de milho
  • Citação: “O difícil demora tempo... O impossível só demora um bocado mais”



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário