Pesquisar neste blogue

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

a histria secreta da ideologia da unita

A história secreta da ideologia da Unita

03-03-2007 | Fonte: Semanário Angolense (James Kean* )
Embora Jonas Savimbi tenha cometido vários erros estratégicos, ideologicamente ele manteve uma certa coerência. A ideologia por que se guiava assentava nas linhas do «hino nacional da Unita» que fala da República Negro Africana e Socialista de Angola. 

Savimbi acreditou até ao fim da sua vida num nacionalismo africano e num socialismo baseado no centralismo do qual ele seria sempre o timoneiro. Internacionalmente, pelo menos a partir dos anos 80, Savimbi era visto como uma figura da direita, alguém que estaria inclinado para um certo liberalismo democrático e pelo mercado livre. Figuras de proa do Partido Republicano dos Estados Unidos como a falecida Jeane Kirkpatrick, que foi representante de Washington nas Nações Unidas, não se cansavam de elogiar Jonas Savimbi como um grande intelectual e líder da direita. Kirkpatrick foi, na administração Reagan, uma das figuras que mais se bateu contra o comunismo. 

Jornalistas ocidentais que acompanharam a sua vida, frequentes vezes perguntavam a Jonas Savimbi sobre a sua trajectória da Esquerda para a Direita. Invariavelmente, Savimbi respondia que enquanto jovem aderiu à Esquerda por ingenuidade. Já em idade adulta dizia que optou pela Direita por ser o caminho mais correcto. 

Na realidade, Savimbi nunca abandonou o marxismo ou maoísmo da sua juventude. No Centro de Estudos Kapesi Kafundanga (Cekk) - que levava o nome de guerra de Samuel Chingunji, o primeiro chefe de Estado-Maior da Unita e pai do actual ministro do Turismo, Eduardo Chingunji - as disciplinas de marxismo-leninismo e do maoísmo ocupavam lugares muito importantes na formação dos quadros políticos da organização. 

No Cekk, os formandos tinham que dominar um manual, escrito por Jonas Savimbi, designado Guia Prático do Quadro. Este manual era uma adaptação, feita pelo próprio autor, às condições angolanas, do famoso Livro Vermelho, de Mao Tse Tung.

Na ideologia de Jonas Savimbi, a guerra em Angola tinha pouco a ver com a luta contra o comunismo até porque ele idealizava a criação de uma ditadura, baseada na classe dos camponeses, que desembocaria no desaparecimento do Estado.

A teoria que se propagava no Cekk sustentava o argumento de que o Mpla era composto de pequeno burgueses que defendiam os seus interesses de classe. Os russos e cubanos, neste cenário, eram expansionistas cujo objectivo principal seria a exploração das riquezas angolanas. Neste sentido, eles faziam parte de um conluio para oprimirem os negros angolanos.

Segundo a filosofia de Savimbi, que se propagava no Cekk, o país ideal, com que sonhava, seria aquele liderado por uma elite, que ele identificava como a «escol». Essa elite, que ele concebia como politicamente firme e esclarecida – em outras palavras cegamente fiel ao líder máximo – teria, então, o papel de implementar os objectivos da revolução. 

No Cekk não se acreditava no mercado livre. Dizia-se que tal sistema permitia a existência da exploração do homem pelo homem e a apropriação da mais-valia. Nos territórios então controlados pela Unita a iniciativa privada não era admitida. Savimbi tinha um desprezo profundo por comerciantes.

Na Jamba nem toda gente concordava com a filosofia do Savimbi. Os velhos, idos das várias missões evangélicas do Planalto Central, boa parte deles progenitores de parte significativa da elite política e militar da Unita, contestavam claramente o ateísmo de Jonas Savimbi. 

Segundo Fred Brigland, biógrafo de Savimbi que depois se tornou seu inimigo, o então presidente da Unita ordenou a morte de Jonatão Chingunji – uma figura de renome no Planalto Central – porque ele não concordava com a falta de moral na conduta de Jonas Savimbi. 

Nos territórios controlados pela Unita, Savimbi pretendia criar um mundo com uma outra moral e ética. Nas sociedades mais avançadas, dizia Savimbi, o amor era político. De acordo com o raciocínio de Savimbi, para serem ideais, as relações humanas teriam que ser determinadas pela conveniência política. Um reaccionário – alguém que fosse hostil ao líder máximo, por exemplo – tinha que ser evitado, mesmo pelos seus íntimos. Os religiosos, por seu lado, discordavam desta moral. E isso custava-lhes, não raras vezes, punições muito severas. 

É curioso que, em tudo isso, Savimbi manteve boas relações com a igreja Católica. Para isso, foi seguramente determinante o papel – que Savimbi apreciava bastante - que os padres tinham na formação de quadros nos vários liceus controlados pela Unita e também porque ele admirava a sua formação académica. Savimbi nunca se cansava de repetir que os padres tinham melhor formação do que os pastores das igrejas evangélicas. Alguns desses padres ousavam mesmo questionar a ética da sua conduta pessoal. 

Havia, também, vários intelectuais que não estavam plenamente de acordo com o maoísmo de Savimbi. Na filosofia de Jonas Savimbi, não se permitia o debate ou exploração de ideias. Houve um episódio, no Cekk, que se tornou célebre: num exame final, um quadro, de uma certa idade, citou Platão na prova oral. Jonas Savimbi ficou tão furioso ao ponto de dizer ao examinado que a Filosofia que aprendeu no 7º Ano não tinha qualquer valor. Obviamente esse aluno foi reprovado, ao passo que os jovens camponeses, que regurgitaram servilmente o Guia Pratico do Quadro dispensaram com as maiores notas. 

Mesmo na Jamba, muitos dos mais bem preparados quadros seniores da Unita já questionavam, em privado, a integridade intelectual do líder máximo. Jonas Savimbi era um verdadeiro bibliófilo, que «devorava» tudo em francês, inglês e português. Há quem diga que entendia, também, alemão. Só que ao discursar perante os quadros, Savimbi exprimia ideais sem citar as suas origens. E muitos dos quadros, que também liam muito, apercebiam-se dessa desonestidade intelectual. Alguns desses comentários, feitos obviamente em privado, chegavam, inevitavelmente, ao conhecimento de Savimbi através das várias redes de recolha de informações que ele tinha disseminado na Unita.

Mas como é que a Unita, uma organização internacionalmente conhecida como sendo de Direita, consegui disfarçar o facto de que, internamente, o que se propagava era o Maoísmo e o Leninismo? A Unita foi, durante muitos anos, uma organização fechada, uma espécie de Coreia do Norte. Apenas alguns dos seus quadros, da absoluta confiança de Savimbi, eram autorizados a viajar para o exterior. Mesmo esses, contudo, não viajavam sozinhos. Tinham sempre alguém a acompanhá-los em todas as reuniões que tivessem. Por sua vez, os estrangeiros que visitavam a Jamba e outras localidades tinham os passos apertadamente vigiados por indivíduos ligados aos diversos serviços de inteligência da Unita. Todas as conversas e opiniões que tivessem eram prontamente reportadas em relatórios ao próprio Savimbi.

Jonas Savimbi era, também, um mestre de encenações. Em 1985 houve, na Jamba, uma conferência que reuniu vários movimentos que lutavam contra o comunismo no mundo. Os habitantes da Jamba viram representantes do Afeganistão a verberarem apaixonadamente a presença soviética no seu país. Várias entidades da América Latina – incluindo a Nicarágua – louvaram Jonas Savimbi por ser um grande lutador contra o comunismo. Porém, logo que aqueles anticomunistas partiram, Savimbi chamou os seus apoiantes para dizer-lhes que todos os que tinham acabado de partir eram uma corja de reaccionários. Savimbi criticou, em particular, o representante de um movimento anti-Castro que tinha ligações muito fortes com a Coca-Cola. 

E como é que este «revolucionário» de ocasião justificava a sua aliança com movimentos que ele, em privado, tratava com desdém? Um dos termos que Savimbi usava com muita frequência – adquirido do Mao Tse Tung – era «frente unida». 

Savimbi dizia repetidamente que entre 1937 a 1945, o Partido comunista Chinês fez uma aliança com os nacionalistas de Chiang Kai- Shek para resistir à invasão japonesa. Ele dizia que todas as aliançais que a Unita fazia – incluindo com o regime racista da África do Sul – poderiam ser enquadradas neste âmbito. Segundo ele, o que estava em causa era a pátria e para a sua defesa poderia pactuar-se mesmo com o próprio diabo. 

Além de Mao Tse Tung, Savimbi tinha uma profunda admiração por Joseph Vissarionovich Dzhugashvili, mais conhecido como Estaline. Em várias palestras no Cekk, Savimbi disse aos quadros que a críticas a Estaline não eram justas porque para a implantação do comunismo na União Soviética era indispensável liquidar os pequenos burgueses e agricultores que se ainda se mantinham fieis ao sistema czarista. Savimbi admirava a severidade de Estaline. Quando, em 1986, Mikhael Gorbachev começou a falar de glasnost – e alguns intelectuais na Jamba disseram que deveria, também, acontecer o mesmo na Unita, Savimbi reagiu com a inclemência de sempre: muitos desses intelectuais foram parar à cadeia e outros foram mortos.

Nos anos 70, Jonas Savimbi apresentava-se como um nacionalista africano e exaltava a teoria da negritude que foi articulada pelo antigo Presidente do Senegal, Leopold Sedar Senghor. Savimbi era um confesso admirador de Senghor que, além de ser membro da Academia Francesa era, igualmente, um notável poeta. 

Numa entrevista que deu em 1979, por exemplo, Jonas Savimbi exaltava o Festival da Cultura Africana que foi realizado na Nigéria, em 1977. Savimbi falava, então, da afirmação da cultura africana e do homem negro. Em muitos corredores da África Ocidental este discurso teve uma enorme repercussão e rendeu a Savimbi muita simpatia já que ele apresentava a sua luta como sendo uma resistência africana contra a imposição de culturas alheias ao continente. Para os quadros da Unita no Cekk, Savimbi utilizava o tema da negritude para dar ênfase à noção de uma luta de classes. Ele falava reiteradamente da coesão entre os mestiços do Mpla.

No Cekk, Jonas Savimbi permitia-se mesmo ficar uma tarde inteira a falar sobre Lúcio Lara, Paulo Jorge e outros mestiços do Mpla. O líder da Unita nutria algum respeito intelectual por Lúcio Lara, embora o apresentasse sempre como defensor dos interesses dos brancos e mestiços. Numa inesquecível palestra, Savimbi discursou durante horas contra Ruth Lara, a esposa de Lara, que, segundo ele, era uma judia alemã que não merecia tanto poder em Angola. Savimbi argumentava que os negros em Angola eram dominados porque não eram coesos como os mestiços. 

Savimbi dizia aos quadros do Cekk que a Unita estava a enfrentar um grupo em Luanda que utilizava um discurso marxista para disfarçar a defesa dos seus interesses de classe.

Um dos temas favoritos de Jonas Savimbi era a revolução do Haiti em que, de 1791 a 1804, os escravos negros revoltaram-se contra os franceses para construírem a primeira república negra na história do mundo. Afirmava sempre que a revolução haitiana falhou porque os mulatos tomaram o poder em detrimento dos negros. Savimbi via muitos paralelos entre o Haiti e Angola.

Nos territórios dominados pela Unita houve momentos em que Jonas Savimbi tinha o controlo absoluto de tudo que eram ideias. Mas isto não foi sempre assim. Nos fins dos anos 70, quando a Unita foi para as matas, a sua liderança era colectiva: naquela altura às activistas políticas era permitido elogiarem as qualidades morais e também físicas de indivíduos como o comandante Samuel Chiwale, Nzau Puna ou Waldemar Pires Chindondo, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Unita. 

Em 1978, Tito Chingunji, que foi assassinado por Savimbi, fez uma digressão pela China. No seu regresso, ele começou a falar de «pureza ideológica». Rapidamente surgiram vozes a sugerir que Tito Chingunji estaria a ser teleguiado. Diz-se que tais vozes teriam sido encorajadas pelo próprio Savimbi que queria acabar com os vários pólos de influência que supostamente existiam na Unita. Teria sido o mesmo Savimbi que incentivou uma grande purga para livrar-se de rivais e gente cuja disposição ideológica não coincidia com a dele. Foi neste tempo que figuras como Jorge Ornelas Sangumba, que estudou Ciências Política na Universidade de Nova Iorque, desapareceram. 

Depois dos Acordos de Bicesse, em 1991, Jonas Savimbi perdeu o controlo absoluto dos seus quadros já que muitos deles tomaram contacto com outras realidades, nomeadamente às dos grandes centros urbanos do país.

Embora falasse de democracia, nos seus discursos da campanha eleitoral de 1992, Savimbi já não convencia muitos dos seus quadros. Aqueles que estudaram no Cekk suspeitavam que, depois da tomada do poder, o velho continuaria com o seu grande projecto maoísta. 

*Académico, especialista em Assuntos Africanos
Enviar um comentário

Nuvem

Angola na Imprensa (1772) música (399) jornais (325) Ágora (247) livros (233) F.Pereira (221) Historia de Angola (221) pintura (210) opinião (206) cultura (190) Luanda (116) desporto (114) fotografia (105) Território (74) literatura (73) africa (64) vídeo (64) culinária (60) Angola (55) Saúde (55) arte (55) escritores (55) reconstrução (54) Fauna (52) arquitectura (52) humor (51) personalidades (50) reciclagem (50) partidos políticos (49) turismo (49) Namibe (48) CAN2010 (47) futebol (46) energia (44) Luis Sá Silva (43) publicidade (43) Filatelia (42) Gastronomia Angola (42) Poesia (42) Cinema (41) economia (41) automobilismo (40) fotos (40) LAC (39) gastronomia angolana (37) sociologia (37) musica (36) Luanda Antena Comercial (35) POLITICA (34) valdemaribeiro (34) eleições (33) ensaios (32) Construção (31) visitando blogues (29) 95.5 (28) Elinga Teatro (28) informação (27) Girabola (26) eleições 2012 (26) Podcast (25) dança (25) Lubango (24) automóveis (24) blogs (24) teatro (24) Companhia de Dança Contemporânea de Angola (23) imprensa (23) política (23) basquetebol (22) bonecas (22) futebol angolano (22) rádio (22) CDC (21) cronicas . ensaios (21) sabores (21) Angola em fotos (20) Natal (20) Ondjaki (20) educação (19) notícias (19) eventos (18) frutas (18) Huambo (17) artesanato (17) cronicas (17) Benguela (16) GP3 (16) debate político (16) festas (16) Cozinha Angolana (15) Independência (15) Lobito (15) Parques Naturais (15) Presidente José Eduardo dos Santos (15) Sala de Música (15) curiosidades (15) receitas (15) Agostinho Neto (14) CASA-CE (14) EDUCAÇAO (14) entrevista (14) fotos antigas (14) Bloco Democrático (13) Companhaia de Dança (13) Rui Ramos (13) animais de Angola (13) 4 de Fevereiro (12) Angola descrita (12) Angola-Brasil (12) F.Quelhas (12) José Mena Abrantes (12) Solidariedade (12) comércio (12) memória (12) texto de leitor (12) viagens (12) áudio (12) Afrikya (11) Cabinda (11) Huila (11) José Rodrigues (11) Rádios Angolanas (11) agenda cultural (11) ambiente (11) ciência (11) escravatura (11) flora (11) kuduro (11) pessoas (11) 27 de Maio (10) Comentário (10) Jazz (10) Paulo Flores (10) Ruy Duarte de Carvalho (10) afrobasket (10) aniversário (10) escultura (10) estórias (10) exposição (10) futuro (10) geografia (10) malária (10) população (10) postais (10) povos (10) prémios (10) taag (10) unita (10) Huíla (9) Mateus Gonçalves (9) Palancas Negras (9) cplp (9) paludismo (9) pobreza (9) CAN2008 (8) Café da Manhã (8) Carnaval (8) Jorge António (8) Marcolino Moco (8) Pepetela (8) SOCIOLOGIA POLÍTICA (8) Sérgio Conceição (8) baía de Luanda (8) comboio (8) feriados (8) gentes (8) património (8) selecção de Angola (8) transporte (8) viagens no tempo (8) Festas do Mar (7) João Melo (7) Luandino Vieira (7) Malange (7) O País (7) Rui Mingas (7) SIDA (7) efemérides (7) ensino (7) falecimento (7) festival de teatro (7) heróis (7) percussão (7) Abel Chivukuvuku (6) Bom Dia - Bom dia (6) CAN2012 (6) Casa de Angola (6) Hóquei (6) Luisa Fançony (6) MPLA (6) ajuda (6) andebol (6) campanha eleitoral (6) chuva (6) colecção cartazes (6) filme (6) moda (6) sociedade (6) 25 de Abril (5) 4ª Conferência sobre Mulher e Desporto (5) Cartoon (5) Chá de Caxinde (5) Eleições em Notícia (5) FILDA (5) Luena (5) Mário Pinto de Andrade (5) Nelson Mandela (5) antiguidades (5) caminhos de ferro (5) contos (5) convite (5) crianças (5) cultos (5) desenho (5) dia de África (5) diversão (5) documentos (5) estradas (5) liberdade (5) lusofonia (5) moeda (5) o nosso Povo (5) petróleo (5) televisão (5) valdemar ribeiro (5) A Escola da Música (4) A Guerra (4) ADRA (4) Adams Kiluanji Smiths (4) Ana Clara Guerra Marques (4) André Mingas (4) Brasil (4) CFB (4) Capas de singles angolanos (4) Comemorações da Independência de Angola (4) Constituição (4) Diplomáticos (4) Duo Ouro Negro (4) Elias Dya Kimwezo (4) Expo 2010 (4) Fundação Sindika Dokolo (4) IIº Festival Internacional de Teatro e Artes (4) Jornal de Angola (4) Mulheres de Angola (4) N'gola Ritmos (4) Okutiuka (4) Ouvir Angola (4) Paulo Jorge (4) Pensar e Falar Angola (4) Raul do Rosário (4) Saurimo (4) Sónia Ferreira (4) Trincheira Firme (4) agricultura (4) arquitectura popular (4) colares (4) corrupção (4) desportos (4) ecologia (4) etnografia (4) hoquei em Patins (4) internet (4) media (4) medicina (4) trabalho (4) tradição (4) urbanismo (4) África (4) Ana Paula Tavares (3) António Jacinto (3) Baía dos Tigres (3) Caminhos de Ferro de Moçâmedes (3) Catumbela (3) Cuito Cuanavale (3) Denudado (3) Dia Mundial da Dança (3) Dia da Mulher (3) Dia do Herói Nacional (3) Ernesto Lara Filho (3) Filipe Mukenga (3) Homenagem (3) INFRAESTRUTURAS (3) Interclube (3) Investimentos (3) Jogos Olímpicos (3) Jorge Kalukembe (3) José Eduardo Agualusa (3) Justino Pinto de Andrade (3) Kudijimbe (3) Lino Damião (3) Manifesto (3) Manuel Victória Pereira (3) Mosquito (3) Mundial de Hóquei (3) Mário Tendinha (3) Patrício Batsîkama (3) Paulo Araujo (3) Pedroto (3) Prémio Maboque (3) Pérolas (3) Ricardo Teixeira (3) Rock Angolano (3) Teta Lando (3) Universidade (3) Yuri da Cunha (3) adivinhas (3) autores (3) candomblé (3) cidadania (3) coleccionismo (3) comunicação (3) conhecimento (3) conselhos (3) curso (3) david oliveira (3) democracia (3) deputados (3) desastre (3) desenvolvimento (3) design textil (3) dia da Independência (3) e-mail (3) elinga (3) empreendorismo (3) empresa (3) engenharia (3) estatística (3) estudantes (3) exportação (3) formação (3) globalização (3) governo (3) história natural (3) ideias (3) imobiliário (3) indústria (3) jornalismo (3) kuanza-Sul (3) legislação (3) lingua portuguesa (3) linguas (3) livro (3) mel gambôa (3) negritude (3) poesia lusófona (3) polícia (3) rios (3) ||| Trienal de Luanda (3) 11 de Novembro (2) 1º de Maio (2) 3º ano (2) A Matéria do Tempo (2) Agostinho André Mendes de Carvalho (2) Agualusa (2) Andulo (2) Angola no Afrobasket2013 (2) António Ole (2) Arlindo Barbeitos (2) Assembleia Nacional (2) BD (2) Beatriz Salucombo (2) Belita Palma (2) Bonga (2) Bonga Kwenda (2) CHAN (2) CUBE RECORDS (2) Café Negro (2) Cambambe (2) Campeonato do Mundo de Hóquei (2) Cangandala (2) Caála (2) Comissão Nacional Eleitoral (2) Correia Adão (2) Cuca (2) DTA (2) Divagações (2) Dog (2) Dog Murras (2) Don Sebas (2) Elinga Bar (2) Encontro (2) Estudos Angolanos (2) Estúdio de Actores (2) FAO (2) FBaião (2) FIC (2) FLEC (2) Festival Internacional de Jazz (2) Festival Internacional de Rock do Huambo (2) Festival de Cinema (2) Filipe Zau (2) Formula 3 (2) Fortaleza de Luanda (2) Fotografias (2) Fotografias de Angola (2) Francisco Vidal (2) Gustavo Costa (2) Helena Justino (2) Helena Magalhães (2) Hospital Pediátrico David Bernardino (2) Isabel dos Santos (2) Januário Jano (2) João Arrmando (2) João Baptista Vieira Lopes (2) Kilamba (2) Kuanza (2) Kwanza Norte (2) Leba (2) Lev'Arte (2) Luís Damião (2) Lúcio Lara (2) Mampuya (2) Mangovo (2) Manifestações (2) Manuel Rui (2) Manuel Ruy Monteiro (2) Margarida Paredes (2) Mbanza Congo (2) Mia Couto (2) Micaela Reis (2) MinhaAngola (2) Monza (2) Mucuio (2) Museu de História Natural (2) Nara (2) Nelo Teixeira (2) Neves e Sousa (2) O Blog Realmente Aberto (2) Online (2) Palácio de Ferro (2) Papa Bento XVI (2) Paulo Jazz (2) Paulo de Carvalho (2) Pedras Negras (2) Prémio Nacional da Cultura (2) Reacreativo do Libolo (2) Recordações (2) Reginaldo Silva (2) René Pélissier (2) Roderick Nehone (2) Rosa Coutinho (2) Rádio Ecclesia (2) SIEXPO (2) Sabby (2) Salvador Correia (2) Samakuva (2) Sambizanga (2) Savimbi (2) Sonangol (2) Sumbe (2) TPA Internacional (2) Tchokwé (2) Terra (2) Tio Liceu (2) Togo (2) Tonspi (2) Uíge (2) Valdemar Bastos (2) Viriato da Cruz (2) Visita de Estado (2) Viteix (2) Yaru Cândido (2) advogados (2) alimentação (2) angolanidade (2) antropologia (2) artes plásticas (2) aviação (2) bebidas (2) biodiversidade (2) ciclismo (2) cidades (2) colóquios (2) contestação (2) direitos e deveres (2) divulgação (2) educ'arte (2) escola (2) espectaculo (2) feira (2) fim de ano (2) fome (2) governação (2) herois (2) hino (2) instrumentos (2) kimalanga (2) kizomba (2) legislativas (2) leis (2) marginal (2) negócios (2) pensamentos (2) pesca (2) provérbio (2) racismo (2) religião (2) reportagem (2) resultados eleitorais (2) revistas (2) toponimia (2) transporte aéreo (2) trânsito (2) vias de comunicação (2) vistos (2) Álvaro Macieira (2) óbitos (2)  Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) "O Ocaso dos Pirilampos". (1) 04 de Abril (1) 1 de Maio (1) 15 de Março (1) 1º de Agosto (1) 2006 (1) 2008 (1) 2011 (1) 2012 (1) 2014 (1) 95 (1) A Poesia Angolana noa Caminho Doloroso da História (1) A Orfã do Rei (1) A Safra (1) ANGOLATELECOM (1) Acordos Luso-Angolanos (1) Acordos de Paz de Bicesse (1) Actores (1) Acácio Barradas (1) Adolfo Maria (1) Adriano B. de Vasconcelos (1) Adriano Botelho de Vasconcelos (1) Adriano Mixinge (1) Adriano Sebastião (1) Aeroporto Internacional de Luanda (1) Afrologia (1) Alda Lara (1) Alda do Espírito Santo (1) Alfabetização (1) Aline Frazão (1) Allende (1) Ana Dias Lourenço (1) Ana Paula dos Santos (1) Angola 74 (1) Angola Avante (1) Angola Rural (1) Angola e NBA (1) Angolares (1) Animação (1) António Kassoma (1) António Magina (1) António dos Santos (1) Anália de Victória Pereira (1) Apartheid (1) Apostolado (1) Artur Nunes (1) Assassinato (1) Associação 25 de Abril (1) Associação Kalu (1) Autódromo (1) Bahia (1) Baixa de Cassange (1) Banda (1) Banda Desenhada (1) Banda Maravilha (1) Before Crush (1) Benfica (1) Bienal (1) Bilhete de Identidade (1) Bimbe (1) Bié (1) Black Soul (1) Boas Fertas (1) Bruno M (1) COI (1) COSISA (1) CPJ (1) CRONICAS ENSAIOS (1) Cabo Ledo (1) Caleidoscópio (1) Calos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Cangola (1) Caotinha (1) Carlos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Carlos Ferreira (1) Carlos Ferreirinha (1) Carlos Morais (1) Carteira do Artista (1) Casa 70 (1) Casa do Gaiato (1) Casa do Gaiato de Benguela (1) Cavaqueira no Poste (1) Cesaire (1) Cesária Évora (1) Chia KMK (1) Chibia (1) Chiwale (1) Cinema Atlântico (1) Comité Olímpico (1) Companhia de Teatro Dadaísmo (1) Companhia de Teatro Gente (1) Concurso literário (1) Congresso (1) Cooperação Luso Angolana (1) Corte-Real Pereira (1) Costa Andrade (1) Cuba (1) Cubal (1) Cunene (1) Cónego Manuel das Neves (1) DNIC (1) Dalila Cabrita (1) David Zé (1) Death Metal Angola (1) Demósthenes (1) Dharmasena Pathiraja (1) Dharmasena Pathirajad (1) Dia da Mulher Africana (1) Dia de Camões (1) Dia internacional da Criança (1) Direitos Humanos (1) Direitos de autor (1) Discurso do Presidente Agostinho Neto (1) Dondo (1) Doutoramento (1) Drepanocitose (1) Duarte Ferreira (1) EXPO 2012 (1) Edgardo Xavier (1) Edite Soeiro (1) Eduarda Andrino (1) Eiffel (1) Embaixada de Angola em Portugal (1) Embaixador (1) Eng. Fernando Falcão (1) Espaço SIEXPO (1) Estórias de Angola (1) Etel Ferrão (1) Eugénio Costa Almeida (1) ExameAngola (1) Expo 2008 (1) FAA (1) FC Bravos do Maquis (1) FIL (1) FNLA (1) Fernando Baião (1) Fernando Laidley (1) Fernando Pacheco (1) Fernando Tavares Pimenta (1) Festival da Canção (1) Filhos da Pátria (1) Flávio Ferrão (1) Ford (1) Forum Angolanao (1) Força aérea (1) Fragata de Morais (1) Francisco Costa Andrade (1) Frases (1) Frei João Domingos (1) Frutos de Angola (1) Fundo de Solidariedade Lwini (1) Fátima Roque (1) Gabela (1) Gana (1) Gari Sinedima (1) Gastronomia Angolana (1) General Pakas (1) Graciano António Manuel Kalukango (1) Granito (1) Grupo Lareira (1) Grupo Pitabel (1) Grupo de Reflexão da Sociedade Civil de Angola (1) Guiné-Bissau (1) Gustave (1) Gustavo da Conceição (1) Gás (1) H (1) Helder Mendes (1) Henrique Artes (1) Herberto Helder (1) Hinos partidários (1) Holden Roberto (1) INESAAODH (1) INOVAR (1) Icolo e Bengo (1) Imbondeiro (1) Inocência Mata (1) Inscrições (1) Iraldo (1) Irina Vasconcelos (1) Isaura Maria da Conceição Epanda (1) Ismael Mateus (1) J.M.Coetzee (1) Jacinto Lemos (1) Jandira Sassingui (1) Jeremy Xido (1) Jerónimo Belo (1) Joaquim Furtado (1) Jodi Burch (1) Jomo Fortunato (1) Jonh Bela (1) Jordi Galcerán (1) Jorge De Palma (1) José Chaves (1) José Luis Mendonça (1) José Marcos Mavungo (1) José Maria Chaves (1) José Redinha (1) João Jorge Xavier (1) João Kassinda (1) João Soares (1) Kalandula (1) Kalumba (1) Kambumbe Lodje (1) Kandjila (1) Kaparandanda (1) Kate Hama (1) Kifangondo (1) Kiluanji Kia Henda (1) Kinaxixe (1) Kito Kimbenze (1) KuBass (1) Kuduro International Conference (1) Kwanza (1) LODGE (1) Lambarena (1) Leonor Figueiredo (1) Levy César Marcelino (1) Lilly Tchiumba (1) Lito Vidigal (1) Loanda (1) Luanary (1) Luanda Maputo (1) Luciano António (1) Lucira (1) Lugares (1) Luis Fernando (1) Luis Rosa Lopes (1) Lulendo (1) Lunda (1) Luz Veio (1) Luís Fernando (1) M'pty Head (1) MOVICEL (1) Maianga (1) Mano a Mano Produções (1) Manucho (1) Manuel Agostinho Salvador Ribeiro (1) Manuel Ennes Ferreira (1) Mara Dalva (1) Mara Manuela Cristina Ananaz (1) Maria Esperança Pascoal (1) Maria Mambo Café (1) Maria Rita (1) Massalo (1) Matála (1) Mayamba Editora (1) Memória de uma alcoólica (1) Menha Ma Zumbi (1) Menongue (1) Mestre Humberto (1) Miguel Anacoreta Correia (1) Miguel Barros (1) Miguel Zenón Quartet (1) Ministros de Angola (1) Miss Angola 2007 (1) Miss Mundo (1) Miss World (1) Monami (1) Morro Maluco (1) Morro da Luz (1) Morro da Maianga (1) Movimento Estudantil Angolano (1) Movimento X (1) Moçambique (1) Muanamosi Matumona (1) Mucubais (1) Mulher Desporto África 2008 (1) Murras (1) Museu Nacional de História Natural (1) Musongué da Tradição (1) Mutamba (1) Mário Guerra (1) MárioPalma (1) NASCAR (1) NEBLINA (1) Nastio (1) Ngolamirrors (1) Nito Alves (1) Njinga Rainha de Angola (1) Nossangola (1) Nzila (1) Nástio (1) Nástio Mosquito (1) O Moringue (1) O Método de Groholm (1) O Preço do Fato (1) O Rock Lalimwe Eteke Ifa (1) O Submarino Angolano (1) ONG (1) ONU (1) Orfanato (1) Orlando Sérgio (1) Ortopedia (1) Os Lambas (1) Ottoniela Bezerra (1) PENSAMENTO (1) PTNETangola (1) Pangueia Editora (1) Parlamento (1) Pauko Flores . música (1) Paulo Araújo (1) Paulo Capela (1) Paulo Kussy (1) Pedrito do Bié (1) Pedro Pinote (1) Petro (1) Photosynth (1) Processo dos 50 (1) Projecto Perpetuar (1) Prémio José Saramago (1) Quarta-feira (1) Quimbele (1) Quitexe (1) RNA (1) Rafael Marques (1) Raid Cacimbo (1) Raid TT (1) Rainha Ginga (1) Rainha Nzinga (1) Raul David (1) Recreativo da Caála (1) Ricardo Abreu (1) Rio Kuanza (1) Ritmo e Cultura (1) Robert Hudson (1) Roberto Ivens (1) Rocha Pinto (1) Rodrigues Vaz (1) Romi Anauel (1) Ruca Van-Dúnem (1) Rui Almeida (1) Rui Costa (1) Rui Monteiro (1) Rui Tavares (1) Ryszard Kapuscinski (1) Rádio Luanda (1) S.Tomé e Príncipe (1) SISTEC (1) Samba (1) Santocas (1) Sexta-feira (1) Silerstone (1) Silverstone (1) Simão Toco (1) Sita Valles (1) Slide de fotografias (1) Soyo (1) Suzana Inglês (1) Sérgio Guerra (1) Sérgio Mabombo (1) TEDxLuanda (1) Taekwondo (1) Tantã Cultural (1) Tchivinguiro (1) Terra dos Sonhos (1) Toke (1) Tomaz Jorge (1) Toty Semedo (1) Traumatologia (1) Tribunal de Contas (1) Trienal de Luanda (1) Tv (1) TvZimbo (1) Té Macedo (1) Tômbwa (1) UEA (1) UNITEL (1) União de Escritores Angolanos (1) Urbano de Castro (1) VIH/SIDA (1) VUM-VUM KAMUSASADI (1) Victor Gama (1) Vítor Burity da Silva (1) Waldemar Bastos (1) Welwitschia Mirabilis (1) Wilker Flores (1) Xadrez (1) Xá de Caxinde (1) Yonamine Miguel (1) You Failed... Now We Rule!!! A Nossa Vez!!! (1) Zeca Moreno (1) Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) abacate (1) acidentes (1) acordo ortográfico (1) agradecimento (1) alambamento (1) alfandega (1) angolano lá fora (1) antologia poetica (1) anuncio (1) anúncio (1) arbitrariedade (1) baleia (1) bancos (1) bandeira (1) barack obama (1) baía (1) biblioteca (1) bicicleta (1) borboletas (1) brancos (1) cacusso (1) capacitação (1) carta aberta (1) casamento (1) cerâmica (1) cine art angola (1) clima (1) cogumelos (1) combustível (1) comemorações (1) comunidades (1) concertos musicais (1) concurso fotografia (1) contador (1) contrafacção (1) convívio (1) cooperação desportiva (1) crónicas (1) cursos (1) desalojados (1) desarmamento (1) descolonização (1) desgraça (1) design grafico (1) desporto paralímpico (1) dia do pai (1) dimantes (1) dinheiro (1) doclisboa 2012 (1) doença do sono (1) dvd (1) e--books (1) emprego (1) encontro mulheres angolana (1) escr (1) estorieta (1) explicação (1) expressão dramática (1) f (1) facebook (1) famílias (1) feira do Livro (1) feminismo (1) feministas (1) ficção (1) fiscalidade (1) floresta (1) fm (1) fábulas (1) férias (1) gora (1) graffiti (1) história Angola (1) hobby (1) humor angolano (1) idolos (1) igreja (1) iniciativa (1) intercâmbio (1) interrupção (1) investigação (1) jindungo (1) jo (1) justiça (1) juventude (1) kalulu (1) kamussekele (1) kassekele (1) kimbos (1) kit surf em Angola (1) leitura (1) lendas (1) luto (1) línguas nacionais (1) militares (1) minas (1) minas de prata (1) miss Universo (1) modernização (1) mosca tsé-tsé (1) motas (1) muamba (1) música. fotos antigas (1) narrativa (1) natação (1) nação negra (1) negros (1) néo-liberalismo (1) o mundo (1) off-road (1) parabens (1) passados. estórias (1) passatempo (1) pecuária (1) pensar (1) perdidos e achados (1) piri-piri (1) poe (1) porto de Luanda (1) povo (1) primeira-dama de Angola (1) prisões (1) prédio Cuca (1) qualificação das pessoas (1) ra (1) raça (1) recuperação (1) refugiados (1) registo eleitoral (1) renovação (1) repatriamento (1) restaurantes (1) san (1) segurança (1) sem etiqueta (1) seminário (1) soberania (1) surf em Angola (1) taxis (1) telecomunicações (1) todo o terreno (1) tragedia (1) tripanossomíase (1) turtulhos (1) twitter (1) técnica (1) um livro. solidariedade (1) valdemar F. Ribeiro (1) vfr (1) vigarices (1) violência (1) voz (1) youTube (1) «ANGOLA: A TERCEIRA ALTERNATIVA» (1) Álvaro Ascenso (1) Álvaro Mateus (1) Óscar Ribas (1) ética (1) ídolos (1)