A Efeméride Nacional

11 DE NOVEMBRO DE 1975

domingo, 12 de junho de 2011

172 - Ágora - Da Invasão à demolição






Há cinquenta anos (16 de Abril de 1961) os EUA patrocinaram um desembarque de um corpo de anticastristas na Baia dos Porcos a sul de Cuba determinados a derrubar o regime de Fidel de Castro numa operação que se pretendia cirúrgica e secreta, acabando por descambar numa dos erros repetíveis dos americanos ao longo da sua história contemporânea.


O regime cubano estava avisado para a hipótese uma invasão deste tipo e num espaço de setenta e duas horas repeliu-a e vibrou um rude golpe em ulteriores projectos para derrubar o regime socialista cubano. 

Os EUA ficaram indelevelmente ligados ao fortalecimento da revolução cubana, ao seu alinhamento com a então União Soviética, e a política titubeante de Kennedy em relação a Cuba terá precipitado o seu assassinato em Dallas em 1963, atentado atribuído à máfia cubana de Miami, facto apesar de tudo nunca cabalmente demonstrado.

Nesse ano e nesse período em que a Emissora Nacional depois do hino cantado pelo coro da FNAT da “Angola é Nossa”, da “Rádio Moscovo não fala verdade” e “De Luanda fala Ferreira da Costa” procedia-se à definitiva transferência da “Casa das Malucas” para as actuais instalações na “Revolução de Outubro”. 

De facto foi em 1961, com a necessidade de se instalar o Hospital Militar para apoiar as tropas portuguesas enviadas para a colónia desocupou-se o hospital psiquiátrico de Luanda, anexo da Maternidade Mariano Machado inaugurada em 1947, e hoje o pavilhão anexo ao edifício principal da maternidade “Lucrécia Paim”. Era chamada em Luanda como a “casa dos malucos”, no antigo “Hospital da Caridade” instalada ao tempo numa zona arrabalde onde muitos dos doentes deambulavam pelas ruas, a maioria deles com diagnóstico de doença do sono.

O “Hospital da Caridade” era próximo do antigo aeródromo Emílio de Carvalho e perto da estação do comboio que cruzava a cidade duas vezes por dia em ambos os sentidos no percurso Bungo-Município-Cidade Alta- Hospital e Aeroporto. O comando central dos bombeiros de Luanda ocupa as salas de embarque do aeroporto, depois de terem sido deslocados da baixa onde o quartel foi transformado no antigo teatro Avenida no fim dos anos sessenta, hoje demolido por pressão do imobiliário reinante na nossa comunidade.

Até ao dealbar dos anos 50 era habitual o tiro de canhão ao meio dia na fortaleza, um aviso sonoro do fim do período de trabalho da manhã que apesar de deixar perplexos os recém-chegados à cidade, nunca deixou de ser um dos poucos ex-líbris de uma cidade provinciana e atarracada.

Era uma cidade em que o único cinema era o pequenino Nacional, hoje espaço Verde do Chá de Caxinde onde nas paredes exteriores, nos camarins ou nos foyers se vão vendo muitas evocações às passagens de teatro clássico e de revista “importada” de Lisboa que muitas vezes devem ter encolhido o elenco de forma a caberem no pequeno palco para representar junto da sociedade reluzente da urbe.

Como nessa altura o porto da cidade era nas “Portas do Mar”, no largo onde se encontra hoje a peanha vazia do Pedro Alexandrino da Cunha toda a cidade fervilhava em volta desse local onde estavam (e estão) os correios, a alfandega, o edifício das telecomunicações, a delegação do BNU e todas os grandes armazéns, barbearias, bares, botequins, comércio geral, farmácias e hotéis como por exemplo o demolido há décadas Hotel Colonial ao lado dos Correios, onde está hoje mais um edifício tipo palito disforme que nos exige cada vez mais resistência a tanta falta de gosto espelhado.

Vários armazéns perpetuaram-se e mantêm-se apesar de terem passado a monarquia, a 1ª república, a ditadura no período colonial e o arremedo de marxismo-leninismo, o capitalismo envergonhado e o ultra-liberalismo prevalecente dos anos em que somos Nação.

Os Armazens Caiado, Carrapa, Joaquim Valente, Catonhotonho, Travassos e Jorge, Mabílio Albuquerque, Setas, Bungo, ETA, Zuid, Diogo e Companhia entre muitos outros movimentaram a cidade num espaço junto do mercado do Caponte demolido para se construir inicialmente o “português-suave” Banco de Angola e mais tarde o BCA, actual BPC, que foi o orgulho dos luandenses durante décadas. 

A actividade do porto pesqueiro, até ser mudado para o actual lugar em 1969, e todo aquele labirinto de casas que havia no que é hoje ocupado pelos prédios novos em redor do MIREX e pela praça Saidy Mingas era um lugar de grande convívio e de histórias que irei tentar contar para que não se percam, num tempo em que a cidade andava ao ritmo do comboio-bébé já pouco vivo na lembrança dos luandenses.

Obrigado pela companhia nessa cidade de mais terra encarnada que alcatrão. Às histórias dela havemos de voltar.



Fernando Pereira

11/4/2011



Pensar e Falar Angola
Enviar um comentário