A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

domingo, 8 de janeiro de 2012

202 - Ágora - Silopsismo não





O Novo Jornal, e aqui o meu espaço partilham convosco duzentas semanas, o que se pode inferir que ainda vamos tendo quem nos ature, presumivelmente nos leia e que a maior parte das vezes talvez goste do que escrevemos. 
Neste exercício de quase puro narcisismo, lembrei-me que ao escrever a Ágora nº200, lembrei-me do Almirante Tomas, ultimo presidente da Republica de Portugal do tempo colonial que teve uma tirada que ainda é hoje recordada no anedotário político português, passados quase quarenta anos da sua deposição: «Comemora-se em todo o país uma promulgação do despacho número Cem da Marinha Mercante Portuguesa, a que foi dado esse número não por acaso mas porque ele vem na sequência de outros noventa e nove anteriores promulgados.».
Porque falei do Tomas, não queria deixar de recordar uma frase que a “censura” em Portugal e nas colónias fez a um discurso seu, e que a Seara Nova, revista oposicionista, deu à estampa e que dizia isto: «Pedi desculpa ao Sr .Eng.º Machado Vaz por fazer essa rectificação. Mas não havia razão para o fazer porque, na realidade, o Sr. Eng.º Machado Vaz referiu-se à altura do início do funcionamento dessa barragem e eu referi-me, afinal, à data da inauguração oficial. Ambas as datas estavam certas. E eu peço, agora, desculpa de ter pedido desculpa da outra vez ao Sr. Eng.º Machado Vaz.». 
Não deixa de ser bizarra a “Censura” proibir a publicação de partes do discurso do “Venerando Chefe de Estado de Portugal do Minho a Timor”.
Por falar em censura, li com muito agrado um livro recentemente editado pela Almedina de José Filipe Pinto, “Segredos do Império da Ilusitania- A censura na metrópole e em Angola”, que é um excelente trabalho de um investigador português que faz um estudo exaustivo da Censura em Angola, principalmente depois da criação do GNP (Gabinete dos Negócios Políticos) órgão criado em 1959 no Ministério do Ultramar, para controlar toda a informação nas colónias, e que em cada uma delas o governador era o responsável mor. 
Mais cedo que tarde hei-de voltar ao livro, porque de facto quase nenhum jornalista em Angola escapou ao crivo da censura, salvo algumas excepções que apenas legitimaram a sua má catadura política e ideológica. Releva-se aqui que o major Kokh Fritz, funcionou para os governadores-gerais como uma eminência parda por onde tudo tinha que passar. Um verdadeiro Torquemada, ou um Gobbels de pacotilha, de todo o universo que cheirasse a letras em Angola, desde a imprensa, à proibição de livros ou a actividades culturais diversificadas. 
Li o livro de Dulce Maria Cardoso, “O Retorno”, editado pela “Tinta-da-china”, e sinceramente mais do mesmo de um tema, onde ainda não vi uma abordagem coerente, ideologicamente distante e sem a confusão de afectos de quem o viveu e o transporta para a escrita, e daí para o prelo. Um romance feito de lugares comuns de alguém que tem pelo menos alguma honestidade intelectual de assumir que é o reflexo das suas vivencias, despidas de conceitos ideológicos ou discussões sobre o que foi o colonialismo português.
O livro é escrito de forma escorreita e fiquei com a ideia que Dulce Cardoso tem o que vulgarmente se diz “boa imprensa”, já que acaba por se multiplicar em aparições por tudo o que é rádio, tv e jornais, onde deixa transparecer ser uma pessoa simpática e interessante. Há contudo um detalhe determinante: Nem Portugal antes do 25 de Abril de 1974 era como ela descreve, nem Angola era o paraíso que deixou, mas a visão dos 11 anos não foi mesmo a sua aos 46, quando resolveu escrever “O Retorno”.
Costumo dizer que tenho no fundo da minha biblioteca muita tralha deste tipo para a “troca”.
Porque efectivamente a ditadura e o colonialismo aconteceram mesmo, e não há romance que o branqueie, não posso deixar esquecer que fez 75 anos que entrou o primeiro conjunto de presos no Tarrafal em Cabo Verde. Em 29 de Outubro de 1936 entraram os primeiros de muitos que lutaram pela liberdade nos seus Países. Porque temos que habituar as gerações vindouras a serem reconhecidas, acho que aos que por lá passaram lhes devemos mais que um quase circunstancial obrigado.
O Novo Jornal nestas duzentas edições já teve quatro governadores provinciais de Luanda nomeados, e por este andar suplantamos o Granma que já teve onze presidentes dos EUA desde a sua fundação. 

Fernando Pereira
15/11/2011



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário