A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

domingo, 5 de fevereiro de 2012

206 - Ágora - AMNÉSIA REVIGORADA





Adriano Moreira foi agraciado com o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade do Mindelo, em Cabo Verde.
Germano de Almeida insigne escritor cabo-verdiano é o seu padrinho, o que de facto me deixa perplexo pelo muito respeito que tenho pelo poeta e pelo nenhum que tenho pelo homenageado.
Adriano Moreira é um verdadeiro sibilino na política, onde paira há mais de cinquenta anos, mesmo que mudem regimes, primeiros-ministros, presidentes da república em Portugal e alterações sociológicas e políticas no mundo.
Recentemente a jornalista angolana, Diana Andringa fez um documentário interessantíssimo sobre a Colónia Penal de Cabo Verde, “Tarrafal: Memórias do Campo da Morte Lenta”, onde conseguiu reunir dois sobreviventes portugueses e umas dezenas de cabo-verdianos, guineenses, angolanos que por lá passaram, e onde morreram 32 portugueses, 2 angolanos e 2 guineenses.
“Ainda vivemos à conta de uma memória salazarenta que nos puseram na cabeça e não corresponde à verdade", disse Diana Andringa, razão por que considera sua obrigação "desmontar" o que foi a "propaganda do fascismo e mostrar o lado que não interessava mostrar" antes da revolução de 1974."É que muita juventude continua a desconhecer que tivemos 48 anos de fascismo, muita gente morta e ainda hoje temos muita gente marcada pela tortura", argumenta."E um país não cresce sem a memória do passado", sublinha a jornalista, que conhece bem a realidade do campo do Tarrafal e da prisão antes do 25 de Abril de 1974 uma vez que ela própria esteve detida em Caxias ao abrigo de um processo ligado a movimentos pró independentistas.
Recorde-se que o Campo de Concentração do Tarrafal foi criado em Abril de 1936, e inaugurado em Setembro do mesmo ano, essencialmente com presos da revolta da Marinha Grande e da revolta dos Marinheiros. Foi encerrado em 1954.
Adriano Moreira reabre-o em 1961 com o nome de “Colónia Penal de Chão Bom”, para onde enviou os condenados de “delito de opinião” das colónias, donde foram libertados em Maio de 1974. Muito indignado ficou quando alguém o confrontou com essa abertura, tendo dito que não reabriu nada, criou uma estrutura nova. Essa estrutura era a mesma que «Quem vem para o Tarrafal vem para morrer» como diziam os directores do Campo, Manuel dos Reis e João da Silva ou «Eu não estou aqui para curar doentes, mas para passar certidões de óbito», dizia o médico do Campo, Esmeraldo Pais Prata.
Ministro do Ultramar que Salazar nomeia na esteira dos acontecimentos de 15 de Março de 1961 em Angola, Adriano Moreira supôs que seria o delfim do regime, e ei-lo a tentar pelos meios mais sórdidos abafar todos os seus potenciais adversários. Marcelo Caetano e Venancio Deslandes foram dos seus alvos com o beneplácito do sardónico primeiro-ministro português. Foi o homem adequado para que Salazar se visse livre de certa gente, e quando tudo serenou, o seminarista de Santa Comba despachou-o mais ou menos ao estilo que já tinha feito com outros.
Adriano Moreira era um jovem professor do ISCPU, cultor e divulgador do luso-tropicalismo do brasileiro Gilberto Freyre, portador da ideologia que enfatizava as qualidades do português enquanto homem de grande humanismo e enorme espírito de promoção civilizacional dos negros africanos. 
Chegou a Angola cheio de reformas que no essencial era mudar tudo para que tudo ficasse na mesma. Claro que tudo ruiu como um castelo de cartas, porque a partida já tinha passado para a sua fase de confronto decisiva.
Voltando ao Honoris Causa condenado por todas as associações de ex-presos políticos da lusofonia, nomeadamente a cabo-verdiana pela voz do seu presidente Pedro Martins que considera isto um “insulto” e que a «a distinção é contra tudo o que lutámos para pôr fim ao regime colonial fascista».“Ali é só deixar de pensar. Porque se não morre aqui de pensamentos. É só deixar, pronto. Os que têm vida ficam com vida. Nós aqui estamos já quase mortos.” A frase é do angolano Joel Pessoa, preso em 1969 e libertado, com todos os outros presos do campo, em 1 de Maio de 1974, no documentário de Andringa. 
Adriano Moreira tentou sempre ser equidistante de tudo, mas a realidade é que foi estando em tudo que ao colonialismo diz respeito (Sei que há muitos na terra que não gostam do termo, apesar de noutras alturas berrarem bem alto contra ele, e alguns arvorarem-se em combatentes de primeira água).
Como já fui vendo tanta coisa, espero que Angola não faça o que já fez com outros de igual jaez, e premiarem-no “por razões de ordem científica” como estão a fazer no Mindelo.
A memória tem que estar presente para que a dignidade de angolanos não seja violentada por uns basbaques, que ainda não conseguiram acertar a sua consciência com a história.
Já agora perto da fábrica da Cuca havia um bairro com o nome dele, e felizmente que a toponímia em certos casos foi mesmo bem mudada na nossa cidade!
DesaTARRAFALem-se deste tipo de gente!

Fernando Pereira
13/12/2011



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário