A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Intervenção de Fernando Pereira na Homenagem ao Dr. Agostinho Neto em 7 de Dezembro


Intervenção alusiva à homenagem a Agostinho Neto em Coimbra 7/11/2011





Minhas senhoras e meus senhores.

Há algumas décadas que não entrava neste edifício onde estudei pelo que é gratificante estar aqui num momento destes, nesta homenagem singela a António Agostinho Neto nas comemorações do seu nascimento em Kaxicane há noventa anos e simultaneamente na comemoração do 37º aniversário da independência de Angola.
Com tantos oradores e com tanto que haveria para dizer o melhor que poderemos fazer para não aborrecer as pessoas aqui presentes é apelar à nossa parca capacidade de síntese.
Porque a minha intervenção é sobre o papel que as Republicas dos “1000-y-onários” e o “Quimbo dos Sobas” tiveram na mobilização dos estudantes angolanos e de outras ex-colónias portuguesas sedeados em Coimbra, na luta contra o colonialismo e no engajamento na luta de libertação nos territórios africanos, obriga-me a contar duas histórias passadas de um tempo em que somos cada vez menos as testemunhas.
Quando eclodiu o 25 de Abril de 1974 começou um movimento de ocupação das estruturas físicas onde estavam instaladas organizações do regime salazarista. Os estudantes das colónias, com alguns angolanos que por cá estavam a trabalhar e aqui recordo os médicos Manecas Balonas e Fernando Martinho, e o advogado Manuel Rui Monteiro, resolveram ocupar na Rua Guerra Junqueiro um andar onde estava instalado o CEU (Centro de Estudos Ultramarinos), o responsável era o mediático José Adelino Maltês, logo transformando na Casa dos Estudantes das Colónias.
Não vou perder muito tempo a falar sobre esses tempos, as múltiplas atividades que se desenvolveram, as discussões que se multiplicaram, mas evocar uma situação marcante para nós estudantes angolanos em Coimbra, e que teve a ver com a presença do Luandino Vieira e do saudoso N’Dunduma (Costa Andrade), primeiros a visitarem-nos entusiasmando-nos para o princípio de uma luta que seria longa e difícil como se previa. Eram os nossos escritores de referência principalmente o Luandino, um preso com muitos anos de Tarrafal e o orgulho partilhado de ter ganho o prémio que o regime não queria que se atribuísse. Foi uma agradável tarde de Junho desse 1974 não esquecido em que ouvimos gente nossa. É bom estar aqui de novo consigo hoje, trinta e oito anos depois pelas mesmas boas razões.
José Alberto Teixeira é um antigo estudante de direito de Coimbra, capitão da seleção de Angola de voleibol, jurista e administrador de uma importante empresa agroalimentar angolana, bom amigo e cúmplice de muitas lutas. Certa vez, estávamos a recordar umas gentes de Coimbra e fomos vendo umas fotos desses anos que partilhámos por cá. A determinada altura começámos a ver as fotos do cerco que se fez à sede da PIDE-DGS, na Antero Quental, um pouco acima da “República do Quimbo dos Sobas”, e numa dessas fotos reparo que estou num telhado num edifício contíguo sentado com o José Luis Carrilho, que entretanto regressa a Moçambique onde durante anos foi Procurador-Geral da Republica e com Guilherme Pousser da Costa, ex-primeiro ministro de S. Tomé e Príncipe. Não estávamos a cercar nada, estávamos a assistir ao estertor do regime. Serve apenas esta história para ilustrar a grande cumplicidade que havia entre as poucas dezenas de estudantes das colonias em Coimbra. 
As nossas cumplicidades estendiam-se às farras, aos jogos de futebol, às discussões políticas à surdina, aos piqueniques e aos passeios pelos arredores, porque o dinheiro era pouco mas partilhado.
O nacionalismo angolano passou por aqui, é o que se oferece dizer e desde o dealbar do seculo XX com Alfredo Troni, ilustre poeta e advogado de causas em Luanda, o famoso Dr. Videira causídico e maçom dos anos 30 e 40 a Eugénio Ferreira, ex-director da revista Coimbrã do neo-realismo “A Vértice”, advogado, Presidente da Sociedade Cultural de Angola e Presidente do Tribunal da Relação de Luanda, até ao surgimento do Tribunal Supremo em 1991 , cabouqueiro da angolanidade a partir dos anos 40 foram marcos importantes de gente que apoiou sempre a causa independentista.
Com a instalação em Coimbra da Casa de Estudantes do Império, inicialmente numa casa no Penedo da Saudade, inaugurada por Marcelo Caetano então ministro das colónias e fundador da CEI, começa a surgir um movimento aglutinador de ideias em torno de uma independência começando a ultrapassar-se o atávico e vago conceito da “autodeterminação progressiva” onde cabiam as propostas colonialistas de Norton de Matos, as rebuscadas de Armindo Monteiro e as tardiamente colocadas em prática por Adriano Moreira.
Agostinho Neto vem para Coimbra já com ideias bem claras, até porque era mais velho que a maioria dos que o acompanhavam e politicamente com outra tarimba.
Vem do Liceu Salvador Correia, hoje o encerrado Mutu-Ya-Kevela, com o Antero de Abreu, jurista, Procurador-Geral da República nos anos que se seguiram à independência, os irmãos Guerra Marques, o médico Eduardo dos Santos, jogador de futebol da Académica, Diógenes Boavida de direito, João Videira e João Vieira Lopes de medicina, foram outros que vieram do Salvador Correia. Do Sul de Angola, do Liceu Diogo Cão, que absorvia as gentes do Huambo, Benguela, Lobito e Namibe vieram Lúcio Lara, Emílio Quental, Carlos Mac-Mahon Vitória Pereira, Freitas de Oliveira (mais tarde delegado da FNLA no Huambo), a poetisa Alda Lara e outros que me deslembro.
A CEI, para além das atividades desportivas e culturais, foi um local onde começaram a fervilhar as ideias que eram ecos de Frantz Fanon, Césaire, Senghor, Kenhyata, Nkrumah e outros que partilhavam os ideais de libertação das colónias. No âmbito cultural, Agostinho Neto funda com Lúcio Lara e o moçambicano Orlando Albuquerque, médico que casa entretanto com Alda Lara, a revista “Momento” órgão da filial da CEI em Coimbra. No âmbito desportivo a CEI constitui uma equipa de futebol e de hóquei em patins, que disputa o nacional e onde pontificam os lobitangas irmãos Couceiro (Amandio, Júlio e Carlos).
Agostinho Neto vive uma parte da sua vida académica em Coimbra desde o fim dos anos 40, transferindo-se na primeira metade dos anos 50 para Lisboa onde entra na direção da CEI, complementando as tarefas que fazia em Coimbra. Nessa altura a delegação da CEI em Coimbra encerra.
Alguns dos que andaram por Coimbra nesses tempos participaram em atividades culturais na Academia como foi o caso de Lúcio Lara e Carlos Alberto Mac Mahon Vitória Pereira que integraram no Orfeão Académico de Coimbra. BAVIL, nome de guerra de João Vieira Lopes, recentemente falecido, fez parte dos órgãos sociais da DG da AAC numa lista com Salgado Zenha. França Ndalu, Daniel Chipenda, José Araújo (Ben Barek), Avidago e o moçambicano José Julio jogavam futebol na AAC e em 1962 saem clandestinamente de Portugal para apoiar a luta armada. Nessa fuga saíram também dois irmãos Bernardino (o Zé e o David) e o Liahuca que saiu com a mulher, todos do Huambo. 
No fim da década de 50 começam a afluir a Coimbra muitos angolanos, Já que as companhias onde os pais trabalhavam davam bolsas para a continuação dos estudos superiores em Portugal.
Um grupo de estudantes provenientes de várias colónias decidem constituir a primeira república, os 1000-Y-Onários que acaba no fim da década de sessenta. No núcleo inicial entra Norberto Canha a quem se junta o moçambicano António Cardoso, os angolanos Fausto Martins da Costa e “Manecas” Balonas, todos médicos. Mais tarde junta-se o António José Miranda, o M’beto Traça e o Carlos Pestana (Katiana), que acompanharam a célebre fuga dos 100 em 1962, para se juntarem à luta armada, e hoje generais nas FAAs. Na casa ainda permaneceu Rui Clington, Orlando Ferreira Rodrigues, insigne professor da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto. Foram repúblicos nos 1000 os angolanos Filipe Amado, Piricas, Arnaldo Pereira (José dos Calos) o moçambicano Óscar Monteiro, ministro da informação no governo de Samora Machel e os santomenses Celestino Costa e Carlos Graça, que chegaram a 1ºs ministros em S. Tomé e Príncipe. Alguns cabo-verdianos foram os que fecharam a casa, na Antero Quental do outro lado da rua do Quimbo dos Sobas.
O “Quimbo dos Sobas” resultou da necessidade dos alunos angolanos possuírem uma casa sua já que os 1000-Y-Onários não tinham lugar para os que vinham. Inicialmente instalaram-se na Nicolau Chanterene, num andar que se denominava “Solar do Quimbo dos Sobas”. Em 1963/64 um grupo onde estava o médico Fernando Martinho, do Lubango e os homens do Huambo, Manuel Rui Monteiro e Segadães Tavares alugam uma casa ao Dr. Dantas, ao tempo proprietário da Clinica de Montes Claros para instalarem a entretanto aceite pelo Conselho de Republicas, a “Republica do Quimbo dos Sobas”. No Antero Quental, hoje praticamente em ruinas, o estado do edifício é para todos uma enorme amargura. “O Quimbo dos Sobas” tem muito a ver com os caboucos do nascimento do País, mais que não fosse porque Manuel Rui Monteiro, seu fundador, é o autor da letra do hino de Angola. Os hoje generais Joaquim Rangel, Roberto Leal Monteiro (Ngongo), João Saraiva de Carvalho (Tetembwa) e o assassinado a 27 de Maio de 1977 Comandante Eurico Gonçalves são alguns dos homens do “Quimbo” que saíram de Coimbra para se juntar à luta armada nas fileiras do MPLA. A PIDE era visita constante e Garcia Neto, outra vitima dos fraccionistas em 27 de Maio de 1977 e o falecido Fernando Sabrosa, médico, foram presos em 20/2/1970, o que motivou uma onda de solidariedade em toda a academia coimbrã para a sua rápida libertação. Por aqui ainda que por pouco tempo passou Gilberto Teixeira da Silva, o comandante Gika, morto em combate na 1º guerra de libertação do País, o jurista Aníbal Espírito Santo, um homem da Catumbela e Néne Pizarro, que conseguiu fugir um dia antes da PIDE fazer mais uma visita de “cortesia” ao Quimbo. António Trabulo do Lubango e alguns da prole, Fonseca Santos do Huambo e Benguela também estiveram na casa, aproveitando esta ocasião para fazer uma homenagem tardia ao Henrique José Fonseca Santos (Quicas), morto pela Unita em Fevereiro de 1979 no Longonjo. Jaka Jamba também passou pelo Quimbo e saiu para se juntar à UNITA. Rui Cruz, Aníbal João de Melo, Eloy Malaquias, Jaime Madaleno da Costa Carneiro, Hernani Santana, o malogrado Noélio da Conceição e outros reuniam regularmente nesta casa que durante muitos anos foi só um dos embriões do que viria a ser “República Popular de Angola” em Coimbra, mesmo com a vigilância atenta da PIDE a pouco mais de cem metros, na mesma rua. Não foram habitantes do Quimbo, mas eram habituais nas suas festas, e muitos “patos” proporcionaram a gente da casa, o Carlos Correia (Bóris) do Chinguar e o viola baixo dos Álamos, o Luis Filipe Colaço, que gravaram com José Afonso dois discos emblemáticos, “Cantigas do Maio” e o “Traz outro amigo Também”. Na gravação deste trabalho, Phil Colaço aproveita para sair para um exílio para o reencontro em 11 de Novembro de 1975.
Em Janeiro de 1975 Agostinho Neto reúne todos os angolanos residentes em Coimbra numa exígua sala do Hotel Oslo e incentiva-nos a lutarmos de todas as formas possíveis contra as ameaças que se preparavam para obstar à independência do País. Foi uma assembleia muito participada e discutida e Neto com serenidade ia refreando a nossa impetuosidade dos “verdes anos”. Não esqueci nunca mais esse momento, em tempos que eram bem difíceis.
É interessante fazer notar que o “centenário” do “Quimbo”, que mais não é que a festa anual de convívio entre novos e antigos repúblicos, se realiza desde sempre no dia 4 de Fevereiro, uma homenagem ao início da luta armada em Angola, outra iniciativa que muito aborrecia a PIDE. 
O “Quimbo” está hoje em ruinas, mas antes de acabar só quero informar que há um grupo de antigos repúblicos que está a fazer um livro com a história completa da república e a participação dos seus elementos na história recente dos dois Países. 
Há um pedido que aqui fica, por razões apenas de natureza funcional: Que as placas que por lá se encontram sejam entregues ao museu académico para preservar a memória de uma casa que Angola fez por merecer. 
Obrigado por me terem aturado este momento que desejei mais curto.
Fernando Pereira





Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário