quarta-feira, 21 de novembro de 2012

CPLP - UMA VISÃO DE FUTURO


CPLP -  UMA VISÃO  DE  FUTURO

 A experiência  humana  de partidos totalitários a  dirigirem   nações    é uma experiência  bastante  traumatizante  para muitos cidadãos  e nações e  é  sinónimo  de  subdesenvolvimento mesmo tendo alguns aparentes sintomas de desenvolvimento   e    neste  inicio do século XXI    não há mais   dúvidas  sobre isso .

No entanto  as chamadas democracias  também pecam pelo exagero do egoísmo pois são organizações que  muitas vezes  buscam apenas  alcançar o poder  e  mantê-lo  a  qualquer preço  escondendo-se atrás de uma aparente lógica de desenvolvimento .

Nestes dois casos , deixam de serem importantes os objetivos cruciais da nação em desenvolvimento sustentado  pois o que está em causa  é a manutenção do poder para não se perderem os privilégios pessoais e do grupo .

Poucos países  no mundo conseguiram desenvolver realmente suas democracias e Portugal até agora ainda é  uma incipiente democracia .

Falando de Angola - nação da CPLP  , nas eleições de 2008  ,  o   partido MPLA     alcançou  uma  votação democrática  acima  de  oitenta por cento  e  tornou-se  num  partido  com  uma  alta representação popular  .

Nas eleições de 2012 em Angola , o MPLA  baixou para  cerca de setenta e dois por cento sua representatividade .

Esta  votação confirmou que  a  nação  angolana  deseja  o caminho da paz , da união  e  do desenvolvimento e  continua a entregar  ao  MPLA  a  responsabilidade   pela definitiva  e  profunda  reconstrução da nação   pois esta organização  apresenta-se  realmente  como a  mais  organizada  e  a  mais  fiável devido  à  sua  experiência  de  governação  pós independência traumática .

O  MPLA  contém  em  si  uma  diversidade  de  ideias  e  devido  exclusivamente  a essa  pluralidade de pensamentos conseguiu   alcançar  o  actual  patamar de liderança  nacional ,  regional  e  internacional   e  soube  reconstruir  caminhos bastante difíceis pós-independência , bastando  observar alguns países  vizinhos africanos e comparar alguns parâmetros de desenvolvimento  para se constatar essa realidade .

A  organização partidária  MPLA , e outros parceiros políticos ,  conseguiram  construir  a atual nação  angolana , com seus acertos e desacertos ,   e alcançar o atual patamar de liderança na região austral de áfrica   pois a direção do MPLA tem sabido “fazer  a  hora e  não  esperar  acontecer” .

Porém , todos  os partidos  demasiado  fortes   tendem  a  permitir o  surgimento de lideranças autoritárias  .

Se  o MPLA  fosse uma organização totalitária   e liderada  por um só pensamento egocentrista  ,  os caminhos do desenvolvimento de uma  nova  nação angolana   construídos  com tanto esforço  poderiam ser destruídos   e  como resultado disso Angola poderia deixar de se cumprir  como nação  democrática em desenvolvimento , neste século XXI .

Se até  1940 ,    Salazar e as lideranças  metropolitanas  tivessem  compreendido   o “momentum” mundial  das  transformações políticas , económicas e sociais  necessárias  à  reformulação do chamado Império colonial português    ,  conforme  alertaram  alguns  dos pensadores  maiores  lusófonos   no  continente  e fora dele  ,  hoje  certamente  Portugal não  atravessaria  tantas dificuldades ,   seria certamente uma nação mais  harmoniosa  e  exemplar  para o mundo globalizado  actual    e  a  CPLP   poderia ser  uma  comunidade de  grande prestigio mundial , com lideranças fortes assentes numa  verdadeira democracia de união .

Para se saber definir o rumo mais sapiente de uma Nação, é necessário compreender qual a estratégia da Nação dentro das sociedades aonde se pretende inserir ,  num permanente  diálogo entre os cidadãos cujo maior objetivo é a união das pessoas em busca de um desenvolvimento sustentado .

As lideranças politicas de um país em processo de  desenvolvimento  sustentado real pautam-se por um permanente  discurso  de união na diversidade das ideias  buscando sempre as mais  equilibradas e harmoniosas .
Enviar um comentário

Dia do Herói Nacional

Pensar e Falar Angola