A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Figuras Históricas de Angola Lúcio Lara

por: David Pedro



Lúcio Lara
Data de nascimento: 9 de Abril de 1929
Naturalidade: Huambo
Lúcio Rodrigo Leite Barreto de Lara
Lúcio Lara, ou Tchiweka (pseudónimo de guerra escolhido por Lara em homenagem à terra da sua mãe, (sendo Tchiweka o nome da aldeia de origem da mãe) nasceu no Huambo em 09 de Abril de 1929. Era o filho de um comerciante e funcionário público.
Tendo terminado os estudos secundários no Huambo e Lubango, partiu para Portugal para prosseguir estudos em Química e Física na Faculdades de Ciências da Universidade de Coimbra e em Lisboa. Em 1949, na Casa dos Estudantes do Império, iniciou as suas atividades políticas e fez parte da direcção da “casa” em Coimbra. Ele fazia também parte do Clube Marítimo Africano, em Lisboa, com Agostinho Neto, Humberto Machado, Zito Van-Dúnem e outros nacionalistas das colónias portuguesas, clube que na década de 1950 desempenhou um papel significativo na mobilização dos naturais das colónias e na circulação de informações e documentos.
Como um dos fundadores do MAC (Movimento Anti-Colonialista / Movimento Anti-Colonial), que também incluiu Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Mário de Andrade, Noémia de Sousa, Humberto Machado e Eduardo dos Santos, entre outros, Lara dedicou-se ainda mais à actividade política.
Em Março de 1959 foi forçado a sair de Portugal para escapar à prisão, encontrando refúgio na Alemanha. Depois disso, participou na Conferência de Tunis em Janeiro de 1960 como representante do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola / Movimento Popular para a Libertação de Angola) e a recém-criada FRAIN (Frente Revolucionária Africana para a Independência Nacional).
Depois de uma estada em Casablanca em 1960, Lara estabeleceu-se em Conakry para constituir o primeiro Comité Central do MPLA no exterior de Angola.
Lúcio Lara foi o principal artesão do restabelecimento dos contactos entre o MPLA no exterior (Conackry) e o pequeno núcleo de militantes agrupados no seio do MINA (Movimento pela Independência Nacional de Angola), os quais tinham escapado à vaga de prisões dos nacionalistas em 1959, em Luanda.
Entretanto, Neto tinha acabado o curso de medicina em Lisboa e regressado à sua terra natal. Na altura em que Lúcio pousa o pé em terra africana, em Tunes o seu alter-ego Agostinho Neto também pisa o solo angolano, após uma dezena de anos de ausência mas de intensa actividade política e cultural que lhe granjearam um grande carisma. Presente em todas actividades africanas e nacionalistas em Portugal, Agostinho Neto soube imprimir uma dimensão histórica à tomada de consciência de todos os jovens africanos. O retorno à terra natal revelou um acto de grande coragem moral e física. Em princípios de 1960, Neto aceita o convite feito pelos jovens nacionalistas do MINA não só para corrigir dois panfletos mas também para integrar o grupo do MINA. Em Março desse ano, Pedro Pacavira é enviado pela Direcção do MINA a Brazzaville para se encontrar com Lúcio Lara, portador de directrizes dos dirigentes do MPLA, sediados em Conackry.
De regresso a Luanda, em Maio de 1960, Pacavira transmite ao grupo do MINA informações sobre a criação do MPLA na Conferencia de Tunes, os objectivos da Direcção Provisória, os projectos para se transferirem para Leopoldville , assim como a directriz indicando a Agostinho Neto
A necessidade de unificação dos movimentos nacionalistas em Luanda, os quais deveriam passar a utilizar o nome de Movimento Popular de Libertação de Angola, pois que ele (Lúcio Lara), Viriato e Mário estavam a representar no estrangeiro o M.P.L.A. e era necessário que tal “Movimento” existisse (no interior de Angola.
Nessa reunião, no primeiro domingo de Maio de 1960, em que Pacavira informa os seus camaradas do encontro com Lúcio Lara, decide-se a mudança do nome de MINA para o de MPLA assim como a estruturação do movimento(9). Este contacto , realizado por Lúcio Lara, constituiu a primeira ponte entre os nacionalistas do interior, e o MPLA sediado no exterior em Conackry (Guiné).
Ao trazer à luz estes dois factos históricos perfeitamente documentados, permitem demonstrar as qualidades de disciplina e de coragem que Lúcio Lara demonstrou nessas alturas, mas também durante a luta pela independência e mesmo depois. Contra ventos e marés, Lúcio Lara soube sempre manter uma linha política anticolonialista, antifascista.




Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário